“Eu não sou prodígio, sou apenas esforçado”, diz jovem doutorando em Direito com paralisia cerebral

Aos 28 anos, o advogado Lucas Emanuel Ricci Dantas é um dos acadêmicos que integra o programa de pós-graduação em Ciência jurídica da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), no período 2018-2022.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Da periferia de SP para os EUA: A trajetória do estudante de medicina que virou pesquisador em Harvard

Mestre em Direito pelo Centro Universitário Eurípedes Soares da Rocha de Marília (Univem), o jurista tem paralisia cerebral, causada por falta de oxigenação no cérebro durante a gestação.

Dantas possui dificuldades na locomoção, na fala e não possui coordenação motora para escrever. Apesar disso, foi capaz de construir uma trajetória proeminente na área do Direito, sobretudo no Direito Constitucional e Processual Civil.

Atualmente um pesquisador da área de Direitos Humanos, com ênfase em inclusão, políticas públicas e educação para pessoas com deficiência, Lucas fará doutorado em Responsabilidade do Estado, sob orientação do professor—doutor Renato Bernardi.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também“Comecei lavando louça, agora sou auxiliar de cozinha no restaurante”: projeto abre portas para mercado de trabalho

O advogado atualmente trabalha como responsável técnico do escritório de advocacia Dantas e Santana, onde atua em parceria com a irmã, Andrea Ricci Dantas Yanaguizawa, e a noiva, Jenifer Santana. Trata-se do único escritório do país com um núcleo especializado no atendimento à pessoa com deficiência, sediado em Marília (SP).

Jovem com paralisia cerebral é mais novo doutorando em Direito pela UENP
Foto: Reprodução / Tribuna do Vale

A cada quinze dias, Lucas vai a Jacarezinho para as aulas do Doutorado. O pai o leva até a cidade, e segundo o filho, ele é um dos seus maiores aliados no combate diário às dificuldades impostas pela paralisia cerebral. Muitas vezes, é ele quem digita ou redige os documentos de Lucas, que dita oralmente as informações a serem escritas.

O jurista agradece o acolhimento que teve na UENP e destaca as qualidades do Programa. “Eu fiquei surpreso positivamente com a receptividade de toda a comunidade acadêmica da Universidade. Professores, colegas e servidores. É realmente um ambiente de afeição, que sempre toma como pressuposto os princípios acadêmicos valorizados nas instituições públicas”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Apesar das limitações físicas relacionadas à paralisa, Lucas é contra rótulos que possam de alguma forma diferenciá-lo por sua condição. “Eu não sou um prodígio. Sou apenas uma pessoa esforçada. Na verdade, tenho capacidade para ser ainda mais, e às vezes me sinto até meio preguiçoso”, brinca.

“O ingresso de Lucas no Doutorado nos tem feito pensar em políticas de acesso e permanência à pessoa co deficiência no ensino superior, especialmente no nosso Programa de pós—graduação”, destaca o coordenador do Programa, professor—doutor Fernando Brito.

A Universidade Estadual do Norte do Paraná tem atualmente 30 acadêmicos com algum tipo de deficiência física, visual ou auditiva.

O processo seletivo vestibular oferece condições especiais para pessoas com deficiência, tendo acréscimo de uma
hora no tempo de prova e demais alterações nas condições de realização do exame, conforme a necessidade de
cada candidato, avaliada por uma banca específica.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também:

Bares e restaurantes brasileiros começam a abrir espaço para a gastronomia sustentável

Iniciativa transforma alimentos que iriam para o lixo em pratos de alta gastronomia

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Deficiente Eficiente

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,850,818SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Coletores de lixo criam biblioteca comunitária com milhares de livros encontrados nas ruas

Um grupo de coletores de lixo de Ancara, na Turquia, se uniu para abrir uma biblioteca pública com os livros que eles coletaram ao...

Marido pinta mar na varanda de casa para a esposa matar saudade da praia

Nós ainda não estamos sabendo lidar com essa história tão linda de amor!!! Um marido pintou a varanda da própria casa de azul e...

Filho tira o pai do vício no crack depois de conhecê-lo aos 19 anos

O soldado do Exército Leonardo Pereira Roque disse que usaria a droga caso o pai não abandonasse o vício.

Gêmeas criam projeto de leitura para combater violência em favela

As gêmeas Helena e Eduarda Ferreira, de 11 anos, nasceram no Morro da Providência, a primeira favela do Brasil, fundada em 1897, no Rio...

43 marcas de cosméticos do Brasil que não testam em animais

Os animais nem sempre recebem o amor e carinho que merecem. Muitas vezes são tratados inadequadamente por algumas marcas, entre elas as de cosméticos,...

Instagram