E se fosse no Brasil? Hospital sobre rodas leva atendimento médico a comunidades isoladas e reduz fila do SUS

Quem nunca passou dias, semanas e até meses na fila de espera do SUS para um simples exame? Pelo menos, essa é a realidade de pessoas que vivem em lugares com pouca ou quase nenhuma estrutura hospitalar.

É aí que entra a Fleximedical, um negócio social que visa democratizar o acesso à saúde por meio de carretas, contêineres, ônibus e vans. Vem saber mais no nono episódio da websérie E se fosse no Brasil?, co-criada com Stone.

A Fleximedical foi criada pelo médico e empreendedor social, Roberto Kikawa, em 2005. Três anos depois, a empresa construiu o maior hospital sobre rodas do mundo. Todas as unidades móveis de saúde são adaptadas com salas para consultas, exames e até mesmo cirurgias de baixa e média complexidade.

Nunca questionei se daria certo no Brasil. O Brasil é um país de dimensões continentais. Então, logo no início, já fazia muito sentido ter uma inovação social que resolvesse esse problema”, diz Iseli Reis, CEO da Fleximedical.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

ceo hospital sobre rodas fleximedical sorrindo
Iseli prova que lugar de mulher é onde ela quiser. Foto: Fleximedical

“Começamos a sonhar juntos. Depois, fui pesquisando mais e vi que existiam alguns projetos parecidos no exterior. Mas que não faziam cirurgias e outros atendimentos que tínhamos implantado”, acrescenta.

Bastou ouvir meia-palavra do primo sobre o grande projeto da sua vida para Reis, que é arquiteta de formação, trocar a rotina dentro de um escritório dedicado ao segmento hospitalar por um universo totalmente novo.

“Então, óbvio que as pessoas próximas de mim ficaram preocupadas, no meio de um monte de caminhoneiros e engenheiros que trabalham sobre rodas. Tive que estudar muito para que as pessoas pudessem entender que eu estava falando com propriedade”, relembra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

ambulatório hospital sobre rodas
Estrutura para cirurgias de baixa e média complexidade. Foto: Fleximedical

Após a morte de Kitana, Reis se viu diante de um grande desafio: fechar as portas da Fleximedical, ou preservar, e expandir, o legado de Kitana. Reis manteve o compromisso assumido: “O Roberto era meu primo de sangue e irmão de coração. Foi muito, muito difícil perdê-lo, mas tenho a certeza de que a Fleximedical continua o seu projeto!”

Com pouco mais de uma década de existência, a Fleximedical produziu mais de 70 unidades móveis de saúde para atendimentos de oftalmologia; ginecologia, mamografia digital, Papanicolau; urologia, gastroenterologia (endoscopia digestiva e colonoscopia); além de exames de ultrassom, tomografia, odontologia, audiometria, laboratoriais, pesquisa clínica, vacinação, testagem, entre outros.

Já são mais de 2 milhões de pessoas atendidas via Sistema Único de Saúde. Na pandemia, a empresa desenvolveu projetos para diagnóstico da Covid-19 e suas complicações com tomografias em regiões de alta demanda e sem equipamentos, totalizando mais de 35 mil atendimentos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Demais, não é mesmo? Veja o vídeo!

E você, tem ou conhece algum negócio para colocar no mapa do ESFNB? Envie para [email protected]. Conheça outros exemplos de negócios que dão certo na nossa terrinha: www.razoesparaacreditar.com/esefossenobr 

Relacionados

Razões na Times Square! Junto com Stone, levamos a websérie E se fosse no Brasil? para a esquina do mundo

A ficha ainda vai demorar para cair, mas a notícia é essa, minha gente! 😍 Razões Para Acreditar e Stone estão na Times Square, em...

E se fosse no Brasil? Máquina permite trocar materiais recicláveis por desconto na conta de luz e créditos no metrô

No quarto episódio da websérie E se fosse no Brasil?, conhecemos a Retorna Machine. Junto à Stone, viajamos o Brasil em busca de negócios que...

+ DO CANAL

E se fosse no Brasil? Dona da melhor esfiha de Campo Grande, nesta lanchonete, não existe comanda

Sem comanda nem qualquer outra anotação de pedidos. Na Thomaz Lanches, o cliente escolhe os salgados e, na hora de pagar, diz o que...

E se fosse no Brasil? De São Gonçalo para o mundo, conheça o papel que pode ser plantado após seu uso

Se no Japão existe um jornal que pode ser plantado, aqui no Brasil, não ficamos para trás. Temos convites, cartões de visita e uma...

E se fosse no Brasil? Única queijaria artesanal certificada no RN vende produtos à base da confiança

A primeira e única queijaria artesanal certificada no Rio Grande do Norte comercializa seus produtos à base da confiança. É para lá que seguimos viagem...

E se fosse no Brasil? Com café compartilhado, cafeteria goiana promove generosidade

Você pensou Europa? Estados Unidos, talvez? Pois é no centro-oeste que encontramos uma cafeteria que pratica o café compartilhado. Você toma um cafezinho pago por...

E se fosse no Brasil? Barraca sem atendente em sítio no PR encanta moradores e turistas

Geleia, mel, pimenta, pães, torradas e outros produtos frescos. É só escolher e deixar o dinheiro no caixa da barraquinha que fica bem na...

Instagram