Jovem de 19 anos conquista 700 mil seguidores no TikTok com vídeos sobre síndrome de Tourette

Desde criança, a estudante de Psicologia Joyce Luz, 19 anos, sofre tiques motores e verbais crônicos, virtualmente impossíveis de controlar – situação que piorou durante a pandemia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Começou por volta dos oito anos de idade e eram imperceptíveis. Eu piscava o olho, estalava o dedo e me dava socos aleatórios. Mas não a ponto de ir ao médico”, contou a jovem em entrevista à BBC Brasil.

Por anos, o transtorno passou quase despercebido, pois os pais de Joyce acreditavam que era algo normal. Com o agravamento dos sintomas, eles decidiram recorrer a especialistas e descobrir as causas do problema.

Foi aí que em maio deste ano, a estudante recebeu o diagnóstico de síndrome de Tourette, um distúrbio do sistema nervoso que envolve movimentos repetitivos ou sons indesejados.

Jovem de 19 anos conquista 700 mil seguidores no TikTok com vídeos sobre síndrome de Tourette

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Pouco depois, ela descobriu outro transtorno, o TFM, responsável por paralisias momentâneas em suas pernas e convulsões. “Eu já tinha os sintomas há muito tempo, mas descobri tudo junto”, disse.

Para ajudar Joyce a “digerir” o diagnóstico duplo, seu psicólogo sugeriu que ela fizesse vídeos no TikTok relatando seu processo de adaptação. Ela topou.

Trajetória até as redes sociais

A partir daí, conteúdos informativos sobre o transtorno e sobre o dia a dia da jovem passaram a ser compartilhados – e não demorou muito para viralizar e conquistar o público.

Ciente de que a síndrome ainda é muito estigmatizada, Joyce pensou que poderia ajudar outras pessoas a seguirem com uma vida normal, apesar das limitações cotidianas.

Hoje, ela possui mais de 760 mil seguidores, conquistados em menos de 7 meses. Seus vídeos mais virais chegam a quase 2 milhões de visualizações e milhares de compartilhamentos, em todas as plataformas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

@ticsluzResponder @givaleriano2006 acho que ajudei a esclarecer um pouco ☺️♬ som original – Joyce Marques

Em um deles, a estudante explica para que serve o cordão de girassol, peça para identificação de pessoas com deficiência. Em outro, responde vídeos dos seguidores que não demoram a repercutir nas redes sociais.

Quatro anos antes do diagnóstico do Tourette, a maranhense descobriu que tem TOC (transtorno obsessivo-compulsivo), depressão, ansiedade e TDAH (transtorno do déficit de atenção com hiperatividade).

Apesar de tudo, ela tenta seguir uma rotina normal e se dedicar aos estudos. É uma luta diária, haja visto que o TDAH atrapalha consideravelmente seu desempenho escolar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

@ticsluzMinha experiênciazinha♬ som original – Joyce Marques

Infelizmente, mesmo reportando o problema aos professores, Joyce não teve apoio psicológico do corpo docente e ainda sofria com bullying por parte dos colegas.

“Nenhum adulto acreditava em mim. Eu passei o ensino médio tendo dificuldade de aprendizado e ninguém acreditava na minha palavra. A escola se tornou um inferno para mim”, lamentou.

Os prognósticos se agravaram devido ao contexto social da estudante: a ansiedade se alimentava do bullying no colégio e a depressão, da perda de um amigo próximo que ela tinha no ensino fundamental.

“Não tinha coragem de pedir ajuda para ninguém. Nem para os meus pais”, relembrou. As coisas começaram a melhorar quando Joyce ingressou na psicoterapia, obtendo auxílio de profissionais de saúde mental.

Jovem de 19 anos conquista 700 mil seguidores no TikTok com vídeos sobre síndrome de Tourette

A notícia de que tem síndrome de Tourette foi um baque para a jovem, que acreditava “ser o fim”.

“No início não foi fácil e eu sempre me sentia um ser de outro planeta. Eu pensava: ‘Meu Deus. Vou ter que conviver com isso pelo resto da vida’. Mas depois de um tempo, comecei a encontrar pessoas iguais a mim”, relembrou. Muitos amigos se afastaram por não conseguirem compreender o transtorno.

Preconceito no dia a dia

A realidade de quem tem a síndrome de Tourette é rodeada de preconceito e estigmas. Para alguns pacientes, os tiques são leves, mas podem surgir ocasionalmente de forma agressiva por minutos e até horas.

Essas situações são desencadeadas por momentos de estresse e mudanças ambientais repentinas, como barulho, luz etc.

Joyce explica que tudo é tão abrupto que ela já chegou a torcer o pulso, deixou a bochecha em carne viva e até socou a garganta. Em casa, tudo é mais fácil de controlar: o desafio mesmo são os espaços públicos, onde situações constrangedoras podem ocorrer.

Como exemplo, ela contou que certa vez estava com uma amiga na praia. Os tiques ficaram fortes e ela foi até o banheiro de um estabelecimento e se trancou para não se expor. Ainda assim, gritava muito e a dona do local disse que iria chamar a polícia.

