No Espírito Santo, idoso de 89 anos cata latinhas para ajudar famílias carentes

Quando foi ao médico há cinco anos para questionar a falta de força em suas pernas e em sua mobilidade, José Calixto, de 89 anos, recebeu a recomendação médica de que precisava fazer exercícios para fortalecer os músculos das pernas, ou teria que se entregar à cadeira de rodas. Nos primeiros dias de caminhada, ele se deparou com latinhas na rua e começou a guardá-las. A partir daí, passou a sair de casa todas as noites para recolhê-las, e vender as latinhas para reverter o dinheiro em cestas básicas, para doar as famílias carentes de Vila Velha.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“É muito triste saber que tem gente passando fome. Poder mudar um pouco essa realidade é transformador para mim”, conta.

Mesmo com dificuldades, seu Calixto já conseguiu juntar 500 quilos em latinhas. Ele atribui todo o seu esforço a Deus.

“Muita gente não acredita (em Deus). Eu acredito. E é por isso que nada aconteceu comigo. Eu não saio de casa sem fazer minhas orações”, disse.

Ele conta que hoje vende o montante de dois em dois meses. Com o dinheiro arrecadado, ele compra cestas básicas que dá à igreja e as famílias que precisam de comida.

“E olha, não é só família miserável e maltrapilha que eu ajudo. Já ajudei gente que já teve carro, que tem profissão. Mas você sabe, né? Todo mundo passa por situações complicadas de vez em quando, e todo mundo merece uma ajuda para se reerguer”, destaca.

Ajuda

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Seu Calixto recolhe as latinhas com um um carrinho parecido com aqueles de supermercado, que segundo ele, também é usado para que ele possa se apoiar. Ele percorre mais de 40 lugares diferentes na cidade.

Porém, o idoso lamenta ter medo de não poder continuar com o trabalho das latinhas. Ele possui muita dificuldade para andar, e já tentou usar um triciclo para somente ter que pedalar, mas também não conseguiu.

“Eu não sei quanto mais vou aguentar, e já tentei usar um triciclo de pedalar, mas não adiantou. Precisaria ser motorizado”, afirma.

Mesmo com suas limitações, Seu Calixto segue na luta, e às vezes, recebe ajuda das próprias pessoas que recebem as latinhas.

“Já aconteceu de eu dar a primeira cesta, e no mês seguinte a família vir me trazer latinhas para me ajudar na hora que eu as vendesse”, comemora.

Via

Foto: Marcelo Prest

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

984,978FãsCurtir
1,731,435SeguidoresSeguir
8,547SeguidoresSeguir
11,100InscritosInscrever

+ Lidas

Bióloga que salvou Arara Azul da extinção vira personagem da Turma da Mônica

Na última terça-feira (11), foi celebrado o Dia Internacional das Meninas e Mulheres na Ciência. Para comemorar a data, a Mauricio de Sousa Produções...

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

Juiz vai até a casa de idosa para lhe conceder aposentadoria

Um  caso incomum aconteceu há alguns meses, onde um juiz foi até a casa de uma senhora de 100 anos para conceder aposentadoria a ela. O...

Mulher que sofre de ansiedade agradece a compreensão do seu namorado: “Há pessoas melhores que remédio”

Porque respeito e compreensão são fundamentais em qualquer relacionamento.

Motociclista salva mulher e taxista de alagamento em São Paulo

São Paulo amanheceu debaixo de chuva nesta segunda (10). A Marginal Tietê, uma das principais vias da capital paulista, ficou submersa, colocando em risco...

Instagram