Estudantes criam jogo que facilita aprendizagem de pessoas com dislexia

Para estimular o processo de aprendizagem e leitura de pessoas com dislexia, dois estudantes do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) desenvolveram um jogo chamado ‘Pequenos Viajantes’.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Renato de Almeida, que tem dislexia, e Rodrigo da Silva, do curso técnico integrado em Informática do Campus Ponta Porã criaram o software como trabalho de conclusão de curso.

O Pequenos Viajantes começou a ser desenvolvido do zero há um ano, e desde então, vem sendo apresentado em diversos seminários e competições, como a Feira de Tecnologias, Engenharias e Ciências de MS (Fetec), o Simpósio Brasileiro sobre Fatores Humanos em Sistemas Computacionais, em Vitória (ES) e na Experiência Beta, em Porto Alegre (RS), que a dupla concorreu no mês passado.

Com o reconhecimento e elogios conquistados na Experiência Beta, eles foram selecionados para a próxima edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), uma das mais importantes feiras científicas de ensino médio do país.

Estudantes criam jogo aprendizagem dislexia
Foto: Maxi Educa/Reprodução

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sobre a dislexia

A dislexia é um transtorno genético e hereditário da linguagem, caracterizada pela dificuldade de decodificar o estímulo escrito ou o símbolo gráfico. Os sintomas tornam-se mais evidentes durante a fase da alfabetização.

Pessoas com o transtorno experimentam grande dificuldade de associar os fonemas às letras, além de aprender a ler e a escrever com fluência e de compreender um texto.

Segundo a Associação Brasileira de Dislexia, entre 0,5% e 17% da população mundial – isto é, entre 35,5 milhões e 1,2 bilhão de pessoas sofrem com o distúrbio.

O jogo

Renato e Rodrigo contam que a ideia do game surgiu visando conscientizar as pessoas sobre o tema e alertar para o baixo número de aplicativos como esse que representam e atendem pessoas com dislexia.

O jogo propõe desafios aos seus usuários. “Um personagem principal guia a criança por vários locais do mundo na resolução de problemas, prevendo a concessão de pontos que poderão ser convertidos em recompensas para customização do personagem”, explica Renato. O Pequenos Viajantes está disponível para smartphones com sistema Android.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia tambémDesigner cria fonte que facilita – e muito, a leitura para quem sofre de dislexia

“Quando vamos escrever a palavra copo, por exemplo, imaginamos o objeto e daí escrevemos. Esse tipo de conexão é um pouco diferente para as crianças disléxicas, por isso a ideia de criar o jogo. Para ficar mais interessante, o jogo tem fases ou capítulos, que se passam em diferentes continentes. O usuário pode escolher o país que ele quer visitar”, complementa.

“É um jogo de plataforma com obstáculos e cenários de diferentes países. Quando o usuário chega ao final do capítulo, ele tem um desafio que vai trabalhar com a escrita e a leitura, associando palavra e imagem”, afirma a orientadora Esteic Janaína Batista.

Estudantes criam jogo aprendizagem dislexia
Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“As entrevistas com os profissionais são para que os estudantes conheçam as atividades desenvolvidas em consultório. Assim, poderemos utilizá-las no jogo, que está em fase de validação. Esperamos disponibilizá-lo nas escolas, para que a dislexia seja enfrentada de forma de divertida. Queremos que ele possa ser usado por qualquer criança, mas que esteja especialmente acessível para as pessoas com o transtorno”, explica a professora.

A proposta é, antes de mais nada, combater o preconceito. “As crianças geralmente não têm diagnóstico em sala de aula e a dislexia passa despercebida pelos professores. Isso faz com que esses alunos sejam vistos como preguiçosos, por isso é tão importante reconhecer o problema”, finaliza Esteic.

Educação, esporte e arte são fundamentais para a inclusão social de grupos vulneráveis, concorda? Conheça então três projetos que defendem essas causas, escolha a sua favorita, apoie e concorra a um super prêmio de R$ 1 milhão da promoção “Ganhou, Causou”, da Nestlé. Clique aqui e saiba como participar!

Fonte: IFMS

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,838,442SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menino com síndrome de Down excluído da formatura do colégio ganha sua própria festa

Amigos, vizinhos e familiares de um menino chamado Romeo resolveram fazer uma festa de formatura para o pequeno após sua turma do colégio excluí-lo...

Esposa de cantor prova que “o amor cura” após assumir recuperação do marido que sofreu acidente

Bruna fez questão de tirar o marido Ricardo Anthony do hospital para que ele fosse cuidado por ela em casa. Sua recuperação tem sido incrível em poucos dias.

Mulher viaja o mundo para adotar 4 órfãos com o mesmo distúrbio genético que ela

Kristi Smith nasceu com uma distúrbio genético raro, a Fenilcetonúria, que não tem cura, mas pode ser controlada e se não for tratada corretamente...

Como um movimento está promovendo a causa do voluntariado no Brasil e no mundo

Certa vez publicamos um relato da Raquel Caprara, onde ela fala de sua experiência fazendo trabalho voluntário e o quanto essa experiência transformou (e...

Vídeo brinca com estereótipos gays para mostrar a diversidade sexual

Todo gay depila, usa gola V, gosta da Lady Gaga, certo? ERRADO. Esqueça esse estereótipos e assista esse vídeo:  

Instagram