Irmãos judeus que abandonaram a escola por bullying sonham em ser reconhecidos pela arte (PB)

Em uma rua de casas simples no bairro Jardim Continental, em Campina Grande (PB) mora a família de judeus de linhagem sefardita, de seu Jonas e Dona Rosilene.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A casa modesta e inacabada separada por uma cerca do restante da rua não tem Jardim, mas a lama do período de chuvas é constante. Ao entrar na residência sem janelas na sala é que a gente percebe que o que tem dimensão Continental aqui é a história dessa família.

Seu Jonas tem como décimo avô o Capitão Teodósio de Oliveira Ledo, considerado o fundador da cidade de Campina Grande, município de quase meio milhão de habitantes. Muitos podem conhecer a história desse parente, mas a cidade desconhece a vida de Jonas e sua família.

Rosilene é de Caruaru, Pernambuco, e historicamente existe uma briga entre as duas cidades pela disputa de quem faz o Maior São João do Mundo. A história dos antepassados deles já é uma trajetória de lutas e perseguições, visto que fugiram para o Brasil após os constantes ataques às comunidades judaicas na Europa.

Esse mesmo sentimento sofrido pelos ancestrais foi experimentado de forma indigesta pelos filhos mais velhos do casal. Golda Meier acaba de completar 17 anos de idade no corpo ainda franzino e traz no nome a homenagem a uma das fundadoras de Israel, a ex-primeira-ministra. Yitzhak, de 19, também tem nome de ex-primeiro-ministro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Menina de vestido florindo sorrindo e segurando desenho de croqui de moda nas mãos
Golda Meir sofreu com bullying e efeitos da pandemia e busca refúgio na arte. Este desenho inspira todos os outros de sua coleção Foto: Beatriz Oliveira

Morando no interior da Paraíba com nomes estranhos à cultura local e uma enorme sensibilidade para a arte, esse povo escolhido de Deus – significado do Judaísmo, foi vítima de bullying na escola. Nossa sociedade ainda não está preparada para compreender a diversidade.

“Eu e meu irmão éramos discriminados, não sei porquê, porque ficam perguntando se a gente é daqui, mas o povo diz porque teu sotaque é estranho, não aceitam, meu irmão já apanhou, foi terrível, eu também já fui muito criticada em escola. Eu enfrento, mas meu irmão foi mais humilhado“, conta Golda.

jovem segurando bíblia com uma menorá ao fundo e falando com braço levantado em gesticulação ao argumentar algo em foto preta e branca
Entre bíblia em hebraico e menorá judaico, Yitzhak se refugia das marcas deixadas pelo bullying. Foto: Beatriz Oliveira

Yitzhak, que corresponde a Isaac para nós e que significa “filho que ri”, claramente sofre com as marcas desse processo e não consegue falar sobre o tema. As risadas foram roubadas pelos que zombavam dele.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Associado ao bullying, veio a pandemia que dificultou a permanência na escola e, ainda por cima, a moto de seu Jonas quebrou. Era o transporte escolar dessa família. A motocicleta ficou encostada num canto da sala, junto a uma biblioteca cheia de livros e uma menorá, candelabro de sete braços símbolo do judaísmo, e em meio a quadros pintados a óleo, uma experimentação entre o estilo abstrato e o surrealismo. As pinturas são de Jonas.

Desenho a lápis em preto e branco com Jesus lendo bíblia e ao fundo uma estrela de Davi
Os desenhos do pai Jonas são inspirados no Judaísmo. Foto: Beatriz Oliveira

Pintura em preto e branco de judeu de barba com bandeira de Israel ao fundo
Temas israelitas estão presentes nos quadros. Foto: Beatriz Oliveira

Desenho em preto e branco de cachoeira
Foto: Beatriz Oliveira

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Yitzhak e Golda seguiram os passos do pai, um artista autodidata, que é responsável até pelo desenho da bandeira da cidade de Boa Vista (PB), feito que Golda fez questão de inserir no Wikipedia como sendo de seu pai, pois nem esse reconhecimento havia.

Desenho de bandeira de município com estrela de Davi ao centro, destacando cactos e chapéu de couro
Jonas desenhou a bandeira do município de Boa Vista, unindo elementos do Judaísmo com o Nordeste. Foto: Beatriz Oliveira

No centro da bandeira, a estrela de Davi, um símbolo do Judaísmo que significa escudo. A estrela também está pintada na parede da sala da casa, mas o escudo que essa família utiliza para se proteger dos ataques que sofrem é a arte, o único refúgio disponível.

A estrela de Davi também está no centro do chapéu de couro nordestino, indicando a ligação estreita que existe entre estes dois povos historicamente, além do cacto com sete braços, numa alusão ao candelabro judaico (Menorah), e as cinco hastes do cacto em destaque, lembrando os cinco livros da Torah.

Meir se inspira em Dior e quer ser estilista famosa

Golda diz querer voltar à escola. “Não queria ter perdido esse ano da escola não. Nunca reprovei, nem perdi nenhum ano letivo“, diz com firmeza.

O tempo antes dedicado à escola agora é voltado inteiramente à arte ou aos estudos em casa. A menina desenha inúmeros modelos de moda, principalmente croquis. “Só quem faz croqui aqui em casa sou eu”, ressalta.

