Após superar preconceitos em aldeia, indígena transexual se torna professora infantil

Deltino Uketê, de 29 anos, percorreu um longo e tortuoso caminho até conseguir se tornar professora. Mulher indígena transexual, da etnia Javaé, a educadora dá aulas de língua indígena para crianças e jovens da aldeia Txuode, na Ilha do Bananal, em Lagoa da Confusão (TO).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A indígena começou a estudar apenas aos 9 anos devido ao difícil acesso à escola, que ficava em outra aldeia da região. Aos 17 anos precisou largar a escola de novo para trabalhar como babá para que os primos mais velhos pudessem estudar. Uketê só conseguiu terminar o ensino médio aos 23 anos.

[Matéria continua depois do vídeo abaixo]

Convidamos cinco mulheres que enfrentaram o câncer de mama para falar sobre suas experiências. Mas elas não sabiam que, durante a gravação do vídeo, seriam surpreendidas. Nesta linda homenagem, as filhas presenteiam suas mães com um sutiã especial (para quem viveu o câncer) acompanhado por uma prótese externa, uma espécie de enchimento que encaixa na lingerie. Assista o vídeo e prepare o lencinho:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela conta que atingiu o objetivo de concluir o ensino médio após muita luta e superação de problemas. A mãe de Uketê desapareceu em 2012, e jamais foi encontrada. Hoje, ela vive com o pai.

Após superar preconceitos em aldeia, indígena transexual se torna professora infantil
Indígena trans se tornou professora em aldeia no Tocantins. Foto: arquivo pessoal

Leia tambémComercial “Meu Primeiro Sutiã” ganha versão com menina trans

“Tem gente que fala que morreu e outros, que ela está viva, mas ninguém sabe. Fizeram investigação, mas ninguém descobriu nada. Nem polícia.”

A professora conta que muito além dos problemas envolvendo o atraso nos estudos, foi o preconceito com relação à sua identidade de gênero e orientação sexual.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ainda criança, percebeu que não se comportava como os meninos de sua idade. Anos depois, ela conta ter conseguido a aceitação dos membros da família. “Me assumi quando tinha 18 anos e nem minha mãe me aceitou. Agora dentro da aldeia é normal. Fora da aldeia ninguém nota que eu sou trans.”

Após superar preconceitos em aldeia, indígena transexual se torna professora infantil
Indígena transexual superou preconceitos. Foto: arquivo pessoal

Após se formar no ensino médio, Uketê fez um curso profissionalizante e se tornou professora na aldeia. Hoje, ensina 27 alunos do primeiro ao nono ano.

Para a indígena, manter viva a tradição que é passada de geração em geração através da linguagem é fundamental. “É muito importante as crianças entenderem e saber valorizar a sua linguagem materna. Eu ensino porque alguns povos já esqueceram suas linguagens ou seus costumes e minha função é ajudar o meu povo.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Após superar preconceitos em aldeia, indígena transexual se torna professora infantil
Indígena transexual superou preconceitos. Foto: arquivo pessoal

Leia tambémÍndio pataxó recebe título de mestre em Química pela UFBA

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Com informações do G1

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,253,471SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Empresa compensa pausas feitas pelos funcionários fumantes dando dias extras de férias para os que não fumam

A iniciativa quer compensar o tempo extra que os funcionários usam para fumar, além de incentivar o abandono do vício

Pandas aproveitam zoológico vazio para acasalar pela 1ª vez em 10 anos

Dois pandas aproveitaram que o zoológico Ocean Park, em Hong Kong, estava fechado devido à quarentena para acasalar. Detalhe: eles não faziam isso há...

Kibon distribui toneladas de sorvete e máscaras de tecido para garis de SP, Rio e BH

Eles estão na linha de frente nesse momento tão complicado. Muitos acordam cedo para trabalhar e só voltam para suas famílias no fim do...

Organização promove campanha para manter 400 crianças longe das ruas, praticando esportes, em São Paulo.

O programa Mais Bola, Menos Rua, realizado pela Inmed Brasil, está sem patrocínio.

Casal que construiu casa sozinho é surpreendido ao ganhar lavadora e geladeira dos sonhos; assista

Parece que é a gente que tá realizando um sonho! A emoção da Andressa e do Gabriel com a notícia de que ganharam uma...

Instagram