Pai consegue licença paternidade 6 anos após adoção e se casa com advogado

Clique e ouça:

A história parece mais um enredo de filme, mas é um caso real. Eduardo Honorato adotou um filho, não conseguiu a licença paternidade. Entrou na Justiça e conseguiu seis anos depois. E, no fim, acabou pedindo o advogado da causa em casamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eu nunca quis ser pai“, disse Edu. Mas felizmente ele disse sim a esse chamado da paternidade, e se tornou um excelente pai. A família mora em Manaus (AM).

Eduardo conheceu aquele que viria a se tornar o seu filho através de uma pessoa conhecida da família. Psicólogo que é, logo ele percebeu que o desenvolvimento do garoto não era o adequado para a idade.

Edu começou a buscar vários especialistas para avaliar o menino. “Foi aí que depois de algumas semanas veio o diagnóstico de Lesão cerebral com hemiplegia. Isso significa que ele não tinha movimentos do lado direito do corpo. Meu mundo desabou e eu não conseguia pensar mais em nada“, conta.

Pai abraçado com filho em paisagem com lago
Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas Edu encontrou ainda mais motivos para lutar por aquele garoto. Começou a estudar para passar em um concurso público e passar no doutorado. “Meu foco era trabalhar ao máximo para poder pagar os melhores tratamentos que ele poderia ter“, disse.

E ele conseguiu. Se tornou psicólogo concursado e professor universitário. “Então, resolvi dar entrada no processo de adoção. Já haviam se passado alguns anos e realmente era o momento”, disse.

Pai e filho brincando em mar
Foto: Arquivo pessoal

Edu conseguiu guarda legal do filho, mas não ganhou licença paternidade

Edu se tornou oficialmente pai. “Assim que saiu a guarda dele, eu fiquei tao feliz, mas tão feliz que não cabia mais em mim. Finalmente ele teria meu nome, poderia viajar comigo,  e ter todos os direitos como meu filho. Fiquei em êxtase”, disse.

Já que ele era legalmente pai, nada mais justo. “Na minha inocência [pensei que] eles me dariam os seis meses, pois eu era pai solo e todos sabiam do meu caso. Me avisaram que receberia apenas 15 dias. Eu chorei de tristeza e de decepção e isso era visível no meu olhar“, contou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Pai e filho em pista de ski
Edu não conseguiu se dedicar ao filho como queria no primeiro momento. Foto: Arquivo pessoal

Foi nesse mesmo período que Edu conheceu o advogado Paulo. “Um dia ele me viu chorando e me explicou que o direito não era meu mas sim do meu filho. E do nada ele disse que entraria na Justiça pra garantir o direito da criança porque isso não era justo”, relembrou.

Pai, esposo e filho brincando
Advogado Paulo, que já era namorado de Edu, foi quem ajudou a lutar pelo direito. Foto: Arquivo pessoal

A lei de 1970 fazia distinção de gênero e não autorizava a concessão do direito. Foram incríveis seis anos de luta, apelos, recursos. “Eu chorava cada vez que recebia uma resposta ruim e ele não me deixava desistir. Aquilo motivava ele mais e mais a entrar com novo recurso”, disse Edu.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eis que seis anos depois, estava concedida a licença paternidade. “Eu confesso que desabei em choro. Abracei meu filho, chorei e esperei o Paulo chegar. Choramos juntos e aí começamos a entender a real simbologia disso“.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar) em

Vaquinha para ajudar filho de 15 anos que cuida sozinho de mãe doente. Clique aqui e contribua.

Edu e Paulo se casaram após sentença

Quando Paulo entrou com o pedido da licença paternidade na Justiça, ele e Edu tinham acabado de iniciar um namoro. Depois de todo o processo, em 2019, quando saiu a sentença, Edu pediu o advogado em casamento. O casal e o filho adotivo se tornaram uma grande família.

“Com o passar dos anos o nosso relacionamento foi ficando cada vez mais sério até que em 2019 eu pedi ele em casamento. O casamento aconteceria dia 06 de julho desse ano em uma viagem com toda as nossas famílias. Tudo organizado e a pandemia chegou. Casamos somente eu e ele no cartório, de máscaras, no dia planejado”, disse.

Dois homens com bolo de casamento fazendo brinde
Edu e Paulo se casaram em meio à pandemia. Foto: Arquivo pessoal

Filho de Edu precisou passar por tratamento severo

Depois de tudo isso, Edu e o filho não puderam desfrutar ainda do benefício porque o garoto precisou passar por um tratamento de três meses em Brasília que consistia em engessar a perna toda semana de uma forma diferente e ficar deitado por um mês em um quarto de hotel. Logo em seguida veio a pandemia.

Pai e filho em pista de ski
Filho de Edu enfrentou muitos problemas de saúde. Foto: Arquivo pessoal

“Ele tem limitações apenas físicas. Estimulei muito desde pequeno com tudo que havia de disponível. Não há qualquer sequela intelectual e ele está adiantado na escola”, disse Eduardo. O “tio” Paulo tem ajudado bastante nesse processo de acompanhamento do menino.

Edu quer que outros pais solo tenham o mesmo direito garantido

O mais especial dessa conquista é que ela abre precedente para outras pessoas na mesma situação conseguirem a licença paternidade.

“O que eu aprendi, lutando pelo direito do meu filho, é que ninguém, nem pessoa física nem jurídica, pode jamais nos privar dos nossos direitos e não podemos deixar isso acontecer. As leis precisam ser atualizadas e abarcar todas as novas configurações familiares“, disse.

Pai, marido e filho em parque de diversões
Agora, Edu, Paulo e o filho formam uma bela família. Foto: Arquivo pessoal

Edu tinha um amigo na mesma situação e sempre pensou nele ao lutar por esse direito. “E que todos que tenham a DISPONIBILIDADE afetiva e emocional para essa jornada fantástica que é a paternidade, se joguem de cabeça nesse sonho porque vale muito à pena”, finalizou.

[Dono de pizzaria compra forno para funcionário fazer bolos e cria marca com o nome da mãe dele]

selo conteúdo original

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,076,276FãsCurtir
2,422,376SeguidoresSeguir
20,572SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Confeiteira é humilhada por cobrar taxa de entrega de R$2 e recebe apoio de internautas

A confeiteira Ângela Oliveira foi humilhada por uma cliente que se recusou a pagar a taxa de entrega do seu bolo de pote. Na troca...

Sogro anda de mãos dadas com genro para ajudá-lo a superar medo de sair na rua com o namorado

Fran guarda algumas memórias ruins de um passado recente, quando ele sofreu preconceito por ser homossexual. O jovem foi agredido fisicamente, além de ter passado...

Policial compra bolo de aniversário para jovem que chorava por terem esquecido a data

O que você faria se todo mundo que você conhecesse esquecesse de seu aniversário? Esta situação, hipotética para muitos, aconteceu com um garoto tailandês....

Após 8 anos presos em gaiolas, leões de circo são resgatados e pisam na grama pela primeira vez

Não é de hoje que percebemos uma mudança radical nos cuidados aos animais de circo. O público tem cobrado mais responsabilidade com espaço, alimentação...

Depois da formatura, ela foi até o trabalho de seu pai, que é pedreiro, para agradecê-lo

Se tem uma coisa que a paraguaia Yudit Romero reconhece é o sacrifício que o pai fez para lhe dar a melhor educação possível. Don...

Instagram

Pai consegue licença paternidade 6 anos após adoção e se casa com advogado 13