Desenhos de lápis de vestidos e modelos de croquis de moda
Foto: Beatriz Oliveira

Uma mesa grande no centro dessa sala mágica, dessa casa viva, reúne os desenhos de Golda Meir especificados um a um por ano de produção e época de referência. É quase um ateliê.

Menina e menino olhando desenhos em mesa no centro de sala
Golda desenha e irmão mais novo acompanha. Foto: Beatriz Oliveira.

Essas roupas nunca antes transpostas do papel para o tecido parecem já ser familiares, como se representassem modelos já utilizados um dia por alguém. É quase um Déjà-vu.

Desenhos de lápis de vestidos e modelos de croquis de moda
Foto: Beatriz Oliveira

A inspiração é no estilista francês Christian Dior e nos filmes dos anos 50 que ela assiste em casa. “Comecei a admirar os modelos daquele tempo e me veio a ideia de juntar meu jeito de desenhar com aquele estilo“, conta.

Desenho de lápis em preto e branco de modelo de roupa feminina
Foto: Beatriz Oliveira

Golda é neta de uma mulher do Cariri paraibano, Dona Margarida, que produzia vestidos em renda renascença, uma técnica própria do interior paraibano, da região mais semi-árida do estado, seca feito Israel.

Sua avó, que morava na cidade de Boa Vista de onde Jonas fez a bandeira, quase foi morar em Paris pela sua habilidade com a costura. Ficou nas mãos da neta a chance de recomeçar essa história não concluída.

“Queria patrocínio para produzir os modelos. Sempre foi o meu sonho ser lançada como estilista e assinar desfiles nacionais e internacionais, como a São Paulo Fashion Week”. SPFW, corre aqui, vai!

Yitzhak busca risada nas charges

Se Golda desenha para a moda, Yitzhak vai costurando um outro caminho. O garoto que estuda hebraico sozinho escutando música e lê a bíblia na outra língua fazendo correções na tradução produz charges e caricaturas como ninguém.

jovem segurando bíblia com uma menorá ao fundo e falando com braço levantado em gesticulação ao argumentar algo em foto preta e branca
Foto: Beatriz Oliveira

Golda conta que Yitzhak sofria violência na escola, até dos próprios professores, que ficava trancado na sala no intervalo das aulas e sofria chutes e insultos. As charges e caricaturas tentam sublimar a realidade e construir uma realidade diferente.

Garoto segurando charge e sorrindo em foto preta e branca
Foto: Beatriz Oliveira

Os dois filhos mais novos, Avner Sharon de 11 anos e Ariêl Eliáhu de 13, seguem o exemplo. Os desenhos são infantis, mas o traço é refinado. Em um deles, Ariêl tentou reproduzir o estilo natureza-morta.

Desenho de lápis em estilo natureza morta
Desenho em estilo natureza morta de Ariêl. Foto: Beatriz Oliveira

Yitzhak e Jonas agora trabalham em um hotel da cidade, mas a melhor recepção é na casa deles. Fazem com todos aquilo que os outros faltaram com eles: respeito, acolhimento, simpatia e receptividade.

Veja também a história de adolescente autista e com esquizofrenia de Campina Grande (PB) que produz filmes em estilo cinema mudo e reprodução de filmes antigos.

Quer mais uma história inspiradora? Dá o play!

Sempre sonhei em ser pai solo e adotar uma criança, mas nunca sonhei em casar

O Erasmo sempre soube que o seu filho estava o esperando em algum lugar, até que um dia recebeu a foto do Gustavo com a informação de que ele estava procurando uma família. Naquele momento a história deles começou. Hoje eles formam uma família linda e produzem conteúdo falando sobre paternidade real e adoção no perfil @erasmocoelho no instagram.

Publicado por Mais Razões em Segunda-feira, 3 de outubro de 2022

Irmãos judeus que abandonaram a escola por bullying sonham em ser reconhecidos pela arte (PB) 1

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM










Irmãos judeus que abandonaram a escola por bullying sonham em ser reconhecidos pela arte (PB) 2

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,145,534SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menina de 9 anos sonha ser bailarina para mudar vida da família que vive em barraco

Raíssa tem 9 anos e um talento gigante! Ela mora em Campina Grande, na Paraíba e desde os 4 anos sonha em ser bailarina....

Cadela resgatada ganha ensaios de maternidade e newborn de derreter corações

A Lily Mae é uma cachorrinha que foi resgatada grávida, pela Caitie, em Houston, Texas (EUA) e ganhou um presentão da sua nova humana...

Gatinho ajuda mãe a amamentar bebê de 10 semanas; veja o vídeo

Amamentar um bebê não é tarefa fácil, mas a mamãe Carley Sercovich, que vive em Nova Orleans (EUA), recebeu uma ajuda mais do que...

Ex-paciente volta como médica ao hospital onde se curou da leucemia para salvar pessoas com a doença [VÍDEO]

“Eu queria ser uma médica que já sentiu na pele o que meus pacientes estão passando”. Essas palavras são da Marina Aguiar, que venceu...

Menino de 4 anos enfrenta transplante delicado e salva irmãos gêmeos

Assim que nasceram, os gêmeos Giovanni e Santino Demasi foram diagnosticados com uma doença crônica rara chamada Doença Granulomatosa Crônica (DGC), que torna as pessoas...

Instagram

Irmãos judeus que abandonaram a escola por bullying sonham em ser reconhecidos pela arte (PB) 3