Usando apenas sucata, inventor consegue levar eletricidade para uma vila inteira no Malauí

Para inventar algo, você só precisa de uma boa imaginação e um monte de lixo“, disse uma vez Thomas Edison (1847-1931), um dos maiores inventores de seu tempo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Bem, o inventor Colrerd Nkosi tinha todo o lixo de que precisava – e a vontade de levar eletricidade para seu pequeno vilarejo no Malauí, uma pequena nação do leste africano.

O jovem não apenas alcançou seu objetivo (e beneficiou milhares de estudantes), mas também ganhou um prêmio concedido pela Rainha da Inglaterra! 🤩

inventor leva luz para sua comunidade carente

Usando um motor de máquina de descasque de milho reciclado, Colrerd criou uma turbina elétrica que agora ilumina dezenas de casas para ele e seus vizinhos de graça na cidade de Mzimba.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assim como Thomas Edison, o eletricista fez muitos experimentos antes de chegar ao resultado final. No começo, ele colocou uma espécie de bicicleta no rio próximo ao vilarejo e pensou como a correnteza poderia mover os pedais para gerar força.

inventor leva luz para sua comunidade carente

Por fim, ele teve a ideia de usar um velho compressor de geladeira para converter energia suficiente para 6 residências. Seus vizinhos pediram por mais, então Colrerd continuou a pensar em algo que pudesse servir a comunidade inteira.

De acordo com o inventor autodidata, sua última turbina tem potencial para produzir energia suficiente para fornecer eletricidade a 1.000 casas e diz que outra turbina pode ser instalada e expandir a rede.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A energia hidrelétrica tem como principal benefício o baixo impacto ao meio ambiente. De quebra, a invenção do rapaz vai reduzir o desmatamento na comunidade, uma vez que os  moradores não precisarão cortar árvores para obter carvão.

Em um país onde apenas 11% da população tem acesso à eletricidade, ter uma fonte confiável e renovável de energia mudou o jogo – especialmente nas escolas.

“No passado, tínhamos que estudar à luz de velas e sempre que não havia dinheiro para comprar velas, não podíamos estudar”, disse o estudante Gift Mfune à agência AFP. “Agora que temos acesso à eletricidade, muitos mais de nós poderemos estudar e passaremos nos exames.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A força motriz criada por Colrerd (batizada de Usina Hidrelétrica Kasangazi) não gera lucro. Na verdade, a única cobrança pelo seu serviço é uma taxa de manutenção de R$ 6 por mês (950 Kwacha malawianas, a moeda do Malauí).

Cerca de 2 mil pessoas se beneficiaram diretamente da eletricidade sustentável gerada pelo inventor. Por sua invenção, ele ganhou o prêmio “Point Of Light”, concedido pela própria Rainha Elizabeth II, da Grã-Bretanha, por sua dedicação à inovação.

Para além de literalmente trazer luz aos seus vizinhos, o sonho de Colrerd é trazer “iluminismo” para eles também – por meio da educação.

Atualmente, o jovem dá aulas práticas de noções básicas de carpintaria e engenharia para crianças dos vilarejos próximos, e espera expandir suas habilidades por meio de mais estudos na área de Eletricidade.

“Gostaria de encontrar um patrocinador para me ajudar a cumprir meu plano de voltar à escola para aprofundar meus conhecimentos e transmitir o que aprendi a outras pessoas”, completou o rapaz.

Saiba mais assistindo ao vídeo abaixo:

Veja também:

Fonte: GNN
Fotos: Arquivo pessoal / Colrerd Nkosi

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,230,881SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ciclista ajuda motorista em apuros na estrada: “Não fiz mais que minha obrigação”

Algum motorista já passou alguma situação difícil no trânsito. Quem anda de carro todos os dias já passou algum perrengue com ele. Falha mecânica, falta...

Pai cavalga 2 mil km para ver formatura da filha: promessa cumprida!

A cavalo, Josemar viajou de Brasília até a Paraíba para ver a formatura da filha.

Menino de Florianópolis ganha prêmio internacional por app para pessoas com perda auditiva

O aplicativo é destinado à solução dos ruídos dos dispositivos cocleares.

“Malhação” terá uma atriz trans no elenco pela primeira vez na história

Representatividade importa e a televisão está buscando cada vez mais mostrar que está, sim, preocupada em representar todo mundo. Pensando nisso, após 25 anos...

Casal de 85 e 89 anos namora todos os dias na fronteira entre Alemanha e Dinamarca

Um casal de idosos octogenários provou que o amor é capaz de transpor quaisquer fronteiras – inclusive as físicas. Inga Rasmussen, 85 anos, vive na...

Instagram