Gari distribui pão e água para moradores da Cracolândia em São Paulo

"Eu tenho muito dó daqueles que eu vejo sofrendo diante de mim também”


PUBLICIDADE ANUNCIE

Há 1 ano, o gari José Carlos Matos prova que a falta de dinheiro não é desculpa para não ajudar pessoas desamparadas, entregues à própria sorte. Ele está longe de ganhar um bom salário, mas faz o que pode para devolver um pouco de dignidade aos moradores da Cracolândia, em São Paulo.

O morador de Embu das Artes pega três ônibus e percorre mais de 30 km para chegar ao terminal Princesa Isabel e fazer as doações de pão e água para os dependentes químicos. Antes da Prefeitura e do governo do estado determinar a demolição de casas e prédios na região, a doação era feita duas vezes por semana.

“Eu vinha toda quinta e todo sábado, mas depois que a polícia invadiu aqui dentro do recinto deles, estou vindo todo dia”, disse José, em entrevista para o G1.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Os pães são doados por padarias e a água José consegue em lojas da região. Ele faz as distribuições em uma tenda do programa Braços Abertos – criado na gestão do ex-prefeito Fernando Haddad, para acolher usuários de drogas – e na Praça Princesa Isabel.

A leva de pães acaba em questão de minutos. Os galões de água são recarregados várias vezes. “Já chegou dia que eu cheguei a distribuir mais de 200 litros de água para essas vidas que estão perecendo”.

O galão no ombro faz José lembrar da sua infância em Chapada do Norte-MG, quando tinha que ir buscar água com um balde na cabeça. “A minha infância que eu passei não foi boa, passei sem pai sem mãe, eu sei o que é o sofrimento da vida. Eu tenho muito dó daqueles que eu vejo sofrendo diante de mim também”.

José Carlos trabalha à noite na região de Moema. Ele dorme durante o dia e, à tarde, sai para fazer as entregas de pão e água. “Quanto mais eu faço o bem, mais vontade de fazer eu tenho. Isso que me dá força, isso que me dá ânimo para eu lutar pelas vidas. Essa batalha nós só vamos vencer no amor. Não é ignorância, não é violência, não resolve nada”.

Foto: Paula Paiva Paulo/G1

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar