Mãe que adiou tratamento de câncer para esperar filha nascer recebe alta: “Agora, posso me dedicar em ser mãe”

Ellie Whittaker tinha apenas 16 semanas de gestação quando descobriu que tinha câncer. O diagnóstico mostrou um Linfoma de Hodgkin, uma forma de câncer que se desenvolve nos linfonodos do sistema linfático e já estava no estágio dois, o que exigia um tratamento imediato.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas as sessões de quimioterapia também poderiam prejudicar o bebê e então, Ellie tinha uma grande decisão em mãos. Ela não pensou duas vezes e decidiu proteger a criança. Com muita esperança, ela adiou as sessões de quimio e torceu muito para que tudo desse certo.

E deu! ❤

Parto da Ellie
Foto: arquivo pessoal

Campanha para jovem de 19 anos com câncer raro e filha pequena custear seu tratamento. Ajude essa vaquinha!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Médicos a orientaram fazer um aborto

Ellie é de Bolsover, Reino Unido. Quando descobriu o tumor, os médicos a indicaram fazer um aborto, pois havia muitos riscos em adiar o tratamento. Só que a jovem estava determinada em continuar com a gestação. 

Não havia nenhuma chance neste planeta de eu abortar meu bebê“, disse Ellie. Antes ela já tinha sofrido um aborto espontâneo e não queria perder mais uma gestação.

Ellie grávida
Foto: arquivo pessoal

Primeiro diagnóstico foi de amigdalite

Ellie já sentia alguns desconfortos da doença, mas foi depois de descobrir um caroço no pescoço que ela resolveu buscar ajuda médica. “Eu estava tão cansada e tendo muitas infecções, pensei que fosse devido ao estresse, pois recentemente perdi meu avô“.

Ellie com cabeça raspada
Foto: arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A primeira vez que ela buscou tratamento, os médicos pensaram que o caroço era uma amigdalite (inflamação das amígdalas) e seguiram com esse tratamento.

Só que os sintomas foram piorando, até que Ellie retornou para um novo exame. O tumor foi diagnosticado em outubro de 2019. “Parei de pensar no câncer e me concentrei em minha filha, mal podia esperar para ser mãe. Não me arrependo de minha decisão e faria a mesma coisa novamente“, conta.

Ellie e familia
Foto: arquivo pessoal

A pequena Connie nasceu com 37 semanas, em março deste ano. Exatamente uma semana depois, Ellie descobriu que seu câncer tinha avançado para o estágio três.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ainda assim, a jovem mãe não perdeu as esperanças e iniciou logo o tratamento que estava parado.

Connie no carrinho
Foto: arquivo pessoal

E o corpo de Ellie reagiu tão bem, que na quarta sessão o médico já deu a boa notícia que o caroço havia diminuído.

Ellie fez um total de 12 rodadas de quimioterapia e agora em setembro, finalmente, recebeu a notícia que não há sinais de câncer ou de um possível retorno. Ela conta que só pensou na possibilidade de agora em diante, poder se dedicar a Connie e ao papel de mãe, que ela sempre quis.

É superação que chama, hein?

Fonte: Revista Crescer

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,261,441SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professor usa a criatividade para aluna com deficiência dançar na apresentação da escola

Agostina encantou a todos com a alegria de estar realizando o sonho de ser bailarina por alguns minutos.

Avô constrói casinha na árvore para neta com direito a registro em ‘cartório’

Eu sempre quis quando era pequeno e aposto que você também sonhava ter uma casinha na árvore na infância. Se você foi uma criança...

Plano de Menina leva autoestima, aprendizado e empoderamento para adolescentes das periferias

Por muito tempo, a mulher teve a romântica imagem de sonhadora, tema bastante explorado em livros, contos, novelas e filmes. Mas, com o passar...

Campanha do Bob’s faz convite para pessoas viverem fora do padrão

Um convite para cada um ser do jeitinho que é.

Fotógrafa registra acampamento para meninos com identidade de gênero diferente das que foram designados

A fotógrafa Lindsay Morris sempre se questionou sobre a diversidade sexual e sempre quis saber mais sobre o identidade de gênero, passou então seis anos registrando...

Instagram