Baterista lança canal sobre música e inclusão de pessoas com deficiência

Clique e ouça:

O paulistano Gui Caiaffa lançou no último mês de julho um canal no YouTube sobre bateria. Ele, que iniciou as práticas do instrumento aos cinco anos de idade, é portador da síndrome Apert, condição que tem como uma das características a fusão dos dedos das mãos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas isso nunca o impediu ou limitou os estudos na bateria, pelo contrário: a identificação com a música se tornou uma profissão. Após algumas cirurgias corretivas, mesmo com os dedos menores, ele passou a ter total liberdade e independência para tocar.

[Julio tem autismo severo e precisa ser amarrado em momentos de crise. Por falta de tratamento, ele parou de falar há muitos anos e precisa de um acompanhamento clínico e psicoterapêutico. Queremos custear um tratamento pra ele e comprar móveis para a família viver um pouco melhor. Clique aqui e apoie.]

Aos dezoito anos, Gui ouvia muito som pesado e era fã de Sepultura. Por isso, ao descobrir que o ex-baterista da banda, Jean Dolabella, dava aulas, imediatamente o procurou para aprimorar os estudos.

Baterista Gui Caiaffa canal música inclusão pessoas com deficiência

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Confeiteira dá exemplo de inclusão com bolo ‘destruído’ em festa de criança autista

“Lembro que antes de ter a primeira aula, imaginava que ia chegar lá, tocar heavy metal e pegar algumas técnicas de pedal duplo. O que na realidade foi totalmente diferente. Eu lembro que quando ele colocou a música para eu tocar, o som era Cherish da Madonna. No começo estranhei porque estava tocando aquele som, mas vendo o que ele me passava de técnicas e outras idéias sobre a música, minha cabeça começou a se abrir para ouvir outros estilos além do metal.”

Tendo passado por uma banda de pop que atuou em bares e pubs, Gui acumulou a experiência da dinâmica de palco e acrescentou novas formas a sua maneira de tocar.

Leia também: Crianças de comunidade carente de Curitiba são surpreendidas com lanche e agasalho na volta às aulas

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A partir das aulas com Jean, a ideia do canal surgiu para que Gui pudesse mostrar um pouco sobre a sua profissão, como uma espécie de portfólio.

Paralelamente a isso, a ideia de incorporar a inclusão social foi amadurecendo. Abordando a síndrome, adaptações e a própria evolução, Gui Caiaffa é um produtor de conteúdo que influencia outras pessoas (com diferenças físicas ou não) a superarem os medos e iniciarem a prática desse instrumento que é libertador e a fazer qualquer coisa que tiverem vontade. Afinal, a bateria é para todos!

Saiba mais assistindo o vídeo abaixo:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fotos: Divulgação/Estevam Romera

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,050,001FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
17,102SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Homem com deficiência humilhado por atraso de salgados se surpreende com apoio: “o telefone não para”

Coisa mais linda essa corrente de solidariedade, o Rafael tá sem acreditar! Rafael foi humilhado por um cliente que não aceitou o atraso da sua...

Cãozinho é reprovado em treinamentos da polícia por ser ‘dócil demais’

E essa carinha de: "Alguém brinca comigo, por favor!"?

Vendedor de salgados é humilhado e recebe ajuda de vaquinha que bate R$70 mil em 24h

Rafael, que só tem uma das mãos, foi humilhado por cliente que não aceitou o atraso da sua encomenda de salgados.

“Eu quito!”, diz Tatá Werneck para seguidora que desabafou sobre dívidas na pandemia

A Tatá Weneck se ofereceu para pagar as dívidas de uma seguidora depois que ela postou um meme no seu Instagram. O meme é uma...

Jovem ‘zombada’ por vender sacos de lixo para ajudar a mãe não abaixa a cabeça

A estudante de enfermagem Clara Soares, 18 anos, vende sacos de lixo e panos de chão em Ceilândia (DF) para ajudar a mãe. Enquanto batia...

Instagram

Baterista lança canal sobre música e inclusão de pessoas com deficiência 13