O jovem autista que desafiou prognósticos e se graduou em Medicina em Cuiabá

Clique e ouça:

Na capital mato-grossense, balões dourados grudados na parede formam o nome Enã Rezende, de 26 anos. Neste lugar, um salão de eventos reservado por sua família, há chinelos e camisas personalizadas, confeccionadas para o rapaz, que colou grau no dia 15 de janeiro. Seus familiares não mediram esforços em organizar uma formatura única e especial para o rapaz, que formou-se em Medicina.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para sua mãe, Érica Rezende, 46, este é um dos momentos mais felizes de toda sua vida.

“Tem passado um filme diante de mim sobre tudo o que vivemos”.

Érica conta que duas décadas atrás ouviu de uma professora de Enã que seu filho não iria conseguir sequer ser alfabetizado. Vê-lo ser diplomado com a conclusão do ensino superior é uma alegria imensurável.

Leia tambémSandra Annenberg usa vestido desenhado por jovem autista em premiação

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dois dias depois, Enã e sua família se preparavam para um jantar em homenagem aos formandos de medicina. Este foi o terceiro evento especial para os concluintes do curso. No dia anterior, participaram de uma cerimônia religiosa.

“Na colação de grau dele, fiquei em choque, sem expressar muita emoção, porque estava me lembrando de tudo o que vivemos desde que ele era pequeno. Mas ontem, no culto ecumênico, não aguentei e chorei bastante”, diz Érica.

O jovem autista que desafiou diagnósticos e se formou em medicina
Quando entrou para a escola, Enã enfrentou preconceito e bullying por causa de sua condição. Foto: arquivo pessoal

Enã é autista. Desde a infância, sofreu bullying e preconceito por conta de ser quem é. Diz que se sentia inferior em função das ofensas que ouvia de seus colegas. Ele diz que concluir um curso tão complexo como Medicina foi uma maneira de provar a si mesmo de que era capaz de fazer o que quisesse.

“Eu dizia para mim: tenho que vencer na vida e mostrar que está todo mundo errado. Sempre soube que teria de lutar mais que os outros para conquistar meus objetivos”, diz o rapaz, de fala mansa e poucos gestos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O jovem autista que desafiou diagnósticos e se formou em medicina
“Alguns médicos me disseram que não revelam que são autistas por medo do preconceito’. Foto: Reprodução / Estúdio Marães

TEA

O Transtorno do Espectro Autista (TEA), popularmente conhecido como autismo, é uma desordem complexa do desenvolvimento cerebral.

O TEA é caracterizado por dificuldades na socialização e comunicação com outras pessoas; também notam-se padrões comportamentais considerados repetitivos, com ações semelhantes em um curto espaço de tempo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De acordo com um estudo realizado por pesquisadores norte-americanos, estima-se que 1 em cada 59 crianças tenha alguma característica relacionada ao TEA.

O futuro

Enã diz a colação de grau era um dos momentos mais aguardados por ele. “A cerimônia de finalização de curso parecia um sonho maluco e maravilhoso”.

“Fiquei um pouco nervoso na hora, mas depois foi um alívio. É importante lembrar que tenho uma grande responsabilidade pela frente por ser médico, sendo autista ou não.”

O jovem autista que desafiou diagnósticos e se formou em medicina
A família de Enã customizou itens, como chinelos, para homenagear o jovem nos eventos de formatura. Foto: arquivo pessoal

O jovem autista que desafiou diagnósticos e se formou em medicina
A família não poupou esforços para comemorar a formatura do jovem no curso de medicina. Foto: arquivo pessoal

O jovem ressalta que ele não é o primeiro autista a se formar no Brasil. Há outros profissionais que sofrem do mesmo transtorno que entraram em contato após descobrir sua história na internet.

“Alguns médicos me disseram que não revelam que são autistas por medo do preconceito”, conta.

Enã começará a trabalhar em uma unidade do Exército no município de Rondonópolis, no Mato Grosso.

“Todo médico recém-formado precisa se apresentar para o Exército. Quando foi a minha vez, disse que tinha interesse em prestar serviços como médico e eles me aceitaram”, comenta.

Leia tambémPapai Noel atende menino autista no chão em Shopping de Florianópolis e emociona internautas

Ele ficará um ano na cidade. Para 2020, diz que planeja iniciar especialização na área de Neurologia.

O jovem autista que desafiou diagnósticos e se formou em medicina
Na universidade, Enã era tido como aluno exemplar – não reprovou em nenhuma disciplina. Foto: Reprodução / Emanoele Daiane

O orgulhoso médico diz, ao final, que deseja deixar uma mensagem para outros autistas.

“Eu sei que para alguns, as percepções podem ser difíceis. Vocês vão ter dificuldades, mas nunca incapacidades. Se vocês têm um sonho, corram atrás dele. Não desistam!”, conclama.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: BBC Brasil

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,076,276FãsCurtir
2,422,376SeguidoresSeguir
20,572SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Confeiteira é humilhada por cobrar taxa de entrega de R$2 e recebe apoio de internautas

A confeiteira Ângela Oliveira foi humilhada por uma cliente que se recusou a pagar a taxa de entrega do seu bolo de pote. Na troca...

Sogro anda de mãos dadas com genro para ajudá-lo a superar medo de sair na rua com o namorado

Fran guarda algumas memórias ruins de um passado recente, quando ele sofreu preconceito por ser homossexual. O jovem foi agredido fisicamente, além de ter passado...

Policial compra bolo de aniversário para jovem que chorava por terem esquecido a data

O que você faria se todo mundo que você conhecesse esquecesse de seu aniversário? Esta situação, hipotética para muitos, aconteceu com um garoto tailandês....

Após 8 anos presos em gaiolas, leões de circo são resgatados e pisam na grama pela primeira vez

Não é de hoje que percebemos uma mudança radical nos cuidados aos animais de circo. O público tem cobrado mais responsabilidade com espaço, alimentação...

Depois da formatura, ela foi até o trabalho de seu pai, que é pedreiro, para agradecê-lo

Se tem uma coisa que a paraguaia Yudit Romero reconhece é o sacrifício que o pai fez para lhe dar a melhor educação possível. Don...

Instagram

O jovem autista que desafiou prognósticos e se graduou em Medicina em Cuiabá 13