Jovem trans sonha cursar Medicina enquanto luta contra preconceitos do dia a dia: ‘Vai ter médica trans, sim!’

Para as pessoas preconceituosas eu digo, nós sempre vamos resistir, sempre!“. Assim começa o relato de Emery Khoury de Jesus Santos, jovem trans que sonha cursar Medicina na Argentina.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 2019, ela fez parte da equipe do Centro Cultural de São Paulo – sendo a primeira funcionária transexual negra a trabalhar na repartição pública.

jovem trans sonha cursar medicina

Uma vida de trabalho e estudo

Emery pode ser jovem, mas é uma mulher cheia de experiências, desde a infância: aos 11, trabalhava entregando anúncios de venda de apartamento. “Eu conseguia mais ou menos uns 40 reais por final de semana”, ela conta.

Aos 13, fez um curso de panificação e entrou no seu ‘primeiro emprego de verdade’.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu era de auxiliar de panificação em uma padaria que doava pães para o orfanato. Então era isso. Dava uma fugida do orfanato para ganhar algum dinheiro e aí eu chegava ao orfanato e conseguia comprar o lanche da escola. Aí me perguntavam: “como você tem dinheiro?”. Teve um dia que a minha tia passou na avenida e me viu panfletando. Ela disse que ia denunciar a empresa para a qual eu estava trabalhando porque eu era muito nova para fazer isso”, relatou Emery.

Na padaria, ela ganhava mais de um salário mínimo e com ele podia ajudar o orfanato. “Eu comprava meus próprios produtos de higiene e não dependia dos meus padrinhos”, relembra.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Emery Khoury (@emery_khoury_oficial)

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Durante o ensino médio, fez um curso técnico de administração. Logo depois, entrou na faculdade de Direito. “Consegui a bolsa para essa graduação por meio de um programa chamado EDUCAFRO, que tem aqui na Sé. Morei na Casa 1, que é um projeto que acolhe LGBTs em situação de rua, e foi graças a essa participação que tive a oportunidade de trabalhar aqui. Como não tive quase nenhum auxílio familiar, eu tive que fazer tudo sozinha para conseguir ter um lugar só meu”, contou a jovem.

Entretanto, a estadia no curso não demorou muito. Nos anos seguintes, conseguiu viajar para a Noruega, onde fez curso de babá e trabalhou por dois anos. Retornou ao Brasil e ainda fez um curso técnico de enfermagem. Haja disposição, hein?! 😅

Nesse meio-tempo, descobriu o amor pela Medicina.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Quero poder salvar vidas assim como aqueles que me aceitaram e salvaram a minha… Tive apoio da Educafro, da Casa 1, e da maravilhosa Paula Raia (empresária do setor de moda), que me ajudou demais! Ela disse que ia me ajudar a conseguir uma bolsa em medicina, e na mesma hora pedi demissão do meu emprego de secretária para correr atrás desse meu sonho”, explicou Emery.

Traumas passados

O gosto em estudar, aprender e trabalhar talvez seja a ‘válvula de escape’, isto é, um modo de escapar da turbulenta e traumática vida que ela vivia quando criança.

“Vivi minha infância e adolescência no orfanato, fugindo do meu pai. Ele me amarrava, me espancava, e muitas vezes até trancava o armário de comida para eu passar fome. Perdi as contas de quantas vezes fui roxa pra escolinha”, relembrou.

A luta de Emery persiste a cada dia, para que as gerações futuras não passem pelas coisas que ela mesma passou. “Foi só após a ajuda de vários psicólogos que eu me reconheci como uma mulher trans e finalmente pude me assumir! O começo nunca é fácil, e você vai ter que engolir muita coisa até começar a ser aceita. Agora eu estou determinada a seguir meu sonho de ser uma médica trans!”.

Um futuro cheio de possibilidades

E Emery não para… Ela já aprendeu inglês, espanhol e até mesmo norueguês enquanto cursava faculdade em Bragança (SP). “Infelizmente, tive que trancar porque acabou todo meu dinheiro… Agora meu objetivo é outro”.

A futura médica planeja ingressar em Medicina na melhor instituição pública de ensino superior da Argentina. “Vou arrasar em todas as provas e me formar na melhor faculdade pública de lá! A Paula já me ajudou com toda a minha documentação e com todas as burocracias, agora só falta juntar o dinheiro para cobrir meu aluguel e alimentação”, explicou.

jovem trans sonha cursar medicina

Para isso, Emery fez uma vaquinha virtual para ajudá-la na conquista do seu sonho. O objetivo é arrecadar R$ 10 mil. Até esta sexta-feira (2), um terço da meta já foi alcançada. Você pode contribuir também clicando aqui.

Fotos: Reprodução / Facebook: @spinvisivel

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,238,290SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Após abrir oficina de reciclagem com ajuda de vaquinha da VOAA, gari realiza primeira venda e comemora

Giorggio sonhou com este momento por muito tempo! Após lutar tanto contra o alcoolismo, o rapaz conseguiu encontrar na reciclagem uma forma de mudar...

Pai incentiva filha a repetir frases de empoderamento: “Eu sou incrível!”

No vídeo, o pai de uma menina que aparenta ter três aninhos pede para a filha repetir frases de empoderamento na frente do espelho.

Após meses de luta contra ressecamento, mãe consegue amamentar filhas e agradece: ‘É um privilégio’

Para a atriz e cantora Marcella Fogaça, mãe das pequenas Sophia e Pietra, de 4 meses, não há nada mais 'divinamente humano' do que...

Neto cai no choro ao rever os avós após 8 meses de quarentena

Há mais ou menos oito meses, o pequeno Ayden Lusher, de Kentucky (EUA), estava sem ver seus avós, que moram na Flórida. A família entrou...

Fundador do Razoes para Acreditar é presença confirmada em evento online sobre economia digital

Olha que demais! O nosso editor-chefe, Vicente Carvalho, fundador do Razões Para Acreditar é presença confirmada no evento online gratuito Innovation Experience Conference 2020. Ele...

Instagram