A inteligência artificial aplicada à medicina pode salvar muitas vidas

O big data combinado com a inteligência artificial, podem ser a próxima revolução na medicina, visando a cura de doenças e uma longevidade maior.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Narramos essa matéria para você! Clique no play acima para ouvir!

É comum pensarmos em inteligência artificial e logo imaginarmos robôs inteligentes, capazes de fazer tudo o que um humano faria e, pensando de uma maneira reducionista, com o objetivo de eliminar a raça humana. Por mais interessante e assustadora que seja essa definição, ela é um pequeno (e pessimista) recorte do que a inteligência artificial pode fazer por nós. Ela vai muito além desse pensamento distópico à la Black Mirror, de que pode acabar com toda a humanidade. Na verdade, os vários avanços da inteligência artificial, também chamada de AI, envolvem o contrário: nos salvar. Entre os principais campos da AI está o da a medicina, que tem mostrado resultados significativos e próximos de virar realidade.

O Dr. Raimond Winslow, diretor do Johns Hopkins University Institute de Medicina Computacional, fundado em 2005, afirmou para a Digital Trends que “o campo explodiu”. “Há uma nova comunidade de pessoas sendo treinadas em matemática, ciência da computação e engenharia também sendo treinadas na biologia. Isso permite que eles tragam uma nova perspectiva para o diagnóstico e o tratamento médico”, disse.

Agora, ao invés de analisar complexas questões médicas com o nosso limitado cérebro humano, nós estamos começando a usar máquinas para analisar um grande número de informações, reconhecer padrões e fazer previsões que nenhum médico humano poderia”, escreveu Drew Prindle, da Digital Trends.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Grandes empresas veem o campo da medicina como um potencial para popularizar as suas tecnologias. Além de existirem companhias especializadas apenas em AI e saúde, gigantes da tecnologia também não querem perder tempo nem espaço. O Watson, da IBM, sistema de inteligência artificial mais conhecido do mercado, pretende fazer descobertas na área. Depois da IBM investir alguns bilhões na tecnologia, o Watson empacou, como diz o New York Times. Então, a IBM decidiu entrar no campo da medicina. Desde então, a empresa está trabalhando com a Quest Diagnostics para oferecer o sequenciamento de genes e análise de diagnósticos, tudo com o objetivo de ajudar oncologistas a tratar o câncer. “Essa é a comercialização do Watson na oncologia”, disse John E. Kelly, um vice-presidente da IBM, ao New York Times.

Funcionários da IBM dizem que a tecnologia tem potencial para trazer a medicina de precisão disponível para milhões de pacientes com câncer, e não somente para um pequeno número que é tratado em centros médicos especializados.

A inteligência artificial aplicada à medicina pode salvar muitas vidas 1

A Intel também investe nesse mercado. Em maio de 2016, a empresa injetou US$ 10 milhões na Lumiata, uma startup que foca em inteligência artificial na medicina. Na época, Steve Agritelley, diretor da área de saúde na Intel, disse em comunicado: “A Lumiata tem potencial para trazer uma abordagem e gerenciar a análise do tratamento personalizado”, comentou. No Intel Analytics Summer, evento realizado em agosto de 2016, a inteligência artificial foi o tema central. A AI na medicina também foi debatida, com destaque para Penn Medicine, centro médico na Pensilvânia, que está usando a plataforma analítica da Intel em seus diagnósticos. Um estudo focado na sepse, também conhecida como infecção generalizada, mostrou que a ferramenta conseguiu identificar corretamente 85% dos casos, com algumas descobertas feitas até 30 horas antes do fatal choque séptico, comparado a apenas duas horas do método tradicional.

O Google também não quer ficar para trás: em fevereiro deste ano a empresa lançou a Deep Mind Health, braço de sua empresa de inteligência artificial focada em medicina. Em julho de 2016, a companhia anunciou uma parceria com o um hospital londrino: o Moorfields Eye Hospital, focado em oftalmologia. A ideia é que a AI do Deep Mind possa achar vestígios da doença degenerativa macular e a retinopatia diabética.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,835,148SeguidoresSeguir
24,725SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cubanos desenvolvem cura contra vitiligo em 3 dias

Instituto cubano desenvolve cura contra vitiligo em 3 dias a partir de extrato natural retirado da placenta humana.

Hospital permite que cães visitem bebê nos seus últimos momentos de vida

Os cães da raça basset hound Grumpy e Gracie construíram um laço de amor e carinho muito forte com a bebê Nora desde quando...

Ex-namorado tinha ‘nojo’ de suas unhas, hoje ela é dona de uma rede de esmalteria

Ex-namorado tinha repúdio de suas unhas roídas, ela descobriu o alongamento de unhas e agora tem a sua própria rede de esmalteria! 💋

Durante as férias, garoto arrecada materiais escolares para crianças carentes

Ele tem apenas 9 anos, mas sabe como poucos o verdadeiro significado de ser empático. Nascido em João Pinheiro, município localizado no noroeste de Minas, Othávyo...

Sistema japonês transforma emissões de carbono de fábricas em energia

Uma das maiores preocupações ambientais é em relação às emissões de carbono na atmosfera, um dos grandes causadores das mudanças climáticas. No entanto, um...

Instagram

A inteligência artificial aplicada à medicina pode salvar muitas vidas 3