Sancionada lei que permite doação de refeições não vendidas a pessoas em vulnerabilidade no Brasil

Em vigor desde o ano passado, a Lei 14.016/2020 prevê a doação de alimentos e refeições não comercializados por parte de supermercados, restaurantes e outros estabelecimentos para pessoas, famílias ou grupos em situação de vulnerabilidade ou de risco alimentar ou nutricional.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A lei é uma conquista enorme num país em que, de acordo com o IBGE, 22,26% da população sofre com insegurança alimentar (isto é, o acesso e a disponibilidade de alimentos são escassos) e num contexto em que desperdiçamos 26,3 milhões de toneladas de alimentos, segundo estudo da Embrapa.

Além dos supermercados e restaurantes, hospitais, empresas, cooperativas, lanchonetes e todos os estabelecimentos que forneçam alimentos prontos para o consumo de trabalhadores, de empregados, de colaboradores, de parceiros, de pacientes e de clientes em geral.

Mulheres e crianças recebendo refeições
Foto: Daniela Moura/Fotos Públicas

Mas não é qualquer alimento que pode ser doado não. Tem que ter critério. Podem ser doados alimentos in natura, produtos industrializados e refeições prontas, todos ainda próprios para o consumo humano. Os itens devem estar dentro do prazo de validade e em condições de conservação especificadas pelo fabricante, mesmo que haja danos à sua embalagem.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ah, e qualquer dano a quem consumir provoca responsabilização do doador. Por isso, é importante que as doações sejam realizadas com o acompanhamento de bancos de alimentos, entidades beneficentes de assistência social, poder público e entidades religiosas.

Além de alimentos, o que muitos brasileiros estão precisando neste momento é de oxigênio. Por isso, criamos uma vaquinha no VOAA para levar cilindros de oxigênio a Manaus (AM). Clique e contribua!

Trator empurrando alimentos desperdiçados
Objetivo é evitar desperdício. Foto: Divulgação / Instituto Cidade Amiga

Para a Secretaria-Geral da Presidência da República, o objetivo da lei é “combater a fome e a desnutrição, valorizar a responsabilidade social e a solidariedade entre os brasileiros e auxiliar a superação da crise econômica e social gerada pela atual pandemia”.

É isso aí! Quem tem fome tem pressa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: Senado

Fotos de capa: Foto 1: Luiz Eduardo Silveira/Divulgação/JC ; Foto 2: Daniela Moura/Fotos Públicas

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,246,606SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

A alegria desse menino é ver o caminhão de lixo passar

A maioria das crianças se animam com brinquedos, desenhos infantis e presentes. Mas esse garotinho gosta de uma coisa diferente: ver o caminhão de...

Livro infantil sobre refúgio ganha edição artesanal em braile com ilustrações táteis

Alunos do Instituto de Cegos Padre Chico, em São Paulo, ganharam a oportunidade de conhecer e se emocionar com a história de uma menina...

Páscoa Solidária: Pessoas distribuíram ovos de chocolate para desconhecidos na rua

Que tal fazer uma Páscoa diferente?? O projeto "Eu Acredito" distribuiu ovos de chocolate para desconhecidos e a reação foi surpreendente! Um simples gesto que inspira...

Escolas da Dinamarca ensinam empatia para crianças: desestímulo à competição

Em vez de ensinar o jovem a ser melhor que o colega, o currículo dinamarquês se concentra no desenvolvimento e aprimoramento das habilidades e talentos.

Garoto vende seus brinquedos para curar seu cachorro doente

Connor montou um bazar em seu quintal e vendeu seus brinquedos para conseguir pagar o tratamento do cachorro Copper, diagnosticado com síndrome de Woober.

Instagram