Conheça o incrível caso das gêmeas siamesas separadas após 20 horas de cirurgia no DF

Lis e Mel nasceram unidas pela cabeça, compartilhando uma pequena porção do cérebro. Com apenas dois meses de vida, a equipe médica responsável pelo parto já planejava um procedimento operatório que pudesse separar as gêmeas siamesas sem que isso lhes causasse sequelas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O médico Benício Oton de Lima descobriu por meio de exames que a cirurgia de separação da cabeça, especialmente do cérebro, poderia ser feita sem o risco de danos. “O dia em que ele disse que poderíamos separá-las foi de muita felicidade para mim”, lembra a mãe das meninas, Camilla Vieira Neves, 25 anos.

Elas estavam conectadas pelo lóbulo frontal direito dos crânios, uma ligação que poderia ser rompida sem comprometer o do desenvolvimento delas à longo prazo. “Não são pacientes acamadas. São pacientes saudáveis, que tiveram o crescimento e o desenvolvimento motor perfeitamente normal”, destaca a anestesiologista Liliana Teixeira.

Normalmente, o que se observa entre siameses craniopágos [ligados pela cabeça] é que a junção aconteça no topo dos crânios, o que os obriga a viverem na horizontal, prejudicando as condições de saúde.

Lis e Mel: detalhes sobre o incrível caso das siamesas separadas no DF
Nascimento de Lis e Mel, gêmeas siamesas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

As pequenas já são capazes de falar palavras simples, como “mama” e “papa”. Também conseguem ficar de pé e dar pulinhos.

Horas antes da cirurgia, a mãe explicou para elas que os médicos as colocariam para dormir. Quando acordassem, papai e mamãe estaria com elas, esperando-as.

Quando viu suas filhas finalmente separadas, Mel ficou profundamente emocionada. “Olhei minha filha e ela estava perfeita. Igual a uma boneca”, afirma Camilla. Lis foi a primeira a despertar depois da anestesia.

No final da tarde da última segunda-feira (29), a pequena já não estava mais entubada.

Lis e Mel: detalhes sobre o incrível caso das siamesas separadas no DF

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

É possível identificar nas fotos duas equipes médicas: uma com toucas rosas, responsáveis por Lis, e outra com toucas amarelas, responsáveis por Mel.

Até os instrumentos cirúrgicos utilizados por cada uma estavam identificados com fitas adesivas das duas cores, de modo a não haver qualquer tipo de confusão.

Lis e Mel: detalhes sobre o incrível caso das siamesas separadas no DF Lis e Mel: detalhes sobre o incrível caso das siamesas separadas no DF

Leia tambémBares e restaurantes brasileiros começam a abrir espaço para a gastronomia sustentável

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Houve todo um processo de preparação para a cirurgia no mês de de abril. A equipe médica realizou ensaios práticos com bonecos impressos em 3D que tinham as mesmas medidas que as meninas.

Os ensaios eram realizados diariamente em horários aleatórios: à noite, no pós-trabalho, durante o dia – tudo para se precaver de quaisquer tipos de complicações e dificuldades. Tudo planejado nos mínimos detalhes.

Lis e Mel: detalhes sobre o incrível caso das siamesas separadas no DF

E assim chegou o grande dia. Foram mais de 20 horas de trabalho!

A cirurgia foi concluía às 2h30 do domingo (1). Houve uma catarse coletiva que sensibilizou toda a equipe cirúrgica e os pais das crianças.

Exaustos, muitos se abraçaram e choraram após se darem conta do sucesso absoluto da operação. “Realmente foi muito emocionante”, afirmou o anestesiologista Luciano Alves Fares.

Lis e Mel: detalhes sobre o incrível caso das siamesas separadas no DF
As gêmeas siamesas.

O neurocirurgião Benício Oton de Lima, cabeça da equipe, disse que precisou pedir para os médicos irem embora, tamanho o envolvimento deles com o que tinha acontecido. “É um time muito unido, que participou de um grande momento junto.”

Leia também“Comecei lavando louça, agora sou auxiliar de cozinha no restaurante”: projeto abre portas para mercado de trabalho

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Metrópoles
Fotos: Divulgação / Hospital da Criança

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,640,029SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Aluna de colegial responde ao bullying usando post-its e explode em viral do bem

Caitlin Prater-Haacke, uma aluna que vive no subúrbio de Calgary, no Canadá, teve seu armário de escola vandalizado por valentões, que levaram o seu...

Conheça atos heróicos da vida real

Em meio a notícias ruins que nos bombardeiam diariamente, encontrei uma compilação emocionante de pequenos-grandes atos de heroísmos de pessoas comuns fazendo o bem...

Série revela tatuagens escondidas das pessoas e derruba preconceitos

Parece que não, mas ainda existe preconceito com pessoas que tem tatuagens no corpo (estamos em 2014, please!), infelizmente ainda existem julgamentos e pré-conceitos...

Michelle Obama: ex-primeira dama lê livros para crianças em lives durante quarentena

A ex-primeira dama dos Estados Unidos decidiu entrar na onda das lives e lançou a incrível iniciativa 'Segundas-feiras com Michelle Obama', da qual lerá...

Avó de 63 anos aprende a ler com as aulas remotas do neto na pandemia

As aulas remotas do neto de 7 anos ajudaram Marlene Hinckel, 63, a ler suas primeiras palavras. Em 2019, Marlene, que mora em Florianópolis...

Instagram