Herói muçulmano lutou contra atirador na Nova Zelândia e chegou a tomar sua arma

Em meio ao violento e inexplicável ato de ódio que o mundo testemunhou esta semana contra duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia, que ceifou a vida de 49 pessoas que faziam suas orações, encontramos, diante de tamanha tristeza, um raio de esperança.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Artista transforma crianças da Cidade de Deus em super-heróis (que realmente são!)

Relembrar as vítimas e os sobreviventes do massacre é necessário, bem como contar suas respectivas histórias.

Abdul Aziz, um homem muçulmano que fazia suas preces no Linwood Islamic Center, seria apenas mais um alvo do atirador, mas conseguiu combatê-lo no momento do ataque.

De acordo com o relato de Syed Mazharuddin, jovem que testemunhou a ação, Abdul conseguiu tirar a arma da mão do atirador e perseguiu ele o quanto pôde para fora da mesquita.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“O homem que cuida da [estrutura da] mesquita… ele viu uma oportunidade e atacou [o atirador], pegando sua arma.” Syed acrescentou: “Esse homem, esse herói, perseguiu o atirador, que falhando em pegar a arma, correu para fora da mesquita e fugiu num carro – onde pessoas esperavam por ele.”

Leia tambémPessoas do mundo todo estão deixando flores em mesquitas após atentado

Abdul Aziz é um imigrante do Afeganistão que possui uma loja de móveis em Christchurch. O afegão conta que jogou uma máquina de cartão de crédito na cara do atirador para transtorná-lo.

“Eu vi um homem com um uniforme do exército e disse: ‘Quem diabos é você?’ E ele começou a me xingar ”, disse Abdul à Rádio Nova Zelândia.

Abdul aproveitou um momento de distração do atirador e pegou a espingarda dele, só que ao tentar atirar, percebeu que a arma estava sem balas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“[…] então eu joguei a arma contra ele, acertando uma janela. O vidro estourou, fazendo bastante barulho e ele ficou chocado, pensando que eu tinha atirado contra ele ou algo assim,” relatou.

Quando o comerciante afegão foi questionado sobre ter salvado vidas naquele dia, ele foi humilde.

Relacionado: Merendeiras ajudam a salvar 50 alunos de ataque em escola de Suzano

“Na verdade, eu não salvei ninguém. Deus, Deus, os salvou ”, afirmou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Abdul Aziz, aclamado como herói, descreveu o ataque em uma entrevista recente [legendas em inglês]:

Leia tambémHomem muçulmano posta no Twitter como seu colega de trabalho judeu o trata todos os dias

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Tanks Good News

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Conheça o Osteoid: protótipo inovador que promete substituir o gesso

Todo mundo sabe que quebrar o braço não é uma experiência agradável, principalmente pelos cuidados que a recuperação exige. E você nem precisa tê-lo...

Médica ‘receita’ influenciadores e intelectuais negros para jovem deprimido

Deu certo: o jovem, negro, gay e periférico, está namorando! 🖤

Histórias de pessoas que tiveram os celulares e documentos DEVOLVIDOS no carnaval

Das diversas histórias que a gente leu sobre o carnaval, várias eram sobre pessoas que foram assaltadas ou que perderam seus pertences e nunca...

Clipe mostra as várias formas de amor através da trajetória de uma flor

A cantora e compositora Ana Kucera tem um trabalho delicado e muito romântico, com músicas leves que nos remetem a amores possíveis que tivemos...

Após ser flagrado vendendo bolos na rua, criança ganha vaquinha para ajudar a família

Com apenas 12 de idade, o pequeno Nicolas ajuda sua mãe a vender bolos para sustentar seus outros 7 irmãos. Toda a família mora...

Instagram

Herói muçulmano lutou contra atirador na Nova Zelândia e chegou a tomar sua arma 2