Os tiques também se traduzem em palavras de baixo calão. Ao sair do banheiro, foi agredida: “Eu disse palavras obscenas e veio o tique de mostrar o dedo. Aí a mulher me deu um tapa na cara”, relembrou.

Foi tudo muito difícil e estressante. Naquele momento, Joyce e sua amiga tentaram explicar, mas a dona do local se recusou a entender e ainda disse que seu marido estava armado. “Essa foi a situação mais louca que vivi”, disse, indignada.

@ticsluzResposta a @djravinee um pouco do meu antes e depois do diagnóstico! Sim, essa mocinha de cabelos longos sou eu!♬ Survivor – 2WEI & Edda Hayes

Ajuda para pessoas com Tourette

Com o auxílio das redes sociais e o alcance gerado por elas, a estudante de Psicologia tem impactado a vida de muitas pessoas diagnosticadas com a síndrome, mostrando que é possível levar uma vida cotidiana.

Além disso, ela leva conscientização à centenas de milhares que são leigas com relação ao transtorno.

Joyce pretende seguir essa “carreira” de influenciadora digital, dando mais voz à causa – ao mesmo tempo em que cursa Psicologia.

“Eu nunca pensei em cursar psicologia. Mas escolhi depois de ser diagnosticada, já que é muito escasso profissionais que tratam essa síndrome e outras doenças. Como não tive essa ajuda também, segui numa escola normal e foi horrível”, disse. Futuramente, ela também deseja cursar Medicina.

@ticsluzResponder @d4rk._kat sobre o cordão de girassóis 🥰❣️♬ som original – Joyce Marques

Explicando a síndrome de Tourette

O transtorno, que pode ter origem genética, acontece devido a uma desregulação do circuito mesolímbico, região do cérebro que é responsável pelos pensamentos, emoções e movimentos.

“Existe uma possibilidade que uma mutação no gene SLITRK1 seja uma causa de Tourette à parte, mas acontece em casos isolados”, explicou Marcelo Heyde, psiquiatra e professor da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

De acordo com o psiquiatra, geralmente se inicia na infância e é menos comum na adolescência e vida adulta.

Os meninos tendem a ser afetados pela síndrome do que as meninas. “A evolução clássica do transtorno ocorre a partir dos oito e dez anos de idade. Na adolescência vai piorando e dentro do primeiro ano surgem os tiques vocálicos”, destacou Marcela Ferreira Cordellini, neurologista do Hospital INC (Instituto de Neurologia de Curitiba) e especialista em distúrbios de movimento.

O caso de Joyce explicita bem a predisposição da Tourette vir “acompanhada” de outros transtornos, como o TDAH e o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Estima-se que 2% da população (150 milhões de pessoas) tenha TOC e 1%, cerca de 75 milhões, tenham Tourette.

“A pessoa consegue segurar por um tempo, mas a vontade vai acumulando e tem horas que é impossível controlar. É involuntário”, completou a pesquisadora, acrescentando que os tiques mais comuns são a coprolalia (falar palavras obscenas), ecolalia (repetir as mesmas palavras de outras pessoas) e a copropraxia (fazer gestos obscenos, como o ‘dedo do meio’.

Tratamento

A síndrome de Tourette não tem cura. Na verdade, o termo é impreciso: o mais correto é falar “remissão” (atenuação) do transtorno.

@ticsluzResposta a @jozzulu mdsss ela não fez tanto Tic deve ser fake 🥵🥵🥵♬ som original – Joyce Marques

Para reduzir os tiques, é necessário fazer um tratamento multidisciplinar, sempre com médicos especializados.

“O mais recomendado é tratar com um neurologista que trate distúrbios de movimento. Além dele, psiquiatras, já que muitos pacientes sofrem com outros transtornos”, diz a neurologista Marcela Ferreira Cordellini.

Por fim, ela destaca que quanto mais cedo o paciente receber o diagnóstico, maior será a chance de ter uma qualidade de vida e controle dos sintomas.

Fonte: BBC Brasil
Fotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,234,546SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Criança faz ‘festa’ com talco no banheiro e a reação da mãe é a melhor possível

Muito cute essa cena, mas mantenha o talco longe das crianças!

Hospital compra minicarros para crianças poderem brincar e aliviar estresse

A partir de uma ideia genial da enfermeira Kimberly Martinez, o Hospital Doctors Medival Center, em Modesto, município da Califórnia (EUA), as crianças internadas...

Projeto de estudante que proíbe a venda de canudos plásticos será votado

A estudante Natália Oliveira Pereira dos Santos é autora de um projeto de lei que proíbe a disponibilização e a venda de canudos plásticos no país.

Cavalo se deita no chão para receber atleta cadeirante: ‘Relação de confiança’ [VÍDEO]

Há quase vinte anos, Andreia Úrsula, 43, sofreu um acidente de carro e perdeu os movimentos das pernas. Na época, a paulistana que mora no bairro...

Papai Noel visita crianças com câncer e também fica careca para mostrar que é igual a elas

Mais do que presentear as crianças, o Papai Noel corta seu cabelo para mostrar que ele é igual a elas.

Instagram