E se fosse no Brasil? Hospital sobre rodas leva atendimento médico a comunidades isoladas e reduz fila do SUS

Quem nunca passou dias, semanas e até meses na fila de espera do SUS para um simples exame? Pelo menos, essa é a realidade de pessoas que vivem em lugares com pouca ou quase nenhuma estrutura hospitalar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

É aí que entra a Fleximedical, um negócio social que visa democratizar o acesso à saúde por meio de carretas, contêineres, ônibus e vans. Vem saber mais no nono episódio da websérie E se fosse no Brasil?, co-criada com Stone.

A Fleximedical foi criada pelo médico e empreendedor social, Roberto Kikawa, em 2005. Três anos depois, a empresa construiu o maior hospital sobre rodas do mundo. Todas as unidades móveis de saúde são adaptadas com salas para consultas, exames e até mesmo cirurgias de baixa e média complexidade.

Nunca questionei se daria certo no Brasil. O Brasil é um país de dimensões continentais. Então, logo no início, já fazia muito sentido ter uma inovação social que resolvesse esse problema”, diz Iseli Reis, CEO da Fleximedical.

ceo hospital sobre rodas fleximedical sorrindo
Iseli prova que lugar de mulher é onde ela quiser. Foto: Fleximedical

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Começamos a sonhar juntos. Depois, fui pesquisando mais e vi que existiam alguns projetos parecidos no exterior. Mas que não faziam cirurgias e outros atendimentos que tínhamos implantado”, acrescenta.

Bastou ouvir meia-palavra do primo sobre o grande projeto da sua vida para Reis, que é arquiteta de formação, trocar a rotina dentro de um escritório dedicado ao segmento hospitalar por um universo totalmente novo.

“Então, óbvio que as pessoas próximas de mim ficaram preocupadas, no meio de um monte de caminhoneiros e engenheiros que trabalham sobre rodas. Tive que estudar muito para que as pessoas pudessem entender que eu estava falando com propriedade”, relembra.

ambulatório hospital sobre rodas
Estrutura para cirurgias de baixa e média complexidade. Foto: Fleximedical

Após a morte de Kitana, Reis se viu diante de um grande desafio: fechar as portas da Fleximedical, ou preservar, e expandir, o legado de Kitana. Reis manteve o compromisso assumido: “O Roberto era meu primo de sangue e irmão de coração. Foi muito, muito difícil perdê-lo, mas tenho a certeza de que a Fleximedical continua o seu projeto!”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com pouco mais de uma década de existência, a Fleximedical produziu mais de 70 unidades móveis de saúde para atendimentos de oftalmologia; ginecologia, mamografia digital, Papanicolau; urologia, gastroenterologia (endoscopia digestiva e colonoscopia); além de exames de ultrassom, tomografia, odontologia, audiometria, laboratoriais, pesquisa clínica, vacinação, testagem, entre outros.

Já são mais de 2 milhões de pessoas atendidas via Sistema Único de Saúde. Na pandemia, a empresa desenvolveu projetos para diagnóstico da Covid-19 e suas complicações com tomografias em regiões de alta demanda e sem equipamentos, totalizando mais de 35 mil atendimentos.

Demais, não é mesmo? Veja o vídeo!

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar)

E você, tem ou conhece algum negócio para colocar no mapa do ESFNB? Envie para [email protected]. Conheça outros exemplos de negócios que dão certo na nossa terrinha: www.razoesparaacreditar.com/esefossenobr 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




E se fosse no Brasil? Hospital sobre rodas leva atendimento médico a comunidades isoladas e reduz fila do SUS 1

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,971,659SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Catador de 105 anos comove web e ganha R$ 76 mil em doações para comprar sua casa

O seu Eduardo já tem 105 anos, mas uma disposição danada! Ele ainda trabalha gente, dá pra acreditar? Esse senhor vai com sua carrocinha, todos...

“Adote Um Avô” leva companhia e alegria para idosos solitários na Espanha

O objetivo é levar um pouco de companhia e alegria para idosos que vivem em asilos sem receber a visita de nenhum familiar.

Nobel da Paz sai para a paquistanesa Malala e o indiano Kailash Satyarthi

A paquistanesa Malala Yousafzai, de 17 anos, e o indiano Kailash Satyarthi venceram o Prêmio Nobel da Paz, anunciou hoje (10) a Academia Sueca. A...

Casal adota 5 irmãos deixados pela mãe biológica em abrigo de SP: ‘Somos pais orgulhosos’

“O amor também é um ato de coragem”, disse Jhonatan Wiliantan da Silva, 28 anos, sobre a adoção de 5 irmãos que foram deixados...

Mesmo tratando um câncer, professora não abre mão de ensinar seus alunos: “me fazem sorrir”

Para a professora Kelly Klein, educar é um combustível para a vida. E por isso mesmo o fato dela continuar com suas aulas online...

Instagram

E se fosse no Brasil? Hospital sobre rodas leva atendimento médico a comunidades isoladas e reduz fila do SUS 2