Juiz monta banda de rock como medida socioeducativa para ajudar jovens que ele condenou

Consegue imaginar a seguinte situação: uma banda de rock formada por um juiz e jovens que ele mesmo condenou?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Pode parecer uma cena impossível, mas essa é a realidade do juiz Dalmir Franklin de Oliveira Júnior, que há oito anos atua na Vara da Infância e da Juventude com os adolescentes do Case (Centro de Atendimento Socioeducativo) de Passo Fundo/RS.

Chamada de Liberdade, a banda conta com meninos que ele condenou por crimes como tráfico, roubo e até homicídio, e eles tocam principalmente rock brasileiro, como Titãs, Engenheiros do Hawaii, Legião Urbana, mas o juiz também cede aos pedidos dos internos e arrisca no sertanejo de vez em quando, o ritmo preferido da molecada.

Ao contrário do que alguns podem estar se questionando, o juiz garante que nunca teve problemas com nenhum dos integrantes, até porque, para poder concorrer a uma vaga na banda, é preciso ter bom comportamento.

“Tem um respeito recíproco grande”, conta o juiz em entrevista à Folha de S. Paulo, para quem a banda ensina responsabilidade, já que nela “cada um tem sua função”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A música tem ampla aceitação social e dá outra etiqueta a esses jovens, permite que eles sejam vistos por outro viés que não o da delinquência”, afirma Dalmir, 39 e tecladista.

“O único ser que se reúne para tocar um instrumento é o humano. Por isso, ali eles se sentem mais humanos”, diz o professor de percussão do projeto Marcelo Pimentel, 50.

Além da banda, os cerca de 80 internos do Case, cerca de 25 participam das aulas de música do projeto que começou há 6 anos.

A comunidade e a Pastoral Carcerária ajudaram a montar as aulas teóricas e práticas sobre ritmo e harmonia. O juiz doou os instrumentos. O projeto não conta com verba pública.

“As pessoas não sabem o que é ser adolescente e estar preso em uma sexta-feira [quando todos se divertem]”, diz o professor. “Eles têm que pagar pelos erros, mas não precisa ser um inferno.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: Folha de S. Paulo / Foto: Diogo Zanatta/Agência RBS/Folhapress

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,266,727SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

As mulheres que deram cor aos números da NASA

A palavra do momento é Representatividade, que significa representar os interesses de determinado grupo, classe social ou de um povo. E, como você deve...

Utilidade pública: descobrimos uma planilha com todas as quermesses de São Paulo

Uma ótima opção para se esquentar e se divertir nesse inverno são as festas juninas! Comidas típicas, shows, quentão, brincadeiras. O que não faltam são...

Estas bolas de futebol são capazes de gerar energia para abastecer casas sem eletricidade

Geralmente quando algumas bolas de futebol são doadas para uma cidade rural mexicana, isso não justifica a cobertura da imprensa. Ainda em março passado caminhões...

Famílias criam projeto que recolhe lixo de praias de Peruíbe (SP) voluntariamente

O projeto não tem apoio externo nem tem interesse: é por amor à Peruíbe!

Projeto transforma lama que destruiu Mariana em tijolos para reconstruir a região

“Tijolos de Mariana” não possui nenhuma ligação com o governo, nem empresas de mineração, e conta totalmente com o apoio da sociedade para acelerar o impacto positivo do projeto nas comunidades locais.

Instagram

Juiz monta banda de rock como medida socioeducativa para ajudar jovens que ele condenou 2