Jovens brasileiros criam projetos sociais para a comunidade LGBT+

Durante cinco meses, vinte e seis jovens de 18 a 25 anos de todo o Brasil participaram de um programa gratuito de incentivo ao empreendedorismo social, o “Embaixadorxs”. O trabalho foi desenvolvido pela Organização não Governamental TODXS, criada em março de 2016, com objetivo de coletar e processar dados sobre a população LGBT+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e outras identidades) e desenvolver iniciativas de alto impacto social.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Entre os projetos que foram desenhados nesses meses estão: uma Casa de Acolhimento para gays, lésbicas, bissexuais e transexuais expulsos de casa pela família, em Manaus; um programa de capacitação de professores e alunos sobre orientações de gênero e sexual, em Salvador; um livro sobre identidades de gênero em São Paulo e um programa de integração para pessoas migrantes e refugiadas por motivo de perseguição por conta de orientação sexual e identidade de gênero, no Rio de Janeiro.

Em outra frente, há projetos que trabalham com a educação para prevenção da discriminação de gênero e orientação sexual.

É o caso de Tath Sant’Anna, 22 anos, de São Paulo, que escreve o projeto de um livro com inúmeras terminologias e explicações sobre expressões e experiências de gênero; e o de Vanessa Cerqueira, 21 anos, de Salvador, cujo projeto busca oferecer capacitação e rodas de conversa para professores e alunos da rede estadual de ensino sobre orientação sexual e de gênero.

A ideia da escrita de um livro que compile inúmeras possibilidades de expressões de gênero é auxiliar pessoas no processo de descoberta de seu próprio gênero e ser uma fonte orientativa para quem queira entender melhor sobre o tema.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A fase IMPACTO do programa deve ser lançado em janeiro de 2018. O valor ainda deve ser definido e a TODXS busca parcerias para o financiamento.

A criação da TODXS

A TODXS foi criada em março de 2016, com objetivo de coletar e processar dados sobre a população LGBT+ e desenvolver iniciativas de alto impacto social, focadas em três pilares: sociedade, governo e empresas. A organização conta atualmente com 58 membros voluntários divididos em dez estados brasileiros e três países e se mantém através de investimentos de seus cofundadores, da venda de ingressos de eventos  e editais de financiamento de organizações internacionais.

Além do programa Embaixadorxs, a ONG desenvolveu o primeiro aplicativo brasileiro que compila mais de 700 normas brasileiras de proteção à população LGBT+, o TODXS App, disponível para ser baixado gratuitamente em sistemas Android e IOS. A organização também realiza eventos de capacitação online e consultorias a empresas.

Fotos: divulgação

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,491,052SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Essas 10 fotos de antes e depois de pessoas que venceram o câncer vão renovar suas esperanças

Poucas coisas na vida são mais difíceis de se vencer do que o câncer. Mas como você pode ver nessa lista inspiradora, se há...

Instituto Baccarelli entrega cestas básicas para moradores da comunidade de Heliópolis (SP)

A COVID-19 trouxe uma crise de enormes proporções para todo o planeta. O isolamento social está gerando diversos impactos para cidadãos de todo o...

Jovem com síndrome de Down derruba padrões e estampa capa de revista holandesa

Enya tem síndrome de Down e quebrou barreiras ao estampar a capa da revista Glamour holandesa. A influencer digital serviu beleza e empoderamento no photoshoot...

Mãe escreve carta emocionante para médico que sugeriu que abortasse filha com Down

Há um ano, Courtney Baker passou por uma situação difícil. E não tem nada a ver com o fato da sua filha ter síndrome...

Pai tatua no braço os desenhos do filho desde que ele tem 4 anos

Muita gente guarda papéis com os desenhos dos filhos de quando eram crianças, como forma de preservar as "obras de arte" que os pequenos...

Instagram