Jovem com Síndrome de Down se forma em Educação Física no RS

A gaúcha Aline Colares é a primeira estudante com síndrome de Down a concluir o curso de Educação Física na PUCRS. A formatura aconteceu no sábado passado (4), um marco para ela e sua filha e também para a universidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A iniciativa de cursar uma faculdade foi da própria Aline, logo depois de terminar o ensino médio.

Se dependesse da vontade dos pais, a dona Iara e o seu Antonio, ela teria esperado um pouquinho. Para eles, Aline poderia se dedicar, por algum tempo, à preparação para o vestibular.

Mas, a filha estava preparada para a prova e tinha pressa.

“Levamos a Aline para fazer a prova sem grandes expectativas. Sabíamos que é normal não passar. Mas ela entrou de primeira”, disse Iara em entrevista para o Diário Gaúcho.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A jovem escolheu o curso de educação Física por causa de uma paixão antiga: a natação. Ela entrou em uma piscina pela primeira vez quando tinha poucos meses de vida.

Leia também: Professor promove inclusão de aluno cadeirante

Desde então, Aline nunca mais parou de nadar, pois ama água, onde diz se sentir muito bem. Depois, ela conheceu e aprendeu a gostar de outros esportes.

“Já fiz várias travessias em mar aberto. Gosto de qualquer esporte. Futebol, exercícios na academia… Sem dúvidas, escolhi Educação Física por causa disto”, declarou a educadora física.

Ela entrou na faculdade em 2009, e um dos primeiros desafios foi interagir com os colegas e professores. Nada que tivesse a ver com sua condição, mas por ela ser uma pessoa tímida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O maior desafio, como é de praxe, foi o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), temido por todos os estudantes. “Fiz sobre atividade física na terceira idade, a partir do aspecto motivacional. Foi difícil, mas consegui finalizar. Foi gratificante trabalhar com este público.”

Aline não esperou concluir a faculdade para começar a trabalhar. Há dois anos, ela trabalha como auxiliar de Educação Física no mesmo colégio onde estudou do ensino fundamental ao médio.

“Trabalho com crianças pequenas, de quatro a seis anos. Eu adoro!”

Quando pensa no futuro, Aline tem na ponta da língua o que vai fazer: tirar a carteira de motorista e aprender inglês, pois na área dela é comum lidar com pessoas de outros países. Mas, olha só, isso tudo Aline deixou para fazer no próximo ano, por enquanto ela aproveitará o descanso que merece.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

crédito da foto: Isadora Neumann/Agência RBS

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,495,414SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Conheça a primeira ciclovia do mundo que converte a energia solar em eletricidade

Cada vez mais alternativas de transporte e energia se mostram necessárias para evitar que o mundo entre em colapso. Sempre na vanguarda, a Holanda lançou...

Noiva pede para seu tio de 92 anos ser o “algo azul” de seu casamento

Há uma antiga tradição que teve origem na Inglaterra, que diz que toda noiva deve se casar com algo novo, algo velho, algo emprestado e algo azul.

Mãe usa luva de borracha com arroz para aliviar cólicas de sua bebê

Há quem seja a favor e quem seja contra a tática.

Enfermeira adota criança especial abandonada pela família no hospital

A enfermeira não pensou duas vezes antes de adotar a criança.

Clínica de fisioterapia móvel em ônibus já atendeu mais de 70 mil pacientes de baixa renda

Aos 55 anos, Maria de Las Gracias transformou um ônibus, que por fora você não dá muita coisa, em uma clínica de fisioterapia móvel para...

Instagram