Indígenas recuperam área degradada e batem recorde de produtividade

Com selo internacional de proteção da biodiversidade, o produto é vendido hoje pra exportação e restaurantes consagrados como do chef do Alex Atala

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Você já ouviu falar no pequi? É uma pequena fruta tradicional, de polpa laranja, nativa do cerrado e muito popular na culinária sertaneja. Dela também é extraída o óleo de pequi, cada dia mais presente também na cozinha cotidiana de outros lugares do Brasil.

[Matéria continua depois do vídeo abaixo]

Convidamos cinco mulheres que enfrentaram o câncer de mama para falar sobre suas experiências. Mas elas não sabiam que, durante a gravação do vídeo, seriam surpreendidas. Nesta linda homenagem, as filhas presenteiam suas mães com um sutiã especial (para quem viveu o câncer) acompanhado por uma prótese externa, uma espécie de enchimento que encaixa na lingerie. Assista o vídeo e prepare o lencinho:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O povo Kĩsêdjê, na Terra Indígena Wawi (MT), combinou o método tradicional com a tecnologia e equipamentos, o que fez ser possível manter uma produção mais constante e até hoje a mais alta.

“Nossa iniciativa foi a única solução [para obter renda] que achamos mais viável e que não agride ninguém, nem o meio ambiente”, disse Winti Kĩsêdjê, da Associação Indígena Kĩsêdjê (AIK), ao ISA – Instituto Socio Ambiental.

Onde antes eram fazendas, na bacia do rio Pacas, as cinco aldeias na Terra Indígena Wawi se tornaram modelo de produção de alimentos e geração de renda sustentável, legitimada pelo Selo Origens Brasil e pelo movimento internacional Slow Food.

Números marcantes

Em 2006, 263 pés de pequis foram plantados em três hectares. Hoje, são 3.000 pés de pequis plantados em 63 hectares. A extração do óleo de pequi começou em 2011 em uma miniusina instalada em uma das aldeias.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“O recorde de 315 litros de produção do óleo em 2018 tem a ver com melhorias técnicas e com a organização”, disse o engenheiro florestal Luciano Eichholz ao ISA.

Em 2014, tiveram início a ampliação do pequizal, com financiamento pelo Fundo Amazônia/BNDES. A renda obtida com a produção, que deve girar em torno de R$ 30 mil, vai diretamente para a associação do povo.

Segundo dados do Prodes (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite), a Terra Indígena, localizada no município de Querência (MT), teve 6.200 hectares desmatados apenas em 2018.

É possível adquirir os produtos na loja online do ISA, e também nos supermercados Pão de Açúcar, no box Amazônia e Mata Atlântica do Mercado de Pinheiros, em São Paulo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,805,747SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Experimento mostra aos pais atos de bondade espontâneos dos filhos

Muitos fatos que aparecem na grande mídia acabam nos deixando pessimistas em relação ao mundo, mas lembrem-se: isso é apenas um lado da moeda,...

Casal adota menino autista vítima de maus-tratos e rejeitado em abrigo: ‘Merece ser feliz’

Amanda e seu marido Rodrigo sempre tiveram o sonho de adotar uma criança. Em 2015 isso se tornou uma realidade ao acolherem o pequeno...

Americano explora a natureza ao lado do seu mascote, uma mistura de husky com lobo

Loki é uma mistura da raça husky com lobo. Ele e o dono, o americano Kelly Lund, vivem grandes aventuras na natureza selvagem do...

Charlize Theron revela que sua filha adotiva é trans: “Quero protegê-la e apoiá-la”

A atriz e produtora sul-africana Charlize Theron, de 43 anos, declarou em uma entrevista ao jornal britânico Daily Mail que sua filha de sete...

Instagram

Indígenas recuperam área degradada e batem recorde de produtividade 2