Jovem paraplégico e morador de abrigo passa no vestibular da UFRGS

Adrian Torres, de 21 anos, enfrentou vários obstáculos até ver seu nome na lista de aprovados do curso de Ciência da Computação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 2013, ele foi atingido por uma bala perdida no pescoço, que acabou tirando seus movimentos do peito para baixo. Adrian estava no primeiro ano do ensino médio quando aconteceu o incidente. O rapaz passou três meses no hospital e teve que interromper os estudos.

Foi nessa época também que ele se mudou para o abrigo Cônego Paulo de Nadal, em Porto Alegre, onde receberia uma assistência adequada às suas necessidades. O local atende pessoas com diferentes tipos de deficiências motoras e cognitivas.

No ano seguinte, ele retomou os estudos e foi até o fim.  “Foi bem difícil. Eu pensei que não ia mais mexer os braços. Nem sabia se ia poder voltar a estudar”, recorda Adrian, que precisa utilizar um adaptador para conseguir escrever.

Depois que concluiu o ensino médio, Adrian foi aprovado em duas faculdades com a nota tirada na prova do ENEM. Porém, seu grande objetivo era a vaga na UFRGS, que ele conquistou no vestibular deste ano. A concorrência era alta: 10,08 candidatos por vaga. Por isso, além de estudar por conta própria, Adrian cursou o pré-vestibular popular Dandara dos Palmares.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 41 anos de existência, essa é a primeira vez que um morador do abrigo Conego Paulo de Nadal vai para a universidade. O orgulho da instituição é tão grande, que os funcionários penduraram uma faixa parabenizando Adrian e exaltando sua conquista (foto abaixo).

As aulas na universidade começam só em março. Enquanto isso, Adrian concilia o tempo livre entre a correria para organizar a documentação necessária para fazer a matrícula, idas ao cinema e sessões de filme em casa. Ele ainda não sabe o que esperar das aulas, mas já decidiu a área onde quer trabalhar quando concluir o curso: TI (Tecnologia da Informação).

“Já fiz alguns cursos de informática, mas só o basicão. Vi que ia gostar da faculdade e que é um curso que tem futuro”, disse o futuro cientista da computação.

Com informações do site GAÚCHAZH

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

foto: Agência RBS

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,644,123SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Mãe de 35 anos vence Miss Alemanha 2020 com júri 100% feminino

O tradicional concurso de Miss Alemanha, realizado ininterruptamente há cerca de setenta anos, decidiu se reinventar e fazer uma premiação diferente, exaltando outras características...

Escravo que restaurou igrejas de SP é reconhecido arquiteto após 200 anos 

Há cerca de 200 anos, um escravo conquistou grande relevância em São Paulo por dominar a arte da cantaria, a técnica de talhar pedras...

Engenheiro que teve prótese negada pelo seguro de saúde cria a própria mão mecânica

Ian Davis é daquelas pessoas que não espera. Vai lá e faz! Ele sofreu um acidente e perdeu quatro dedos da mão dominante. Como...

Fundo de investimento para ser feliz

O tema felicidade já se tornou um caso de saúde pública. A Organização Mundial de Saúde em seu relatório semestral de 2011/1 publicou o...

[VÍDEO] Garotinho com síndrome de Down encanta a web ao dar mamadeira ao irmão mais novo

O amor entre dois irmãos está encantando a internet nas últimas semanas. Depois de um vídeo que mostrava um menininho com síndrome de Down...

Instagram