Karaokê de Campinas (SP) não cobra entrada e garante comida e bebida à vontade para crianças de orfanato

Muita bondade do dono do estabelecimento!


karaoke não cobra entrada crianças orfanato comida bebida graça
PUBLICIDADE ANUNCIE

A Letícia Pires é voluntária em um orfanato em Campinas (SP) e resolveu levar as crianças para o Karaokê. Ao saber da história, o dono do estabelecimento não cobrou nenhuma entrada.

Leia também: Para a principal causa de demência infantil, o diagnóstico precoce é tão importante quanto o tratamento

E não satisfeito com esse ato de bondade, o proprietário deu comida e bebida para a turma de graça. “Chegamos lá, quase desistimos. Ia ficar difícil pagar a entrada de tantas crianças + a da mãe social + as nossas”, relatou Letícia no seu Facebook.

Letícia disse que não sabia o que fazer na hora, mas decidiu entrar mesmo assim, pois tinha prometido para as crianças uma noite de muita desafinação e gargalhadas. Quando já era quase hora de ir embora, Letícia foi acertar a conta no caixa, na esperança de conseguir um desconto. “Não rolou muito, não”.

Leia também: Menina pede para comemorar aniversário com crianças de orfanato

Mas aí perguntaram pra ela quem eram aquelas crianças tão animadas. Letícia explicou que eram crianças de um orfanato e pediram pra ela aguardar um minutinho. De repente, começa a chegar uma porção atrás da outra na mesa onde estavam. Como o dinheiro era curto, as crianças não tinham comido.

“Além dos refris, sanduíches e, o melhor: os sorrisos e o carinho da equipe do karaokê.”

Leia também: Família adota irmãos que viviam em orfanatos e seriam separados

Além de não cobrar a entrada e garantir comida e bebida à vontade, o dono do Aloha Karaokê Campinas pediu para as crianças voltarem mais vezes pra animar o salão! Demais, né?!

“29.07.2018: resolvi levar as crianças da casa lar (quase = orfanato) que frequento para uma atividade diferente. Queria proporcionar um momento gostoso para eles e celebrar a chegada de mais 3 crianças na casa. Chamei minha amiga que também frequenta a casa comigo e lá fomos nós de Uber para levá-los a um karaokê pela primeira vez.

Chegando lá, quase desistimos. Ia ficar difícil pagar a entrada de tantas crianças + a da mãe social + as nossas. Não estava em um momento financeiro favorável.
Ficamos ali na porta sem saber muito o que fazer, até que decidi: “eu inventei essa história, já estamos aqui, vamos dar um jeito de pagar! Elas merecem!”

PUBLICIDADE ANUNCIE

Tivemos uma noite de muitas risadas, afinamos e desafinamos juntos, teve coral com a platéia, palmas, coreografias..

Quando faltava pouco para irmos embora (afinal, as crianças começavam a sentir fome), fui ao caixa para acertar tudo, ver se rolava um desconto. Não rolou muito, não.

Aí me perguntaram quem eram aquelas crianças tão animadas.
Quando contei, me pediram: “você pode esperar um minutinho?”
Esperamos.

Daqui a pouco, começa a sair porções e porções da cozinha indo direto para nossa mesa. Além dos refris, sanduíches e, o melhor: os sorrisos e o carinho da equipe do karaokê.

Nos disseram que o dono não só decidiu não cobrar as nossas entradas como também nos dar comida e bebida à vontade. E nos convidou a voltarmos sempre para animar o salão! Isso não é lindo demais?

Ontem foi a terceira vez que fomos lá.
Decidimos comemorar o meu aniversário cantando.

E é um baita presente saber que no mundo existem pessoas tão maravilhosas quanto à equipe do Aloha Karaokê Campinas. Obrigada Luiz Kikuchi, Maria Lucia, Cristina, Karina e todo mundo que nos proporciona momentos tão felizes por aí! @df_reina #razoesparaacreditar #gratidão

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

crédito da foto: Reprodução/Facebook Letícia Pires

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar