Livro ‘Mare Decide Viver’ relata a dor e superação de um transplante de pulmão

Mare Decide Viver é a biografia motivacional de Mare (Maria Helena), uma brasileira que descobriu que podia morrer se não fizesse um transplante de pulmões. Lutando contra todas as adversidades, ela venceu, dando o exemplo de que tudo é possível, quando uma família se une no amor. A história é narrada por seu marido Wilson. Mais do que um relato da dor e sofrimento de uma família o livro mostra a dura realidade das pessoas que esperam na fila por doações e nos leva a refletir sobre o problema do transplante de órgãos não só no Brasil, mas em países de primeiro mundo como os EUA.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De forma descontraída, Wilson brinca que conheceu Mare ainda na maternidade, mas na verdade os dois se conheceram em 1968. “Meu primeiro presente para ela foi o long-play do Johny Rivers… Do you wann’a dance… Namoramos e noivamos por quatro anos e casamos em 1973, portanto, há 40 anos”.  Contudo, Mare ficou doente em 2007 e em 2009 foi indicada a fazer um transplante duplo de pulmão. “Na época, nem sabíamos que isto existia. O médico disse que se ficássemos no Brasil, ela morreria esperando o transplante, devido ao pequeno número de cirurgias feitas no país e ao grande número de pessoas necessitadas” conta José Wilson Munari.

A saída para a família Munari foi procurar auxílio fora do país para o transplante de Mare levando-os a mudar para os Estados Unidos. “A razão foi que em um país com muitos doadores, a lei diz que todos doam e poucas pessoas se manifestam para não serem doadores, mas em um país com poucos doadores, a lei é omissa e poucas pessoas se manifestam para serem doadores” explica José Wilson.  Foram cerca de 2 anos até que o transplante de Mare fosse feito. Neste tempo a família Munari passou por momentos difíceis como problemas psicológicos causados pelos remédios que afetavam o funcionamento do cérebro de Mare ou a quase morte 4 dias antes do transplante.

A dor transformada em palavras.

Durante os 2 anos e 10 meses que a família Munari viveu nos EUA José Wilson manteve um diário com a luta que era travada todo os dias e mostrando a ansiedade de esperar o telefone tocar com uma boa notícia. “Eu mantive um diário no qual anotava tudo que se passava com ela. Eu já mantinha o diário anteriormente, mas passei a ser mais assíduo na escrita devido às perguntas dos médicos: quando começou tal remédio, quando começou tal sintoma” explica José Wilson.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“É um livro que renova esperanças de pessoas que estejam lutando contra alguma doença. Qualquer pessoa pode ler o livro. Tem um pouco da história da família, já que nossos filhos nos acompanharam aos Estados Unidos para o transplante. Para mim, foi como abrir a alma e o coração e contar tudo” finalizou José Wilson.

Wilson Munari e Maria Helena Munari

 

Uma bela história, a versão digital do livro pode ser comprada aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,765,320SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Após perder patrocínio por causa de gravidez, corredora bate recorde de Bolt

Yes, girl! Patrocinadores duvidaram do desempenho da atleta após gravidez e corredora ficou sem apoio financeiro. Esta semana ela bateu recorde do invencível Bolt.

Pitbull salva bebê e sua família de incêndio nos EUA

Uma filhote de pitbull teve um dia de super-heroína ao salvar uma bebê e sua família de um incêndio na Califórnia.

Escócia alcança 100% de capacidade de produção de energia eólica

A National Grid, empresa responsável pela administração da energia produzida na Escócia comunicou à imprensa que a produção de energia eólica do país foi...

Uma lavanderia que transforma água contaminada em água cristalina

A empresária Paola Tucunduva herdou e assumiu a lavanderia industrial de seu pai, chamada Rotovic, fundada há mais de 40 anos. Percebendo que estavam desperdiçando...

Australianos trocam lixo retirado da praia por café ou sorvete

Dois incentivos irresistíveis para manter as praias limpas.

Instagram