Jovem gay rejeitado pelos pais arrecada 50 mil dólares para entrar na universidade

Seth Owen, de 18 anos, mora na Flórida, nos Estados Unidos e sempre teve como objetivo de vida estudar em uma boa universidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu era um nerd na quinta série e andava por aí falando sobre como eu queria ser um astronauta”, disse.

“Eu estava sempre com um livro, sempre na biblioteca, sempre lendo alguma coisa”, completou.

Com boas notas e uma carta de aceitação da Universidade de Georgetown, parecia que o sonho dele logo se tornaria realidade.

Mas ele teve um problema: não tinha como pagar. E sua família não o ajudaria mais pois havia sido expulso de casa devido à sua sexualidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Jovem homossexual rejeitado pelos pais arrecada 50 mil dólares para entrar na universidade

Os problemas com sua família começaram durante seu segundo ano do ensino médio, quando seus pais, que são batistas, descobriram que ele era gay.

Seu pai encontrou uma foto dele com outro cara em seu telefone, na época. Nada inapropriado, mas indicava claramente que ele era gay.

Seu pai informou sua mãe sobre a descoberta, e os dois o questionaram sobre sua sexualidade até as 4:30 da manhã.

“Logo depois, eles me mandaram para um conselheiro cristão”, disse ele. “Ficou claro que a intenção deles era que eu fosse para a terapia diretamente”, contou Seth.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele disse que participou do programa de terapia por “alguns meses” antes de eventualmente convencer seus pais a deixá-lo parar.

Leia também: Universidade Federal do Amazonas forma primeiro mestre surdo

A terapia de conversão visa alterar a orientação sexual ou a identidade de gênero de uma pessoa.

Apesar da oposição generalizada de associações de saúde, como a American Medical Association e a American Academy of Pediatrics, aproximadamente 700.000 LGBTQ americanos entre 18 e 59 anos foram submetidos a essa prática em algum momento de suas vidas, segundo um relatório de 2018 .

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 11 de fevereiro, Seth deixou a casa de seus pais para seu próprio bem-estar. Ele ainda tentou convencer seus pais a deixá-lo frequentar uma igreja diferente, mas eles se recusaram. Eles então deram-lhe um ultimato: frequentar a igreja ou sair de casa.

“A pior parte foi que eu estava saindo pela porta, e estava esperando que minha mãe ficasse na minha frente, que ela me impedisse de sair. Eu estava esperando que ela dissesse “Eu amo meu filho mais do que amo minha religião”, contou.

Apenas algumas semanas depois de deixar a casa de seus pais – quando ele estava dormindo nos sofás dos amigos e achava que as coisas não poderiam piorar -, Seth descobriu sobre as mensalidades da Georgetown.

“Comecei a chorar porque percebi que não havia como ir para a faculdade”, ele disse.

Ele precisava de US $ 20.000 necessários para a mensalidade do primeiro ano. Seth achou que sua situação era desesperadora, mas sua ex-professora de biologia entrou em cena.

“Seth foi uma criança que realmente se destacou para mim”, disse a professora Jane Martin.

“Ele era super ambicioso e estava sempre tentando ir além para garantir que ele fosse o mais bem-sucedido possível”, contou.

Jane se reuniu com outros professores e alunos para descobrir uma maneira de ajudá-lo.

A professora montou uma página do GoFundMe para arrecadar dinheiro para a mensalidade de Seth, na esperança de “tornar o impossível possível”, e ela conseguiu.

Seis semanas e mais de 750 doações depois, a página de arrecadação de fundos ultrapassou US $ 50.000.

“Depois que atingimos US $ 2.000, Seth ficou tipo: ‘Estou tão surpreso que as pessoas realmente se importam comigo’”, lembrou Martin, um ex -professor de Seth.

“Ele teve tanto apoio e muitas pessoas chegam e dizem ‘Você não está sozinho’ e ‘fica melhor’, todas as coisas que todos nós precisamos ouvir quando somos adolescentes esquisitos e estamos sofrendo”, contou Martin.

Se a Georgetown acabar reajustando o pacote de ajuda financeira de Seth, eles planejam usar as doações para criar um fundo de bolsas para outros adolescentes que enfrentam uma situação semelhante.

Um porta-voz da Georgetown disse que a universidade “admite e matricula os alunos sem levar em conta suas circunstâncias financeiras e está comprometida em atender a necessidade financeira demonstrada de alunos elegíveis”.

Seth disse que espera que sua história inspire os outros a falar mais abertamente e honestamente sobre as dificuldades que estão enfrentando.

“É difícil ser quem você é genuinamente quando tem toda essa pressão em torno de você”, disse.

“Mas se você se sentir confortável com quem você é, você está muito mais preparado para enfrentar esses tempos difíceis ”, completou.

Seth planeja se mudar para Washington, D.C., no próximo mês, para se juntar à turma da Universidade de Georgetown em 2022.

Jovem homossexual rejeitado pelos pais arrecada 50 mil dólares para entrar na universidade

Via

Fotos: Seth Owen

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,857,801SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Projeto #amornacaixa estimula uso do Instagram em campanha para arrecadar agasalhos

Estamos no inverno, e tradicionalmente temos várias campanhas de arrecadação de agasalho para os que precisam. Mas, para potencializar o uso das redes sociais,...

Moradora de rua que nunca fez as unhas pede ajuda em salão, emociona equipe e é surpreendida

Jéssica tinha um sonho na vida, muitas vezes tão simples e comum para a maioria das mulheres, mas que ela nunca tinha vivenciado. Ela...

Pai dança com a filha que tem paralisia cerebral em festa junina e emociona

Durante uma apresentação de dança de festa junina numa escola em Ceará-Mirim (RN), uma dupla chamou atenção de todos que assistiam. Um pai estava...

Estilista quebra paradigmas e ensina crochê em penitenciária

Gustavo Silvestre é estilista e há 2 anos c0meçou a fazer trabalho voluntário, na penitenciária Desembargador Adriano Marrey, em Guarulhos (SP). Lá, ele ensina...

Babá eletrônica flagra gatinho que fingia não gostar da bebê fazendo carinho e dormindo com ela

Sabe aquela história de que quando estamos sozinhos (ou assim pensamos...) temos atitudes diferentes das que temos quando sabemos que estamos sendo observados? Esta...

Instagram