Indígenas criam livro didático em tupi-guarani para alfabetizar crianças em aldeia de SP

Quatro professoras de uma aldeia indígena no litoral paulista se uniram para criar um livro didático escrito em tupi-guarani para garantir a alfabetização das crianças de sua comunidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De acordo com Guaciane Gomes, uma das lideranças da aldeia Tapirema, em Peruíbe, a falta de materiais para ensinar os mais novos dificulta não apenas o aprendizado, mas também a aproximação das crianças com a cultura.

Receosa de que sua língua se perdesse pela falta de suporte e incentivo, Guaciane, que é professora há 9 anos, decidiu criar o livro didático em parceria com a professora Karen Villanova.

A obra foi produzida por 3 professoras indígenas e uma não indígena (Karen). Ela conheceu a aldeia Tapirema durante a produção de um documentário. Em meio à gravação do longa-metragem, Karen ouviu uma das educadoras se queixarem sobre a falta de material didático em tupi-guarani em escolas indígenas.

Indígenas criam livro didático em tupi-guarani para alfabetizar crianças em aldeia de SP

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu estava fazendo mestrado em educação, estudando questões intergeracionais, sobre a troca de conhecimento entre pessoas mais jovens e mais velhas. Foi a minha primeira experiência com um coletivo indígena, sempre digo para eles que eles mudaram a minha vida”, disse Karen.

Guaciane contou que o material começou a ser construído no final de 2019. Cada detalhe foi cuidadosamente pensado pelas integrantes da comunidade.

“Nós ficamos uma semana produzindo o livro. A Catarina, que é professora e anciã da aldeia, ajudou bastante na tradução. A Fabíola [educadora indígena] e o Mimby, que fez o grafismo, também ajudaram na construção desse material”, disse a professora.

A liderança da aldeia reconhece que dar aula em comunidades indígenas não é uma atividade fácil, porque a falta de materiais influencia no contato dos alunos com a língua.

“A gente que tem que produzir os nossos conteúdos. Eu planejo minha aula e faço as atividades relativas à língua materna, então, esse livro surgiu não só para ajudar a minha sala de aula, mas todos os alunos da rede que aprendem tupi-guarani”, salientou Guaciane.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Indígenas criam livro didático em tupi-guarani para alfabetizar crianças em aldeia de SP

Em entrevista ao portal G1, Guaciane relatou que em 2017 foi elaborado um livro de gramática na aldeia Piaçaguera, que também fica em Peruíbe.

Apesar do material ter ajudado os profissionais, foi necessário criar um material direcionado à alfabetização das crianças.

“Para nós, foi um ponto positivo, porque, até então, a gente escrevia como achávamos que era, e o livro ajudou as crianças a entenderem melhor as nossas palavras”, comentou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Indígenas criam livro didático em tupi-guarani para alfabetizar crianças em aldeia de SP

O livro é direcionado a crianças em processo de alfabetização, e conta com atividades baseadas na cultura indígena. “O livro foi baseado em alguns elementos que a gente usa muito, como o cachimbo. Ele conta com pequenas histórias sobre comida, animais, e tem uma sequência de ordem alfabética. É um livro para ensinar a língua e estimular a criança a buscar traduzir as palavras que ela não conhece e pesquisar com uma pessoa mais velha”, detalhou a líder indígena.

O material didático está pronto, mas infelizmente ainda não foi publicado, devido à falta de recursos. “Nós enviamos para a Fundação Nacional do Índio [Funai], mas por enquanto ainda não tivemos uma resposta. Estamos esperando para ver se sai alguma coisa, e caso não saia, vamos ter que ver outras formas para ser publicado”, relatou a liderança.

De toda forma, o projeto por si só já é uma grande vitória.

“É muito gratificante, para nós, é uma vitória muito grande. Não só para nós, mas esse livro vai servir para vários indígenas. A gente fica muito preocupado em perder a língua tupi-guarani, porque a tecnologia afeta muito os jovens, e às vezes acaba até prejudicando. Eles não querem saber de estudar, da cultura, e isso é uma realidade das comunidades”, concluiu.

Fonte: Progresso
Fotos: Arquivo Pessoal / Guaciane Gomes

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM







Indígenas criam livro didático em tupi-guarani para alfabetizar crianças em aldeia de SP 3

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,086,867SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Casal faz ensaio pré-casamento no colégio onde sua história de amor começou

Jeane Passos e Fernando Borges se conheceram quando eram estudantes do ensino médio do Colégio Thales de Azevedo, em Salvador. Na época, Jeane tinha...

Um ano após morte de noiva no casamento, homem doa todo valor de vaquinha e celebra vida de filha

Jéssica e Flávio estavam com casamento marcado para o dia 14 de setembro. Ela, grávida de sete meses, teve um AVC na porta da...

A linda amizade de um cachorro que serve de guia para um cão cego

Provavelmente essa é a primeira vez que você ouve falar de um cachorro que serve de guia para um cão cego. O filhote Zen, um...

Com vaquinha do Razões, pedreiro reconstruirá casa que perdeu em incêndio ao lado de seu cão

A vaquinha do pedreiro Alcides arrecadou um pouco mais de 45 mil reais e agora ele reconstruirá sua casa ao lado do seu cão Quinho.

Melhores amigos escolhem tatuagens um para o outro e só podem ver resultado no final

Você faria uma tatuagem sem saber o que é? E se fosse seu melhor amigo escolhendo para você? Em uma manobra arriscada e em um...

Instagram

Indígenas criam livro didático em tupi-guarani para alfabetizar crianças em aldeia de SP 4