Ele superou pobreza e desconfiança e concluiu a faculdade vendendo doces

Em seu primeiro ano na faculdade de Serviço Social, Wesley Paulo Peixoto, de 24 anos, contava com o apoio da avó paterna para pagar a passagem de ônibus para estudar. Após a morte da dona Maria de Lourdes, ele começou a vender doces para bancar o deslocamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Morador de Belford Roxo (RJ), Wesley estudava em Duque de Caxias, outro município da Baixada Fluminense. Graças à boa nota que tirou na prova do Enem, conseguiu uma bolsa de 100% em uma faculdade particular, através do Programa Universidade para Todos (Prouni), ingressando no curso em 2015.

Então, você pensa: três anos ralando debaixo de sol e de chuva para realizar o sonho do ensino superior? Tem que ser forte para não desistir! Porém, mais desafiador do que o cansaço, era a desconfiança de pessoas que não acreditavam que Wesley vendia doces para pagar as passagens dos quatro ônibus que pegava: dois para ir e dois para voltar.

jovem vendendo doces montado bicicleta sorrindo
Foto: arquivo pessoal

“Cadê o boleto da faculdade?”

“(Na rua) Tinha gente que duvidava; já ouvi coisas como: ‘Cadê o boleto da faculdade?’ ou ‘Está vendendo para a faculdade mesmo? Olha lá, hein?’. Mas isso não fez eu abaixar a cabeça, pelo contrário, entendia cada vez mais que estava no caminho certo”, narra Wesley.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De bicicleta, Wesley saía de casa para vender os doces na rua às 14h. Retornava às 16h30, se arrumava e ia para a faculdade, aproveitando o intervalo das aulas para vender mais doces. Essa foi sua rotina durante três anos, todos os dias da semana.

“Lembro de já ter os clientes certos, aqueles que sempre compravam e me davam palavras de incentivo. Muitos colegas de turma e alunos de outros cursos diziam que eu era inspiração de vida para eles. Isso me deixava muito feliz, pois sabia que não estava fazendo aquilo em vão”, conta.

jovem vendendo doces para pagar a faculdade
Foto: arquivo pessoal

Em 2019, depois que terminou a faculdade, Wesley conseguiu um emprego como Jovem Aprendiz em uma empresa de ferragens e materiais de construção.

No ano seguinte, passou a trabalhar em sua área de formação como assessor executivo na Secretaria Municipal de Assistência Social, Cidadania e da Mulher de Belford Roxo, cargo que exerce até hoje.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Além disso, Wesley faz um mestrado em Relações Étnico-raciais no Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET/RJ), campus Maracanã. O tema da sua dissertação é “Racismo na escola e as suas consequências para o estudante negro”.

“Não aconteceu comigo para eu guardar, mas para compartilhar”

Bem longe de levantar a bandeira da meritocracia, Wesley deseja que sua história inspire outros jovens negros e carentes a lutarem por seus sonhos. Se disser que foi fácil, Wesley reconhece que estaria mentindo, mas é possível!

“Sempre digo que, quando nós queremos, podemos chegar lá, mas sabendo que nem todos têm oportunidade e força de vontade. Falo que a história não é só minha. Não aconteceu comigo para eu guardar, mas para compartilhar e deixar registrado a outros jovens que há uma luz no fim do túnel”, aconselha.

jovem vestindo beca formatura faculdade segurando diploma
Wesley é o primeiro de sua família a fazer uma faculdade e um mestrado. Foto: arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O desejo de Wesley não fica só no discurso, não! Além do trabalho na Prefeitura de Belford Roxo e do mestrado, ele arruma tempo para dar aulas de Sociologia e Redação em um cursinho pré-vestibular para jovens negros e carentes, no bairro Vila Operária, em Nova Iguaçu.

O próprio Wesley já foi aluno do cursinho e voltar como professor o traz a sensação de dever cumprido, nas palavras dele.

“É como voltar no tempo e relembrar que um dia estive ali, sentado onde eles estão me ouvindo, desenvolvendo consciência de classe e contando minha história para que se sintam estimulados”, afirma.

De onde estiver, a dona Maria de Lourdes, deve estar bastante orgulhosa do neto. O que para ela não seria bem uma surpresa, mas a confirmação de algo em que acreditou durante toda a sua vida 💜

jovem vestido beca formatura colação de grau ao lado avó
Wesley com a avó na colação de grau, em 2018. Foto: arquivo pessoal

“Ela acreditava que um dia eu iria me tornar uma grande pessoa e que minha história iria impactar a vida de muita gente”, conclui Wesley.


Curtiu a história do Wesley? Conheça também o Murilo, que deu um rumo para sua vida após reprovar na escola e decepcionar a mãe!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,758,975SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Clínica permite a animais internados ter acompanhante no RJ

Em uma suíte, o bichinho fica junto a seu dono durante toda a internação. Veterinária responsável teve esta ideia ao pensar em sua cadela, já com 17 anos e cardiopata.

Casamento: 10 tradições inusitadas ao redor do mundo

Quebrar peças de porcelana, usar trajes vermelhos e até entornar doses de saquê são alguns dos costumes que fazem parte das tradições de casais...

Policiais distribuem ‘gelinho’ e estreitam laços com a comunidade

“Eles percebem que existe algo por trás do distintivo."

Final da Libertadores terá ingresso solidário e renda será doada para instituições de combate à Covid-19

Palmeiras e Santos disputarão a final da Libertadores sem público, mas a Conmebol, organizadora do torneio, irá vender ingressos solidários. A renda será doada...

Medalhista em Tóquio, pugilista Abner Teixeira sonha em comprar uma casa para a mãe

Mais um brasileiro faz história nas Olimpíadas de Tóquio Na manhã desta sexta-feira, 30, foi a vez do pugilista Abner Teixeira garantir uma medalha após...

Instagram