Barragens em Risco: coletivo fornece informações sobre risco de rompimento de barragens

Foram dois rompimentos de barragens de rejeitos de minério em pouco mais de três anos: Barragem do Fundão, em Mariana, e Barragem Córrego do Feijão, em Brumadinho, ambas em Minas Gerais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

As duas tragédias surpreenderam não só os moradores dessas localidades, mas todo o Brasil. Reflexo da falta de conhecimento sobre as condições das barragens e o risco de rompimento, ocasionando a morte de pessoas, florestas, rios e animais.

Pois é com informação confiável que se pode cobrar dos responsáveis (empresas e governos) medidas preventivas. Foi o que decidiu fornecer um grupo de mineiros ao criar o coletivo Barragens em Risco: canal de divulgação das condições de barragens de rejeitos de minério em diversos pontos do país.

“Tentamos visualizar formas de ajudar, e nossa premissa é evitar que tragédias como de Mariana e Brumadinho aconteçam novamente. Levantamos informações de relatórios oficiais do Departamento Nacional de Produção Mineral”, explica Letícia Goulart, integrante do coletivo, em conversa com o Razões para Acreditar.

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Visualizar esta foto no Instagram.

 

ENTENDA O RISCO No último relatório da Agência Nacional das Águas (ANA) foram mapeadas mais de 24 mil barragens, claro que vão de muito grandes a muito pequenas, de grande risco a pouquíssimo. Mas para compreender o risco real precisamos começar entendendo que existem vários tipos: – aquicultura (criação de peixes, mariscos etc) – dessedentação animal (onde os animais matam a sede) – proteção do meio ambiente – irrigação – abastecimento de água – defesa contra inundações – recreação – industrial – contenção de resíduos industriais – contenção de rejeitos de mineração – regularização de vazões – outros Até agora estamos postando somente barragens de contenção de resíduos de mineração, porém outros tipos de barragem oferecem outros riscos ao meio ambiente e a nós, elas precisam existir e fazem parte das tecnologias que criamos para evoluir, porém segundo a ANA: “Apenas 3% do total de barragens cadastradas foram vistoriadas pelos órgãos fiscalizadores. O número de barragens vistoriadas pelas equipes de fiscalização de âmbito estadual foi semelhante ao ano de 2016, enquanto houve diminuição no número de barragens vistoriadas pelos órgãos federais.” Precisamos mergulhar juntos nesse desafio, sem esperar mais. Busque informação sobre as barragens na sua região. Possuem licença? Qual foi a última vistoria? Foi construída de forma apropriada? Acesse o relatório da ANA: http://www.snisb.gov.br/portal/snisb/relatorio-anual-de-seguranca-de-barragem/2017 #BarragensEmRisco #naodeixeacontecercomvoce #lamanuncamais #entendaorisco

Uma publicação compartilhada por Barragens em Risco do Brasil (@barragensemrisco) em

O Barragens em Risco levanta essas informações e compartilha no seu perfil do Instagram, destacando o risco da barragem romper entre baixo, médio e alto. “De acordo com a classificação do próprio relatório, e também sobre o impacto que poderia advir desse rompimento. Nosso maior foco é a divulgação de informação, tanto informativa quanto técnica.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Queremos um Brasil cuidado, com olhares atentos e voltados às situações de risco. Queremos comunidades mobilizadas e empoderadas com informação assertiva. Estamos recebendo indicações de fontes diversas e dados alarmantes. Esse engajamento é fundamental para que on trabalho cresça e outras catástrofes sejam evitadas. #lamanuncamais #brumadinho #barragensemrisco #temumabarragempertodevoce

Uma publicação compartilhada por Barragens em Risco do Brasil (@barragensemrisco) em

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Isso tudo com a finalidade de mobilizar a população de cada localidade próxima a uma barragem a buscar mais dados e explicações dos responsáveis. Por enquanto, as informações são publicadas no Instagram, mas o grupo já trabalha para lançar um site, para fornecer informações mais completas e com referenciamento geográfico, por exemplo.

“Ainda carecemos de parceiros técnicos, de volume para geração de conteúdo. Mas já encontramos várias disparidades entre relatórios e informações alarmistas. Portanto, queremos agir na prevenção e ter uma população ativa, que cuida da sua comunidade”, finaliza Letícia.

