Jovem brasileira quer acabar com a falta de moradia imprimindo casas

Aos 22, Anielle Guedes já fez discurso nas Nações Unidas, em Genebra, na Suíça, é embaixadora do [email protected] no Brasil e acaba de ser convidada para falar de suas startup Urban 3D no World Future Society Annual Meeting, nos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O projeto de Anielle que tem dado o que falar quer acabar com a falta de moradia. Pode parecer ousado demais, mas depois de escutá-la, parece possível, mesmo que difícil.

Para isso, sua startup tem como missão desenvolver materiais e tecnologias para tornar a construção de casas mais rápida e barata. A ideia nasceu durante o curso de dez semanas que fez em 2014 da Singularity Universtiy, no NASA AMES, na Califórnia.

“Não podemos continuar esta situação de pessoas não terem o mínimo para viver, o mínimo de saneamento básico, o mínimo de água encanada. Sem isso, elas nunca comerão direito, não pensarão em educação, não terão saúde”, diz Anielle em entrevista ao Projeto Draft. “Há uma série de questões, intrinsecamente ligadas à casa, que são responsáveis por melhorar os índices de desenvolvimento humano”.

Para alcançar seu objetivo de que prédios de quatro a cinco andares sejam erguidos em poucas semanas, com um custo até 80% menor do que o cobrado pela construção civil nos dias de hoje, a brasileira correu atrás de colaboradores. Já conta com três empresas alemãs, uma na área química, outra especializada em robótica e a terceira em maquinário pesado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Não vamos conseguir incluir três bilhões de pessoas nos próximos 15 anos se continuarmos a usar os recursos da forma atual. Precisamos de processos mais eficientes”, afirmou Anielle que calcula que o preço final de uma casa ou apartamento finalizado com este processo será algo entre 10 e 15 mil reais.

Apesar de todas as dificuldades que um projeto dessa magnitude pode ter, o maior de todos, segundo ela, é a resistência do mercado de construção civil, mas ela vai enfrentar sem medo, pois acredita que a tecnologia pode e dever ser usada para um desenvolvimento sustentável e para melhor a vida das pessoas.

“Imagino ver uma empresa estruturada, mudando a forma como pensamos a construção civil. Quero visitar comunidades inteiras e ver as pessoas morando em casas e pensar que tudo o que fizemos lá atrás era necessário e que conseguimos cumprir o que nos propusemos a fazer”.

Fonte: Projeto Draft

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,643,961SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cachorro detesta tomar banho e por isso acha que seus donos também

Nem todo cachorro é chegado em um banho! E esse é exatamente o caso do simpático Clark, que apesar de ser um doce, super...

Após infância traumática, jovem inspira outras meninas da periferia a serem o que quiserem: “multiplicar o impacto”

“Garotas da favela podem ser o que quiser”, a Bia Franco é mais uma prova que isso não é apenas uma frase. Mas o...

Retratos de sobreviventes do câncer celebram o espírito humano

Anos atrás, o Cox Health System procurou o fotógrafo norte-americano Randy Bacon com uma proposta intrigante. O pedido era para ele para desenvolver uma série de imagens...

Garoto de 12 anos inventa “super barco” capaz de sugar plástico dos oceanos

Com apenas 12 anos de idade, Haaziq Kazi já tem consciência que com nossas atitudes, podemos ajudar a preservar o planeta. Aluno do sétimo...

Projeto cria biblioteca para surdos em pequena comunidade africana

Provavelmente você nunca escutou falar de Muyinga, uma pequena comunidade no centro da África, mais exatamente em Burundi, onde nasce o grande Rio Nilo. E é de lá que...

Instagram