Muito Black Mirror: Jogadores profissionais de pôquer são derrotados por inteligência artificial pela primeira vez

Em uma partida de pôquer, o sucesso depende tanto da sorte como da capacidade do jogador de saber blefar e de analisar os outros competidores.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ser bom no blefe requer experiência e saber desvendar o comportamento do outro, por isso parece muito “Black Mirror” que um computador possa ganhar de um ser humano, concordam?

Mas isso já é realidade!

Tuomas Sandhold, um professor de Ciências de Computadores da Carnegie Mellon University, em conjunto com um aluno, desenvolveu o Libratus, um projeto de inteligência artificial que venceu pela primeira vez profissionais do pôquer.

A façanha aconteceu na Filadélfia, EUA, onde a máquina venceu quatro jogadores do top mundial, com um total de 1,7 milhões de dólares em fichas, de acordo com a notícia do jornal The Telegraph, em uma maratona que durou 20 dias.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foi a primeira vez que a inteligência artificial venceu um torneio de pôquer contra profissionais. Isso aconteceu devido ao uso de um novo algoritmo, que ensina a máquina a técnica do bluff, o famoso blefe.

Explicando melhor, fazer bluff é a arte de enganar o adversário, fazendo com que este pense que tem uma mão melhor do que a que realmente tem o que pode fazer com que jogadores desistam de partidas que poderiam ganhar. Também é possível fazer o bluff contrário, ou seja, fazer com que o adversário pense que está blefando, quando não está.

Sim, o computador precisou aprender a blefar, o que significa um grande avanço na ciência e tecnologia, e que terá inúmeras aplicações no futuro. Possuindo essa habilidade de decifrar o comportamento dos jogadores, a máquina também será capaz de identificar sintomas de doenças que um médico não conseguiria identificar tão rapidamente, e dessa forma prevenir que se agravem. A técnica também poderá ser usada em estratégias militares, tratamentos médicos, e negociações em segurança cibernética, por exemplo.

“Desenvolver uma inteligência artificial que consegue fazer isso com sucesso é um grande passo científico e possui inúmeras aplicações. Pense que o seu telefone um dia poderia conseguir negociar o melhor preço em um novo carro para você. Isso é só o começo”, disse Frank Pfenning, líder do Departamento de Ciências da Computação da CMU, em comunicado.

Viva a tecnologia!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foto: Divulgação

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,850,818SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Venezuelanos poderão estudar na Universidade Federal de Roraima

A Universidade Federal de Roraima (UFRR) criou um programa de vagas remanescentes para os venezuelanos que chegam à Boa Vista.

Arquitetas projetam reforma de escolinha comunitária gratuitamente

“É uma oportunidade de fazer o bem com o que eu gosto", diz a arquiteta Fernanda Castro.

“Parece defeito ser homossexual”, rebateu Criolo a apresentador em vídeo que está bombando na web

Criolo não é só incrível fazendo música. Suas declarações fora dos palcos também fazem os fãs se orgulharem da pessoa que ele é. E,...

Artista que vivia nas ruas monta ateliê improvisado em abrigo

Jeferson, que mora no abrigo municipal há seis meses, tem o sonho de expor sua arte e conseguir se bancar com a venda dos quadros.

Ex-refugiado que escapou da guerra desenvolve games pela paz

Nascido no Sudão do Sul, Lual Mayen precisou caminhar centenas de quilômetros até a Uganda fugindo da guerra civil na região. Nesta jornada, ele...

Instagram