Há 50 anos, Dona Nair e grupo de idosas costuram enxovais para gestantes carentes

A aposentada Nair Mello de Carvalho, 94 anos, toda terça e quinta-feira à tarde sai de casa com o seu andador para fazer o que mais ama: costurar enxovais para gestantes carentes.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas ela não faz isso sozinha! Há 50 anos, Nair se reúne com amigas e voluntárias para costurarem, dando origem ao grupo Costurinha da Eponina.

Formado por idosas acima dos 70 anos, o grupo foi fundado em meados dos anos 70, pela própria Dona Nair e mais seis voluntárias, contribuindo com as ações sociais do Conselho Espírita do Estado do Rio de Janeiro (CEERJ).

Na própria sede do Conselho são realizados os encontros, as idosas passam a tarde toda costurando e batendo um bom papo acompanhado de um delicioso café!

E a Dona Nair faz o convite! “Quem quiser chegar e colaborar, será bem-vindo!”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

idosas com os seus materiais de costura
Coordenado pela idosa, hoje o grupo conta com 10 voluntárias que se dedicam na costura dos enxovais. Foto: Arquivo Pessoal

idosas que costuram os enxovais em celabração ao Natal
O trabalho das idosas consiste na confecção dos enxovais, além dos chás beneficentes e no bazar que reverte a renda para a compra dos materiais do enxovais. Foto: Arquivo Pessoal

idosas costurando e tomando café
Toda semana idosas se reúnem para costurar os enxovais. Tem uma boa roda de conversa e cafezinho. Foto: Arquivo Pessoal

mesas com panos e materiais de costura
O grupo aceita doações de flanelas, tecidos de algodão e outros insumos de costura. Foto: Arquivo Pessoal

arara com roupas e tecidos de costura
No fim do mês, o encontro resulta na produção de fraldas de pano, sapatinhos de lã, casaquinhos de pagão, calças, sabonetes e colchas de flanela e algodão. Foto: Arquivo Pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Gestação mais feliz e tranquila

No fim do mês, os encontros resultam em fraldas de pano, sapatinhos de lã, casaquinhos de pagão, calças, sabonetes e colchas de flanela e algodão. Tudo para as mamães terem uma gestação muito mais feliz e tranquila!

“Os enxovais são distribuídos mensalmente a qualquer gestante carente, que nos procure. Em média são atendidas 30 famílias mensalmente”, contou Dona Nadir.

Idosas entregam os enxovais para uma mãe carente
Em média, são atendidas 30 famílias mensalmente. Toda última quinta-feira do mês, as idosas realizam um lanche e uma conversa, e distribuem os enxovais. Foto: Arquivo Pessoal

Lembrando que o grupo aceita doações de flanelas, tecidos de algodão e outros insumos de costura, ok?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Embora não seja assistente social formada, desde 20 anos trabalho com famílias carentes.  É um trabalho de doação. Quem faz, faz de coração. É feliz quem ajuda!”.

Quem quiser ajudá-las com os materiais pode entregar neste endereço Rua dos Inválidos, 182, Centro do Rio de Janeiro. Procure pela Dona Nair. 💜

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

beija flor

 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,452,816SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Policial visita menino para tranquilizá-lo sobre ‘monstros escondidos’ em seu quarto

O garoto de imaginação fértil passou a se recusar dormir sozinho em seu quarto por medo de ser 'atacado' pelos monstros e vilões que acreditava estar à espreita na nova casa.

1ª professora com síndrome de Down do país vira personagem da Turma da Mônica

Débora Seabra de Moura, considerada a primeira professora com síndrome de Down do Brasil, será homenageada pelo projeto Donas da Rua da História, da Maurício de...

Projeto inédito transforma crianças com câncer em autores de livros

Um projeto piloto entre o Hospital da Baleia, em Belo Horizonte, e a Estante Mágica transformou sete crianças com câncer em autores de livros.

Artesã transforma roupas de pessoas falecidas em ursinhos de pelúcia

Uma carinhosa e sensível forma de relembrar daqueles que não estão mais conosco!

Baianas de acarajé estão sem renda por conta da crise e internautas criam vaquinha

Mais de 3 mil baianas perderam totalmente sua renda por conta do isolamento social pelo coronavírus.

Instagram