Japoneses recolheram todo o lixo produzido por eles na Arena Pernambuco

Os japoneses que foram à Arena Pernambuco para assistir à partida de estreia do Japão na Copa do Mundo contra a Costa do Marfim fizeram questão de deixar as arquibancadas do estádio livre de lixo após a partida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os sacos azuis que puderam ser vistos na torcida do Japão que torcida pela sua seleção durante o jogo foram utilizados para recolher o lixo deixado na ala deles da torcida depois da derrota japonesa por 2 a 1.

japas-clean

Encontramos um vídeo deles recolhendo o lixo:

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=VqKozI5CAtY”]

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

10418360_595286930586927_8069558626763606159_n10468669_595286883920265_7431340729881428622_n10481929_595286907253596_4459403555263181150_n

[via]

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,642,968SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Loja de açaí dá descontos para clientes gentis, doa sementes de girassol e alimenta animais de rua

Ser gentil faz parte do pagamento na loja Imagine Açaí, em Fortaleza, no Ceará.

Relato de operadora pernambucana sobre acolhimento de empresa na sua transição de gênero viraliza

Em junho comemoramos o mês do Orgulho LGBT+, momento em que há mais visibilidade para o movimento que se organizou pela primeira vez lá...

‘Espuma’ orgânica criada no Brasil absorve óleo da água e pode despoluir oceanos

A poluição marinha coloca em risco uma série de espécies e biomas que são fundamentais para os ciclos da natureza. Agora o que temos...

Pai larga tudo para buscar tratamento para uma grave doença degenerativa do filho

Uma questão perseguia os amigos Fernando Kuwahara e Rafael Micheletto, eles queriam trazer para a internet um despertar para questões sociais. Assim como muitas pessoas,...

Aos 18 anos, refugiada cresceu em favela do Rio e hoje estuda na Harvard

Aos 4 anos, Mariam Topeshashvili, hoje com 18, mudou-se para o Brasil, mais exatamente para o Rio de Janeiro. Nascida na Geórgia, seus pais trabalhavam...

Instagram