Início SOCIEDADE Pessoa com Deficiência Já pensou em fazer parte do acervo de um museu?

Já pensou em fazer parte do acervo de um museu?

Sim, isso é possível no Museu da Pessoa de São Paulo. Registre sua história de vida e faça parte do acervo.

Há 25 anos e com mais de 17 mil histórias registradas, o Museu da Pessoa coleta memórias de pessoas anônimas. O museu tem como objetivo valorizar a diversidade cultural e a história de cada pessoa como patrimônio da humanidade e desta forma contribuir para a construção de uma cultura de paz.

O museu está localizado em Pinheiros na grande São Paulo, mas você pode, através da internet, incluir suas memórias no acervo do Museu da Pessoa, que irá registrá-la e preservá-la. A singularidade de cada ser humano é muito valorizada.

Já pensou em fazer parte do acervo de um museu? 1

Todas as quintas-feiras o museu grava em seu estúdio relatos de qualquer pessoa que queira registrar sua historia de vida pessoalmente, com auxílio dos colaboradores. Há espera de dois a três meses para conseguir agendamento.

Através do site também é possível ser curador e selecionar suas histórias favoritas. Para montar seu acervo, é só escolher um tema e você pode reunir histórias de amor, casamentos, vídeos sobre futebol, indígenas, empresários, imigrantes, enfim, simplesmente qualquer assunto que mais lhe agrade.

O Museu da Pessoa está passando por um processo de digitalização do acervo, hoje com 50% do processo concluído. Rosana Miziara, coordenadora do museu, conta que trata-se de um procedimento caro mas de extrema importância transformar os CDs, mini-DV, cassetes e VHS em tecnologia atual.

Com centenas de projetos realizados, mais de 70 livros publicados e diversas exposições, o Museu da Pessoa inspirou a construção de três outros museus fora do Brasil – em Portugal, Canadá e Estados Unidos.

O Sesc da Vila Mariana realiza até o dia 17 de dezembro a exposição “Quem sou Eu?” em comemoração ao 25º aniversário do Museu da Pessoa , a entrada é gratuita.

Desde 2006 o museu realiza divulgação da metodologia com professores da rede pública e expedições pelo Brasil, registrando saberes e fazeres de comunidades em extinção,como por exemplos, as que estão próximas a barragens. Mais de 100 organizações já foram formadas.

Que tal entrar no site e se cadastrar para ser o próximo a deixar suas memórias registradas para as futuras gerações?

Para saber mais acesse: Museu da Pessoa e SESC São Paulo

Fotos: acervo pessoal

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

982,579FãsCurtir
1,684,969SeguidoresSeguir
8,271SeguidoresSeguir
11,000InscritosInscrever

+ Lidas

Pesquisadora de Manaus desenvolve plástico biodegradável a partir do cará

Quem já comeu sabe o quanto o cará é saboroso. O tubérculo, que é bem parecido com o inhame, é rico em fibras e...

Jovem abre espetinho e amigos aparecem para ‘dar uma força’ em Curitiba (PR)

No início deste mês, o usuário @Chrystofer_99 comentou no seu Twitter que planejava abrir um espetinho. A ideia era fazer um 'teste' com sua família,...

Casal gay adota bebê com HIV que foi rejeitada por 10 famílias

Pouco depois de nascer, Olivia foi abandonada em um orfanato. Na fila de adoção, foi rejeitada por 10 famílias. O motivo? A menina é...

Designer da UFMG cria embalagem sustentável de pasta de dente que pensa fora da caixa – literalmente!

Um projeto acadêmico liderado por Allan Gomes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), repensa a maneira como as embalagens são dispostas aos consumidores...

Cansado de notícias ruins, ilustrei 36 das melhores notícias de 2019

É a mesma coisa: entra ano, sai ano: em dezembro começam as publicações nas redes sociais dizendo que o ano foi terrível, que só...

Instagram