Veja abaixo informações referentes a barragens em Minas Gerais, Goiás, Bahia, São Paulo e Mato Grosso:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

MARIANA está em risco. Conhece alguém lá? Lembramos que a Barragem de Brumadinho não estava classificada com o nível de risco Alto, são centenas de barragens com algum risco, segundo o relatório do Departamento Nacional de Produção Mineral lista (risco avaliado pela altura, volume, tipo de resíduos, e dano potencial associado). Conhecer seu estado e cobrar dos responsáveis locais é fundamental para garantir sua segurança e do meio ambiente. Não espere outra pessoa tomar iniciativa. Busque os políticos e associações locais, peça informações, relatórios e dados concretos. Cuide da sua segurança e da sua comunidade. Marque quem você acha que pode ajudar. Link da Fonte: http://www.anm.gov.br/assuntos/barragens/arquivos-barragens/extracao-sigbm-para-classificacao-atualizada-em-23-01.2019 #MARIANA #MG #BarragensEmRisco #naodeixeacontecercomvoce #lamanuncamais #barragem #barragemderejeito

Uma publicação compartilhada por Barragens em Risco do Brasil (@barragensemrisco) em

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

PILAR DE GOIÁS está em risco. Conhece alguém lá? Lembramos que a Barragem de Brumadinho não estava classificada com o nível de risco Alto, são centenas de barragens com algum risco, segundo o relatório do Departamento Nacional de Produção Mineral lista (risco avaliado pela altura, volume, tipo de resíduos, e dano potencial associado). Conhecer seu estado e cobrar dos responsáveis locais é fundamental para garantir sua segurança e do meio ambiente. Não espere outra pessoa tomar iniciativa. Busque os políticos e associações locais, peça informações, relatórios e dados concretos. Cuide da sua segurança e da sua comunidade. Marque quem você acha que pode ajudar. Link da Fonte: http://www.anm.gov.br/assuntos/barragens/arquivos-barragens/extracao-sigbm-para-classificacao-atualizada-em-23-01.2019 #PILARDEGOIAS #GO #BarragensEmRisco #naodeixeacontecercomvoce #lamanuncamais

Uma publicação compartilhada por Barragens em Risco do Brasil (@barragensemrisco) em

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

SANTALUZ está em risco. Conhece alguém lá? Lembramos que a Barragem de Brumadinho não estava classificada com o nível de risco Alto, são centenas de barragens com algum risco, segundo o relatório do Departamento Nacional de Produção Mineral lista (risco avaliado pela altura, volume, tipo de resíduos, e dano potencial associado). Conhecer seu estado e cobrar dos responsáveis locais é fundamental para garantir sua segurança e do meio ambiente. Não espere outra pessoa tomar iniciativa. Busque os políticos e associações locais, peça informações, relatórios e dados concretos. Cuide da sua segurança e da sua comunidade. Marque quem você acha que pode ajudar. Link da Fonte: http://www.anm.gov.br/assuntos/barragens/arquivos-barragens/extracao-sigbm-para-classificacao-atualizada-em-23-01.2019 #SANTALUZ #BA #BarragensEmRisco #naodeixeacontecercomvoce #lamanuncamais

Uma publicação compartilhada por Barragens em Risco do Brasil (@barragensemrisco) em

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Barragens em Risco do Brasil (@barragensemrisco) em

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

NOSSA SENHORA DO LIVRAMENTO está em risco. Conhece alguém lá? Lembramos que a Barragem de Brumadinho não estava classificada com o nível de risco Alto, são centenas de barragens com algum risco, segundo o relatório do Departamento Nacional de Produção Mineral lista (risco avaliado pela altura, volume, tipo de resíduos, e dano potencial associado). Conhecer seu estado e cobrar dos responsáveis locais é fundamental para garantir sua segurança e do meio ambiente. Não espere outra pessoa tomar iniciativa. Busque os políticos e associações locais, peça informações, relatórios e dados concretos. Cuide da sua segurança e da sua comunidade. Marque quem você acha que pode ajudar. Link da Fonte: http://www.anm.gov.br/assuntos/barragens/arquivos-barragens/extracao-sigbm-para-classificacao-atualizada-em-23-01.2019 #NOSSASENHORADOLIVRAMENTO #MT #BarragensEmRisco #naodeixeacontecercomvoce #lamanuncamais

Uma publicação compartilhada por Barragens em Risco do Brasil (@barragensemrisco) em

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

coletivo informações risco barragens

foto de capa: Reprodução/TV GLOBO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,836,848SeguidoresSeguir
24,755SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cachorro quebra porta de casa e salva duas mulheres de violência doméstica

O instinto protetor dos nossos animais é muito incrível. O doce Camie conseguiu salvar a vida de sua dona (Robbie Lauren) e da amiga...

Startup produz embalagens biodegradáveis feitas a partir da mandioca

O produto é estranho: tem textura de isopor e gosto de biscoito de polvilho - ao mesmo tempo, não é comida, é uma bioembalagem. Mas...

Noiva se casa na companhia dos oito cães com deficiência que resgatou – veja vídeo

Samantha já tinha três cães quando conheceu o marido. Durante o relacionamento, o casal adotou outros cinco. Todos abandonados e com algum tipo de deficiência física.

Exposição no Rio chama a atenção para maus tratos de elefantes

Sete elefantinhos acorrentados chamam a atenção para maus tratos desses animais na América do Sul.

Fotos apaixonantes de crianças interagindo inocentemente com esculturas

Por que a gente perde aquela coisa sincera que só as crianças têm? Aquela coisa de amar tudo e todos, incluindo objetos, como se eles...

Instagram

Barragens em Risco: coletivo fornece informações sobre risco de rompimento de barragens 3