Jovem do RN se forma em Medicina graças à mãe: ‘Fazia faxinas para me ajudar na faculdade’

Com a ajuda e apoio incondicional da mãe, que fazia faxinas para garantir a continuidade dos seus estudos na faculdade, a estudante Raiane Oliveira formou-se em Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De família humilde, mas trabalhadora, a jovem de Jucurutu (RN) precisou vencer uma série de obstáculos e dificuldades rumo ao diploma do ensino superior – um sonho que carregava desde a pré-adolescência.

Enfrentar adversidades faz parte da realidade de Raiane: ao nascer, ela foi diagnosticada com uma condição genética chamada Osteogênese Imperfeita, doença rara caracterizada pela fragilidade dos ossos – que podem se quebrar facilmente.

jovem se forma em medicina ajuda mãe rn

“Desde novinha já passava por situações atípicas. A Osteogênese Imperfeita causa grande fragilidade óssea e fraturas de repetição (até mesmo espontâneas). É uma condição que possui diversos graus e, apesar do meu ter sido um dos mais leves, passei boa parte dessa infância engessada por causa das fraturas. Nessa época eu fazia acompanhamento no Hospital Sarah Kubitschek e acredito que de tanto ficar por lá, cresceu em mim a admiração pela área da saúde e, em especial, a medicina”, contou Raiane ao Blog Jair Sampaio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Nesse meio-tempo, a mãe da jovem já se desdobrava pra dar conta desse acompanhamento, além de educar e alimentar os 3 filhos. “Minha mãe trabalhou vendendo lanches em praças e feiras, em casas de família… Tudo isso pra nunca nos faltar o necessário“.

Em 2003, a família, que morava em Luiziânia (SP), se mudou para Jucurutu, município de 18 mil habitantes no coração do Rio Grande do Norte.

“Lá, a batalha dela continuou… Trabalhou como cuidadora de idoso, em pousada, como lavadeira, faxineira… muitas vezes ganhando muito pouco (muito mesmo), mas sem reclamar e nos orientando a estudar, para termos um futuro melhor”, disse Raiane.

Para ela, a dor de um osso quebrado “sempre foi pequena” quando comparada a batalha que sua mãe percorreu ao longo dessa trajetória. “Por isso, sempre digo a todos que tudo que sou é por ela e para ela”, contou a formanda.

No último ano do ensino médio, em 2010, Raiane e sua família se mudaram para Natal (RN). A partir dali, começava sua saga para entrar em Medicina.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Como sabia que não seria fácil, busquei bolsa de estudos em muitos cursinhos e, em alguns, consegui bolsas ou bons descontos. Com a dedicação exclusiva, apoio dos professores, da minha mãe e irmãos, após 3 anos, veio a aprovação em medicina na UFRN. Minha mãe que já fazia faxinas para termos uma renda extra, ainda teve que continuar durante alguns anos“, contou a jovem.

Foram 6 anos de muito estudo e dedicação até a conclusão do curso – e entrega do diploma, que ocorreu em dezembro do ano passado.

Devido à pandemia, não houve colação, baile ou festa de formatura. Mas, no final das contas, isso nem importa: a verdadeira festa de Raiane aconteceu dentro de casa, ao lado de sua mãe. Pensa numa mulher que deve ter ficado orgulhosa! 😍

Parabéns, doutora Raiane!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Junto à Stone, viajamos o Brasil para mostrar negócios que muita gente acha que não daria certo na nossa terrinha – e dão! Veja o 1º EP da websérie E se fosse no Brasil?

Fonte: Blog Jair Sampaio
Fotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM










Jovem do RN se forma em Medicina graças à mãe: 'Fazia faxinas para me ajudar na faculdade' 1

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,145,534SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

“Eu não sou menos amado por Deus porque nasci homossexual e hoje me orgulho de ser quem sou”

O arquiteto Bruno Bordon fundou a ONG Construide, que levanta e constrói casas para pessoas em extrema vulnerabilidade social. Ele já foi e é nosso...

Natal promoverá 1ª doação de sangue coletiva LGBTQ+ do Brasil

No próximo sábado (31), a capital potiguar irá comemorar o Dia D de Doação de Sangue LGBTQ+, promovido pelo Coletivo LGBT+ Leilane Assunção.

De cortador de cana a médico: conheça Wellington e sua história de superação

Wellington Gomes sabe de verdade o que é batalhar duro para conquistar um sonho. Nascido no Engenho Santa Cruz II, zona rural de Ribeirão,...

Nesse grupo de teatro de comédia você só paga o quanto ri

O clube de comédia Teatreneu em Barcelona inventou uma forma inovadora de cobrar seus clientes. Eles chamaram de “Pay-Per-Laugh”, ou “Pague Por Risada”. O...

Menina adotiva que nasceu sem as mãos ganha prêmio de melhor caligrafia

Annie Clark tem 7 anos, nasceu sem as mãos, mas isso não a impediu de conquistar um prêmio louvável: o de melhor caligrafia, oferecido...

Instagram

Jovem do RN se forma em Medicina graças à mãe: 'Fazia faxinas para me ajudar na faculdade' 2