Há 10 anos aposentada oferece café da manhã para coletores de lixo

“Tudo começou quando um dos rapazes da coleta de lixo pediu água”, conta Heli de Jesus Andrade, moradora do bairro Santa Júlia em Itapecerica da Serra, região metropolitana de São Paulo. Ela que adora uma boa conversa aproveitou a deixa e puxou papo, logo soube que aquela não era a primeira casa que o rapaz batia para pedir água. Antes ele tentou outros moradores e pasmem “recusaram um copo de água”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Desse dia em diante ela passou a esperar pelos rapazes com uma jarra de água todas as manhãs de segunda, quarta e sexta-feira quando concluíam a coleta de lixo. Da jarra de água evoluiu para um suco, café e nos dias de pagamento da aposentadoria esporádicos refrigerantes. Itens como margarina e pão de sal foram incluídos na compra mensal. Pronto! Agora o café da manhã estava completo sobre uma mesa de madeira simples posta na garagem da casa da dona Heli. Na falta de dinheiro, a padaria próxima a casa dela doava o pão de sal. Agora eles o fazem regularmente.

Quando precisa sair, ela pede para alguém ajudá-la a deixar um recadinho para os meninos se servirem, mas faz questão de assinar.

Quando a anfitriã precisa se ausentar por conta de algum compromisso, a simpática senhora deixa um bilhete na mesa com orientações ou recorre a sua rede de apoio: filho, noras ou netos que moram próximos a ela ficam responsáveis por servir o café, inclusive os seus bisnetos já se acostumaram a tomar o café com Pedro Henrique, de 30 anos sendo 8 deles como coletor; Sidrônio Francisco de 20 anos e recém-chegado ao grupo – há 7 meses  –; Marcos Martins de 43 anos, 9 anos como coletor e o veterano Mauro Fernando de 35 anos, que trabalha há 10 anos como motorista.

Por dia eles percorrem 22 quilômetros, seis dias por semana, entre morros íngremes e ruas sem asfalto da região. Ao todo são 132 quilômetros por semana, mais de 6 mil quilômetros por ano. Como todo mês de dezembro, eles passaram pelo bairro deixando panfletos pedindo aos moradores uma “caixinha de final de ano” e a dona Heli é uma das pessoas que ajudam a distribuir o material, pedindo qualquer contribuição financeira aos “meninos” como os chama carinhosamente. “Ela ajuda a gente demais”, diz o pernambucano Sidrônio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O afeto e respeito entre eles é de arrepiar. Em troca, os meninos que ganham frutas do sacolão do bairro fazem questão de compartilhar com ela, que as aceita de bom grado. “Esse carinho de sentar na mesa com ela e a sua família não tem dinheiro que pague”, se emociona Pedro Henrique ao falar. Já Heli o corrige e diz que não faz nada de demais: “Eles merecem muito mais do que isso”.

Surpresa de Natal

Coletores fazem mesa de café da manhã para Heli, que se emociona com a homenagem.

Em forma de agradecimento, eles nos avisaram que fariam uma surpresa para a dona Heli. Junto com as esposas, os coletores prepararam um café da manhã especial e deram de presente uma cesta com sabonetes, hidratante e demais produtos que toda mulher adora ganhar. Dona Heli se emocionou quando o motorista Mauro leu para ela uma cartinha em nome do grupo dizendo “seu apoio foi para nós de valor inestimável”. A surpresa foi feita as vésperas do seu aniversário de 77 anos, comemorado junto com o natal.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,786,495SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Desconhecidos ajudam mãe a bater meta de vaquinha para pagar 918 picolés encomendados por engano pelo filho autista

Imagina a cena... Você acorda com o barulho da campainha de manhã bem cedo e se depara com 51 caixas com 918 picolés do...

Policiais cantam ‘Baby Shark’ para colher digital de menino autista: ‘criar vínculos’; assista

“Na hora a gente tem que dar uma improvisada, e tem que ir de acordo mesmo com cada criança. Tem que criar aquele vínculo com ele, para quebrar aquele gelo."

Para incentivar filhos a estudar, pai constrói casa para filha não esperar ônibus escolar na chuva

O caseiro José Paixão Fernandes vive na zona rural de Palmas com sua esposa e filhos, Natália, de 8 anos, e Josué, de 4...

Mulher trans adota bebê que foi abandonado depois que recebeu sangue dela

Os pais abandonaram a criança com medo de que ela se tornasse "um deles".

Idosos casados há 82 anos adoecem juntos e pedem para ficar internados no mesmo quarto em hospital do DF

Sebastiana Matos tem 101 anos e é casada com Francisco de Alencar, de 102, há "apenas" 82 anos. Uma vida inteira passada um na...

Instagram