Histórico: Superior Tribunal de Justiça proíbe publicidade dirigida às crianças

Em decisão histórica a 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) proibiu na tarde desta quinta-feira (10) a publicidade dirigida às crianças. A deliberação ocorreu durante o julgamento da campanha “É Hora de Shrek”, de 2007, da empresa Pandurata, detentora da marca Bauducco. Nela, as crianças precisavam juntar cinco embalagens de qualquer produto da linha ‘Gulosos Bauducco’ e pagar mais R$5,00 para ganhar um relógio exclusivo do filme.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A Ação Civil Pública do Ministério Público de São Paulo teve origem na atuação do Projeto Criança e Consumo do Instituto Alana, que alegou a abusividade da campanha por se dirigir ao público infantil e o fato de se tratar de venda casada. Em 4 de julho de 2007, a empresa foi notificada pelo Criança e Consumo sobre os abusos da promoção. Na sequência, o caso foi denunciado ao Ministério Público de São Paulo com o relato das ilegalidades cometidas. O Ministério Público propôs Ação Civil Pública. Em 2013, o Tribunal de Justiça de São Paulo condenou a Pandurata ao pagamento de R$ 300 mil de indenização pelos danos causados à sociedade pela campanha publicitária de 2007. (Leia o caso na íntegra aqui)

A Pandurata recorreu e o caso chegou ao STJ. No Tribunal da Cidadania, a advogada Daniela Teixeira, representando o Alana comoamicus curiae, argumentou:

A propaganda que se dirige a uma criança de cinco anos, que condiciona a venda do relógio à compra de biscoitos, não é abusiva? O mundo caminha para frente. (…) O Tribunal da Cidadania deve mandar um recado em alto e bom som, que as crianças serão, sim, protegidas.”

O ministro Humberto Martins, relator do recurso, destacou, no voto, tratar-se de venda casada, pois “o consumidor não pode ser obrigado a adquirir um produto que não deseja”. Segundo Martins, trata-se de uma “simulação de um presente, quando na realidade estou condicionando uma coisa à outra”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O ministro Herman Benjamin seguiu com veemência o relator:

Temos publicidade abusiva duas vezes: por ser dirigida à criança e de produtos alimentícios. Não se trata de paternalismo sufocante nem moralismo demais, é o contrário: significa reconhecer que a autoridade para decidir sobre a dieta dos filhos é dos pais. E nenhuma empresa comercial e nem mesmo outras que não tenham interesse comercial direto, têm o direito constitucional ou legal assegurado de tolher a autoridade e bom senso dos pais. Este acórdão recoloca a autoridade nos pais.

Por sua vez, o ministro Mauro Campbell ressaltou que o acórdão irá consignar a “proteção da criança como prioridade”, e não o aspecto econômico do caso. Campbell lembrou que o Brasil é o único país que tem em sua Carta Magna dispositivo que garante prioridade absoluta às necessidades das crianças, em todas as suas formas.

A decisão corrobora, de maneira irrefutável, o trabalho do Projeto Criança e Consumo, que completa 10 anos em 2016. “É o reconhecimento da criança como prioridade absoluta, inclusive nas relações de consumo. Esse é um grande marco para nós e traz, certamente, uma mudança de paradigma”, comemora Isabella Henriques, Diretora de Advocacy do Alana, responsável pelo projeto.

Post publicado originalmente aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,778,819SeguidoresSeguir
23,895SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

‘Capitão América’ enviará escudo para menino que salvou irmã de ataque de cachorro

Herói reconhece herói! O ator Chris Evans, que faz o Capitão América nos cinemas, fez uma surpresa para Bridger Walker, que salvou a irmãzinha...

Igreja usa o dízimo para construir casas para quem não tem onde morar

Nas últimas semanas, uma igreja em Araruama vem chamando atenção pela sua inovação na hora de utilizar o seu dízimo. O pastor da Assembléia de Deus...

Mãe que salvou os três filhos de incêndio volta para casa

Ao ver seus filhos, Gaia, 1 ano e 10 meses, Damião, 6 anos, e Samuel, 10, em perigo Marcela Reis não pensou duas vezes, atravessou...

Professor vai a nado para a escola há 20 anos na Índia

Para chegar à escola local todos os dias, o professor pega uma boia, coloca as roupas em uma sacola e nada de uma margem...

Instagram

Histórico: Superior Tribunal de Justiça proíbe publicidade dirigida às crianças 3