Jovem viraliza nas redes com post sobre amor entre filho com Síndrome de Down e o padrasto

Quando Kézia Adami postou uma mensagem de aniversário para o namorado Lucas Malheiro no Facebook e Instagram, mal sabia a repercussão que causaria. A jovem de Lins, cidade no interior de São Paulo, viralizou nas redes sociais ao compartilhar sua história de amor, que mais parece roteiro de filme e conta com três protagonistas: a jovem de apenas 21 anos, o namorado Lucas, de 24 anos, e João Miguel, filho de 2 anos e 5 meses de Kézia, que possui Síndrome de Down. O post já recebeu 30 mil curtidas e mais de 400 comentários.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Apesar da repercussão positiva após o post, Kézia recebeu comentários ofensivos e julgamentos equivocados, por isso é importante conhecer a história da jovem mãe que, assim como muitas brasileiras, teve que lidar com uma gravidez na adolescência e enfrentou o abandono parental.

Leia também: Jovem com Down de BH está terminando a faculdade e cuida da avó de 91 anos

Kézia conheceu o Lucas pela internet por meio de amigos em comum e começaram a namorar em outubro de 2012, ela tinha 15 anos e Lucas possuía 17. “Quando nos encontramos pela primeira vez na praça aqui da cidade, morremos de vergonha um do outro. Mas eu lembro que era muito verdadeiro e tinha um sentimento ali”, conta a jovem de 21 anos.

mãe pai filho síndrome down
Kézia, Lucas e o pequeno João Miguel 💙. Foto: Arquivo da família

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Durante o relacionamento, Lucas compartilhou o desejo de ser pai adotivo de uma criança com Síndrome de Down, pois perdeu um tio com trissomia do cromossomo 21. “Meu tio era muito importante pra mim e para a família toda, era o xodó. Depois que ele faleceu senti um vazio dentro de mim, e eu sempre falava para os meus familiares que se eu tivesse condições, adotaria uma criança com Síndrome de Down”, afirma Lucas Malheiro, de 24 anos. O que o jovem não esperava é que esse desejo se realizaria de uma forma inesperada.   

A vontade de vivenciar outras experiências fez com que eles terminassem o relacionamento após um ano, em 2013. Kézia conheceu o pai biológico de João Miguel apenas em 2015. “Era um relacionamento conturbado, ele terminou comigo duas semanas antes de eu confirmar que estava grávida”.

mãe pai filho síndrome down
“O João Miguel é como se fosse meu filho mesmo, é meu amor infinito.” Foto: Arquivo da família

Os caminhos de Kézia e Lucas se cruzaram novamente após o término do relacionamento da jovem com o pai biológico de João, em 2016. “Quando eu e o Lucas nos reaproximamos eu falei que queria me afastar, não o queria por perto, pois eu estava grávida e isso causaria transtorno para vida dele”, conta Kézia, que teve que lidar com todos os desafios de ser gestante solteira e da criação em uma família religiosa.

Apesar da insegurança de Kézia, a persistência e preocupação de Lucas fizeram com que eles voltassem a ser amigos. “Eu não tinha ninguém, e quando uma pessoa te dá carinho, afeto, amor, em um momento tão difícil como esse, eu topei ser amiga dele. Ele foi muito meu amigo”, explica a jovem. Com 8 meses de gestação, Lucas a pediu em namoro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

O destino trabalha de formas lindas! 😍 (arraste) Publicado pela Kézia Adami, que tem um perfil que mostra o dia a dia dela com o filho Down aqui @mamisdeumcueca <3 ⠀

Uma publicação compartilhada por Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar) em

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No dia em que Kézia foi à maternidade para conceber João Miguel, Lucas estava lá e se apresentou como pai da criança. “Quando João Miguel nasceu, eu vi que ele tinha algo diferente, logo sugeri para a minha irmã que ele tinha Síndrome de Down, mas não tínhamos uma confirmação até o sexto mês”, compartilha Kézia.

mãe pai filho síndrome down
Foto: Arquivo da família

“O João Miguel é como se fosse meu filho mesmo, é meu amor infinito, pois era um sonho que Deus realizou”, afirma Lucas Malheiro.

Kézia afirma que a relação do João com Lucas é totalmente de pai para filho. “O João Miguel chama ele de papai, pai Luli, e ele é totalmente pai do João: troca, dá banho, dá comida, leva pra passear, vai nas reuniões da escola”, conta Kézia.

mãe pai filho síndrome down
Foto: Arquivo da família

Com a repercussão da história, Kézia ressalta que o principal objetivo dela é a inclusão de João na sociedade. “Vejo ele se dedicando muito a tudo que propomos para ele. Tudo depende do estímulo, de onde a pessoa vive, dos familiares. Ele é uma criança extremamente doce, extremamente pura”.

Leia também: Da periferia de SP para os EUA: A trajetória do estudante de medicina que virou pesquisador em Harvard

Kézia e Lucas possuem planos de casar ano que vem, mas a verdade é que eles já formam uma família. “Se não desse certo com o Lucas, jamais o tiraria da vida de João, o relacionamento independe disso, considero Lucas o pai do João”, afirma a jovem.

mãe pai filho síndrome down
“O João Miguel chama ele de papai, pai Luli, e ele é totalmente pai do João.” Foto: Arquivo da família

Ainda no processo de gestação, Kézia viu no Instagram uma forma de compartilhar seus anseios e conhecer a história de outras mães solteiras, por isso criou a página @mamisdeumcueca. Atualmente, o espaço também serve para conscientizar sobre a Síndrome de Down.

Veja mais fotos:

Foto: Arquivo da família

mãe pai filho síndrome down
Foto: Arquivo da família

mãe pai filho síndrome down
Foto: Arquivo da família

mãe pai filho síndrome down
Foto: Arquivo da família

mãe pai filho síndrome down
Foto: Arquivo da família

mãe pai filho síndrome down
Foto: Arquivo da família

mãe pai filho síndrome down
Foto: Arquivo da família

Por Laiza Lopes

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

mãe pai filho síndrome down

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,777,821SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Senhora de 65 anos frequenta escola primária no Paraná para aprender a ler e escrever

Seus colegas de classe tem de 6 a 8 anos, e "ai" de Dona Nena se faltar às aulas: "As crianças vão lá em casa me buscar!”.

Após 31 anos, pai biológico conhece filha e faz festa

Uma emoção difícil de descrever com palavras. Assista ao vídeo!

Vizinhos escolhem músicas em enquete e jovem toca todas as noites da janela

A ação já virou moda no mundo todo, mas no bairro Botafogo (RJ) a brincadeira ganhou um “tom maior”. Todas as noites no mesmo...

Cão abandonado ajuda clarinetista em música e é adotado na Ucrânia

Todos os dias o músico Sergei Ivanovich toca clarinete nas ruas da Ucrânia. Porém um dia, enquanto se ajeitava para iniciar, um cachorro abandonado se...

Fernando de Noronha proíbe uso e venda de plásticos descartáveis

O arquipélago pernambucano de Fernando de Noronha proibiu o uso e a venda de plásticos descartáveis. A norma é aplicável a todos os estabelecimentos e...

Instagram