Ela venceu a leucemia e decidiu virar médica para salvar pessoas com a mesma doença

Quando tinha 18 anos de idade, Marina Aguiar foi submetida a um tratamento contra a leucemia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Inspirada pela equipe médica que a acompanhou durante todo o tratamento, Marina decidiu que iria cursar Medicina.

“Percebi a importância de médicos que acreditem na recuperação dos pacientes. Isso me motivou a querer ajudar pessoas que vivem algo semelhante ao que enfrentei”, disse ela à BBC News Brasil.

jovem que tinha leucemia vira médica

Luta contra a leucemia

Hoje, aos 31 anos, Marina dedica grande parte de seus dias ao cuidado de pacientes que lutam contra a leucemia em um hospital de Brasília (DF).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O caminho até o diploma foi tortuoso. Ela abandonou o curso de Odontologia e enfrentou a desconfiança dos parentes, preocupados com os obstáculos que a jovem teria que superar na faculdade de Medicina.

Leia tambémMãe cria projeto para ajudar filho com síndrome rara e auxilia outras famílias com a mesma doença

Na época, o tratamento demorou para apresentar resultados, não havia doadores compatíveis de medula óssea e um médico pessimista do hospital não acreditava que ela sobreviveria.

“Fiquei triste muitas vezes. Mas sempre tentava acreditar que tudo daria certo em algum momento”, diz.

jovem que tinha leucemia vira médica
Camila e sua mãe. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Camila considera que o diploma de Medicina, conquistado em 2013, é a sua maior vitória contra a leucemia, derrotada há cerca de dez anos.

Leia também: Mulher cria bonecas com as mesmas características físicas de seus pequenos donos

Desde então ela fez uma especialização em hematologia (estudo do sangue) e uma especialização em transplante. “Fui a primeira residente em hematologia no HCG (Hospital do Câncer de Goiás), o mesmo lugar onde fiz o tratamento contra a leucemia. Foi muito importante para mim trabalhar ali. No começo, os médicos tinham receio e pensavam que poderia me prejudicar emocionalmente, por eu ter me tratado ali. Mas eu sempre disse que tinha certeza de que queria ficar ali”, diz.

jovem que tinha leucemia vira médica
Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Trabalhei no HCG por dois anos, durante a minha residência. Deu tudo certo. Muitos funcionários, que me acompanharam como paciente, ficaram felizes em me ver como médica”, relata.

A expectativa da médica é fazer o seu primeiro transplante de medula óssea até o início de 2020. “Sempre quero dar o meu máximo para poder ajudar. Sei que nem todas as vezes vai ser possível, mas sempre quero ter a certeza de que fiz tudo o que pude”, conclui.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: BBC News Brasil/Arquivo Pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,638,607SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Tecnologias para sustentabilidade e inclusão social: conheça os projetos do Red Bull Basement 2019

Confira o que rolou na final da residência hacker, em um dia todo dedicado à tecnologia, com palestras dos residentes hackers, realizado no Red Bull Station, no Centro de São Paulo.

Vovô do Samu: socorrista de 75 anos continua salvando vidas, mesmo com idade para se aposentar

Mesmo com idade para se aposentar, o seu João Francisco da Silva não pensa em largar o seu trabalho, pois ama o que faz: salvar vidas!

Nova Zelândia testa jornada de trabalho de 4 dias e dá certo

Uma empresa na Nova Zelândia testou os benefícios que teria se seus funcionários trabalhassem apenas quatro dias por semana, em vez dos habituais cinco dias.

Depois de 203 tumores e AVC, Verônica Hipólito disputa mais um Parapan

A vida de atleta geralmente não é fácil, exige uma rotina puxada de treinos e muita dedicação. Com os paratletas, as barreiras são ainda...

Cachorrinho de rua é adotado por casal de comerciantes e vira ‘funcionário do mês’ em SP

Faz quase 4 anos que o comércio de Kelly e Alexandre mudou completamente - e para melhor. Tudo graças à adoção de Negão, um...

Instagram