Exemplo de superação: jovem supera abusos na infância e morte da mãe e se forma em Odontologia

“Eu tinha tudo pra dar errado, mas dei certo por que alguém confiou em mim!”. Assim começa o relato de Valquíria Fortunato, cirurgiã-dentista de São Paulo (SP) e recém-formada em Odontologia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em um post compartilhado no LinkedIn, a jovem abordou, com crueza e sinceridade, sua infância e adolescência traumáticas, época em que era abusada e pedia comida aos vizinhos para não passar fome.

Com a ajuda de um colega de trabalho, a futura cirurgiã-dentista recebeu o apoio e acolhimento que tanto precisava para recomeçar.

jovem supera abusos infância morte da mãe se forma odontologia

Lutando contra os traumas do passado, Val conseguiu olhar pra frente: ingressou no curso de Odontologia, um sonho antigo, em uma universidade particular e se desdobrava como babá, faxineira, arrumadeira e vendedora de sucos para bancar as mensalidades.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Abusos na infância e adolescência

Quando tinha 3 anos de idade, o pai de Valquíria foi embora de casa pra nunca mais voltar, abandonando a mãe e os filhos.

Quatro anos depois, sua mãe casou-se de novo. Aquele que deveria ser sua figura paterna logo se revelou um monstro. “Meu padrasto me estuprou e espancava meus irmãos e eu diariamente”, conta.

Pouco depois de completar 11 anos, os abusos foram revelados e a Justiça interviu, levando Val para um orfanato. “Minha mãe conseguiu minha guarda novamente após 8 meses, quando eu voltei a morar com ela“, agora, livre do padrasto.

Luta pela sobrevivência

Aos 15, veio o baque: sua mãe faleceu vítima de um câncer no pâncreas. Val se viu sozinha e com 5 irmãos pra criar. A partir daquele momento, começava sua luta pela sobrevivência, como a própria cirurgiã-dentista afirma.

“Eu pedia comida para os vizinhos para poder cuidar dos meus irmãos e não deixar eles passarem fome”, relembrou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dois meses após o falecimento da progenitora e desesperada em busca de renda, Valquíria fez uma entrevista na empresa Jadlog Logística com o recrutador Marcos Garcia, visando uma vaga de jovem aprendiz.

“Foi no dia 17 de fevereiro de 2006. […] Eu estava ansiosa, com medo de ser rejeitada e muito triste por nada ter dado certo até ali”, contou ela, que na época, com apenas 15 anos, não sabia sequer ligar um computador.

No entanto, Marcos confiou nela – e acreditou no seu melhor. “Ele me fez ver uma luz no fim do túnel e que era possível sonhar“, disse Valquíria. Ela permaneceu 12 anos na empresa, saindo em 2019.

Depressão severa

Pela primeira vez em muito tempo, a jovem se sentiu acolhida, sendo bem tratada pelo departamento em que trabalhava e pelo próprio Marcos. No entanto, isso não impediu que ela fosse diagnosticada com depressão severa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Afinal de contas, aquilo tudo era demais para uma adolescente lidar: anos de abusos, traumas, responsabilidades de gente grande… “Isso desencadeou bulimia e anorexia. Tive que me ausentar por várias vezes do trabalho para fazer tratamentos com psicólogo, neurologista, psiquiatra, nutricionista e o Marquinhos sempre lá… me apoiando e estendendo a mão pra me socorrer do caos que o passado conturbado insistia em aparecer em minha memória”, desabafou Valquíria.

Aposta nos estudos

Foi nessa época que ela decidiu fazer uma “loucura aos olhos da maioria”, como ela mesma conta: em 2017, decidiu ingressar no curso de Odontologia.

“Eu ganhava menos de 2000 reais por mês! As contas não batiam, mas eu estava disposta a fazer o que estava ao meu alcance para realizar meu sonho”, disse.

Somente a mensalidade do curso custava 3500 reais, fora a lista de materiais por semestre – que saía entre 5 a 6 mil reais.

jovem supera abusos infância morte da mãe se forma odontologia

Luta pelo diploma

Conquistar o diploma era mais do que um sonho para Val – era uma prioridade. Por isso, ela começou a fazer bicos como babá, faxineira, arrumadeira e vendedora de sucos para conseguir bancar todos os custos da graduação.

À medida que tentava absorver tanta coisa acontecendo ao seu redor, veio, uma vez mais, a depressão. “Ela desencadeou crises de ansiedade e do pânico, mas eu nunca desisti de lutar por mim, no fundo eu sabia que eu daria certo”, contou Valquíria, ressaltando a importância de ter tido um “encontro com Deus” em meio à caminhada.

“Meu encontro com Deus foi o mais importante, pois, foi ele que me sustentou até aqui”, disse.

Para a recém-formanda em Odontologia, a Valquíria do passado “poderia ter sido mais uma vítima da pobreza, abandono, abuso e sofrimento”, mas ela decidiu acreditar, fazer o seu melhor e “aprender ao longo da jornada que deserto é lugar de passagem e não de acampamento”.

A fotografia que mostra a jovem vestida para a colação de grau ao lado de Marcos, o recrutador que acreditou nela lá atrás, quando ela era apenas uma menina assustada de 15 anos, faz Valquíria se lembrar do quanto valeu a pena não desistir dos seus sonhos e o quanto existem pessoas que aparecem para nos ajudar a lidar com nossa história e nos dar oportunidade e confiança – peças fundamentais para a superação de qualquer trauma.

“Jamais desista dos seus sonhos… você nasceu pra dar certo!”, concluiu Val em seu relato, que já acumula mais de 22 mil curtidas desde sua publicação, na última quinta-feira (11).

Sem dúvidas, uma história para encher os olhos de lágrimas! 😭

Fotos: Reprodução / LinkedIin: @dra-valquiria-fortunato-a0629615b

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM







Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,956,757SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ambev seleciona 50 ONGs para programa de mentoria em gestão

O programa VOA está com inscrições abertas até 21/02; inscreva-se.

Neto desenha infográfico para ensinar avó a fazer chamada de vídeo e viraliza

Eu amo histórias de avós e netos, e com essa não poderia ser diferente! O André desenhou um infográfico sem defeitos para ensinar a...

“Aquele senhor que pouco tinha estava disposto a me dar o que havia ganhado naquela noite”

Hoje venho compartilhar uma história simples, mas que me ensinou muito! Ontem ao sair da faculdade, dispensei o fretado pois eu era a única...

Técnicos do Senai consertam respiradores de graça para ajudar hospitais em MT

Técnicos do Senai em Mato Grosso começaram um mutirão para consertar, de graça, dezenas de respiradores parados que precisavam de manutenção para serem aproveitados...

No Tocantins, mulheres quilombolas se destacam com produção agrícola sustentável

Formada há cerca de 90 anos em Santa Tereza (TO), a comunidade quilombola Barra da Aroeira reúne 97 famílias que produzem, do solo da...

Instagram