Ítalo Ferreira do surf chora ao ganhar medalha de ouro e emociona jornalista ao lembrar da avó

Um momento para entrar na história das Olimpíadas e aquecer nossos corações !

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A primeira medalha de ouro para o Brasil nas Olimpíadas de Tóquio veio do mar. Ou melhor, das manobras e acrobacias realizadas pelo surfista Ítalo Ferreira, que emocionou os brasileiros na madrugada desta terça-feira.

Aliás, não só a torcida como também o repórter da TV Globo, Guilherme Pereira, que foi às lágrimas durante a entrevista com o medalhista.

Visivelmente emocionado, o repórter relembrou a trajetória de Ítalo, que começou a surfar em uma tampa da caixa de isopor usada pelo seu pai para vender peixe no litoral do Rio Grande do Norte. “Como que está a Baía Formosa agora?”.

O momento emocionante foi publicado no Jornal do Razões:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ítalo lembrou de avó, Dona Mariquinha, que foi uma de suas referências e maiores apoiadores em sua trajetória como atleta profissional. “Eu queria que minha vó tivesse viva para ver isso, o que eu me tornei”, levando os dois aos prantos em um momento que, sem dúvida, já marcou as Olimpíadas de Tóquio entre os brasileiros.

Em meio ao momento de muita emoção, Ítalo agradeceu ao apoio da torcida brasileira, que o seguiu até altas horas madrugada desta terça-feira. “Eu nem queria pegar a medalha, eu juro que queria voltar para da um abraço em cada um de vocês que ficaram torcendo, muito grato por tudo. Recebi uma força imensa de todos que estavam acompanhando. Sei que é de madrugada, alguns estão indo trabalhar, outros tiraram folga, mas valeu a pena. Obrigado pela torcida, a gente se vê no Brasil”, afirmou o surfista.

Das pranchas de Isopor ao ouro nas Olimpíadas

Filho de pescador, o medalhista olímpico Ítalo Ferreira aprendeu a surfar com uma prancha improvisada, usando a tampa da caixa de isopor que seu pai vendia peixe em Baía de Formosa.

Driblando as dificuldades financeiras enfrentadas pela família, Ítalo passou a surfar com pranchas emprestadas pelos primos. Aos 12 anos, o menino chamou atenção por suas habilidades dentro da água e começou a participar de competições. Mesmo sem recursos, a família nunca poupou esforços para que Ítalo seguisse em busca dos seus sonhos e se marcasse seu nome na história do surfe mundial.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Nas redes sociais, o assunto, claro, não foi outro…Viva Ítalo Ferreira!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,777,821SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Canal no YouTube traz histórias da comunidade LGBT com tradução em Libras

Escritor, influenciador e designer, Samuel Gomes traz na sua história a luta de seus ancestrais e da comunidade LGBT. Nascido em uma família periférica...

Projeto ensina alunos de escolas públicas a usar a fotografia para refletir sobre a realidade

O projeto Alfabetização Visual é um curso de fotografia digital para alunos de escolas públicas e centros culturais que busca a transformação social. O projeto...

Marca de Joinville (SC) reutiliza sobras de tecidos que iriam parar no lixo

A Funcionárias já evitou o envio de duas toneladas de resíduos de tecidos para o aterro de Joinville (SC).

6 cidades que fizeram de suas rodovias parques urbanos

Vocês sabiam que quanto mais os motoristas contam com a criação de mais vias, mais carros são comprados para se continuar usando as vias...

Nova Zelândia testa jornada de trabalho de 4 dias e dá certo

Uma empresa na Nova Zelândia testou os benefícios que teria se seus funcionários trabalhassem apenas quatro dias por semana, em vez dos habituais cinco dias.

Instagram