A inteligência artificial aplicada à medicina pode salvar muitas vidas

Clique e ouça:

O big data combinado com a inteligência artificial, podem ser a próxima revolução na medicina, visando a cura de doenças e uma longevidade maior.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Narramos essa matéria para você! Clique no play acima para ouvir!

É comum pensarmos em inteligência artificial e logo imaginarmos robôs inteligentes, capazes de fazer tudo o que um humano faria e, pensando de uma maneira reducionista, com o objetivo de eliminar a raça humana. Por mais interessante e assustadora que seja essa definição, ela é um pequeno (e pessimista) recorte do que a inteligência artificial pode fazer por nós. Ela vai muito além desse pensamento distópico à la Black Mirror, de que pode acabar com toda a humanidade. Na verdade, os vários avanços da inteligência artificial, também chamada de AI, envolvem o contrário: nos salvar. Entre os principais campos da AI está o da a medicina, que tem mostrado resultados significativos e próximos de virar realidade.

O Dr. Raimond Winslow, diretor do Johns Hopkins University Institute de Medicina Computacional, fundado em 2005, afirmou para a Digital Trends que “o campo explodiu”. “Há uma nova comunidade de pessoas sendo treinadas em matemática, ciência da computação e engenharia também sendo treinadas na biologia. Isso permite que eles tragam uma nova perspectiva para o diagnóstico e o tratamento médico”, disse.

Agora, ao invés de analisar complexas questões médicas com o nosso limitado cérebro humano, nós estamos começando a usar máquinas para analisar um grande número de informações, reconhecer padrões e fazer previsões que nenhum médico humano poderia”, escreveu Drew Prindle, da Digital Trends.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Grandes empresas veem o campo da medicina como um potencial para popularizar as suas tecnologias. Além de existirem companhias especializadas apenas em AI e saúde, gigantes da tecnologia também não querem perder tempo nem espaço. O Watson, da IBM, sistema de inteligência artificial mais conhecido do mercado, pretende fazer descobertas na área. Depois da IBM investir alguns bilhões na tecnologia, o Watson empacou, como diz o New York Times. Então, a IBM decidiu entrar no campo da medicina. Desde então, a empresa está trabalhando com a Quest Diagnostics para oferecer o sequenciamento de genes e análise de diagnósticos, tudo com o objetivo de ajudar oncologistas a tratar o câncer. “Essa é a comercialização do Watson na oncologia”, disse John E. Kelly, um vice-presidente da IBM, ao New York Times.

Funcionários da IBM dizem que a tecnologia tem potencial para trazer a medicina de precisão disponível para milhões de pacientes com câncer, e não somente para um pequeno número que é tratado em centros médicos especializados.

A inteligência artificial aplicada à medicina pode salvar muitas vidas 1

A Intel também investe nesse mercado. Em maio de 2016, a empresa injetou US$ 10 milhões na Lumiata, uma startup que foca em inteligência artificial na medicina. Na época, Steve Agritelley, diretor da área de saúde na Intel, disse em comunicado: “A Lumiata tem potencial para trazer uma abordagem e gerenciar a análise do tratamento personalizado”, comentou. No Intel Analytics Summer, evento realizado em agosto de 2016, a inteligência artificial foi o tema central. A AI na medicina também foi debatida, com destaque para Penn Medicine, centro médico na Pensilvânia, que está usando a plataforma analítica da Intel em seus diagnósticos. Um estudo focado na sepse, também conhecida como infecção generalizada, mostrou que a ferramenta conseguiu identificar corretamente 85% dos casos, com algumas descobertas feitas até 30 horas antes do fatal choque séptico, comparado a apenas duas horas do método tradicional.

O Google também não quer ficar para trás: em fevereiro deste ano a empresa lançou a Deep Mind Health, braço de sua empresa de inteligência artificial focada em medicina. Em julho de 2016, a companhia anunciou uma parceria com o um hospital londrino: o Moorfields Eye Hospital, focado em oftalmologia. A ideia é que a AI do Deep Mind possa achar vestígios da doença degenerativa macular e a retinopatia diabética.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,072,584FãsCurtir
2,422,376SeguidoresSeguir
20,228SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Desconhecidos dão vida nova a idoso que recebeu arroz com ração de cachorro para comer

A história de seu José Adan começou triste, mas terminou muito feliz. Ele é um senhor idoso que vive em situação de rua e...

Internautas impedem falência de camisaria de idoso e vaquinha arrecada mais de R$50 mil em menos de 24h

Genteee, conseguimos! Batemos a meta da vaquinha pro Seu Pedroso não perder sua pequena camisaria, que ele tem há 75 anos. A história do vovô...

Yaci e Yara, filhas de quilombolas, são capa da Marie Claire

Dona Maria Santana deve estar orgulhosa, afinal, suas duas filhas gêmeas, Yaci e Yara, estão conquistando o mundo da moda com sua beleza estonteante...

Após vídeo viralizar, idoso recebe apoio de desconhecidos para salvar sua camisaria em SP

Apenas seis! Essa é a quantidade de camisas que o seu Odiney Pedroso, um senhorzinho prestes a completar 90 anos, vendeu desde o início...

Em apenas 24h, vaquinha para menino que cuida sozinho da mãe doente arrecada mais de R$277 mil

Genteeee, que alegria! Em menos de 24h, batemos a meta da vaquinha para comprar uma casa para o menino José, 15 anos, a mãe...

Instagram

A inteligência artificial aplicada à medicina pode salvar muitas vidas 15