Mãe de Santo lidera mutirão e limpa entorno de cachoeira poluído com oferendas

Preservar a natureza é um dever de todo mundo, independemente da religião que a pessoa segue. A Mãe de Santo Renata (Monakulu Dia Nzambi) deu uma prova de que isso vale inclusive para os seguidores da sua religião, a Umbanda.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No último sábado (16), ela e seus filhos de santo fizeram um mutirão para retirar oferendas que estavam ao redor de uma cachoeira: de garrafas, louças até roupas.

“O Orixá não faz uso do seu lixo, não recebe vasilhas, plásticos, vidros, nada disso, além de não se decompor esses elementos poluem a natureza que perde sua força, sua vitalidade”, escreveu Renata no Facebook.

“Se cada casa ensinasse os seus adeptos a recolherem seus lixos espirituais e de fato explicassem o que realmente a natureza recebe, não estaríamos com um cenário tão imundo.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O grupo encheu mais de 20 sacos de lixo de 100 litros cada, sem contar o lixo que foi queimado. “Com isso não mudei o mundo, mas ensinei meus filhos, para que um dia eles ensinem os filhos deles a de fato zelar pela casa do Orixá”, afirmou a Mãe de Santo.

Confira o relato do mutirão na íntegra:

“Hoje nosso compromisso foi com o sagrado, com o nkisi, dedicamos nosso sábado para ir às águas de Ndandalunda, mais não somente para nos beneficiarmos, mais sim antes mesmo de pedir, para limpar o meio ambiente, sua casa e deixá-la linda e digna de todo ngunzu que Mam’etu Ndandalunda sempre nos proporcionou.
Conheci a pouco tempo esse paraíso espiritual, porém muito me entristeceu ver a forma que alguns seguidores, curiosos, irmãos, tratam a casa do Orixá.
É como nos banharmos com lama, pois vamos a casa do santo, jogamos garrafas, vidros, plásticos, louças, roupas, e acredita-se que o Orixá recebe e faz bom uso daquilo, na sequência a mesma pessoa que levou se banha nas águas de Ndandalunda, achando que está forte, cheia de axé, que o nkisi ficou feliz com sua oferenda, sem ter a sensibilidade e bom senso de que está sujando a casa sagrada, o solo, as águas, que um dia se continuar assim virá fazer muita falta.
O próprio umbandista e candomblecista reclama quando não acham uma água limpa, dizem assim:
Ei fulano sabe onde tem uma boa cachoeira por aqui para se fazer uns perfures?
Aí preciso de água de cachoeira, mais aquela é toda suja.
Pq será?
O Orixá não faz uso do seu lixo, não recebe vasilhas, plásticos, vidros, nada disso, além de não se decompor esses elementos poluem a natureza que perde sua força, sua vitalidade.
Se o nkisi é a força da natureza, se a água é um dos maiores fundamentos, por que as pessoas insistem em não se conscientizarem?
Tiram os lixos da suas casas, roças, e varrem pra debaixo do tapete? Pois é assim que vejo.
Se cada casa ensinasse os seus adeptos a recolherem seus lixos espirituais e de fato explicassem o que realmente a natureza recebe, não estaríamos com um cenário tão imundo.
Somos conhecidos como porcos da fé e com razão, infelizmente é uma realidade.
Tiramos mais de 20 sacos de 100 litros cheios de lixo que não serão decompostos, fora os que colocamos fogo.
Após a limpeza que realizamos, decoramos a mata com suas próprias folhas, flores e frutos e com um sopro de gongá energizamos o pedaço que os mukongos e Ndandalunda nos concedeu, e assim, o nkisi pode vibrar em seu habitat limpo e lindo.
Todos os filhos comungaram e ngudiaram juntos, lanchamos e nada foi deixado ou jogado na casa do santo, tudo foi recolhido e depositado em local adequado para ser retirado.
Com isso não mudei o mundo, mais ensinei meus filhos, para que um dia eles ensinem os filhos deles a de fato zelar pela casa do Orixá.
Esse foi o melhor presente que pudemos ofertar, nossas mãos para limpar a casa sagrada das águas doces.
Com isso, nosso compromisso é com o santo e ele certamente sabe o que tem em nossos corações e nos dará conforme nosso merecimento e tempo, aquilo que for melhor a cada um, com o nkisi não precisa pedir, ele sente, ele sabe, ele dá, ele abençoa aquele que nele confiar e dele zelar.
Nzambi Ua Kuatesa
Monankulu”

imagens: reprodução Facebook/Monankulu Dia Nzambi

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,839,934SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Amigos brasileiros criam tintas orgânicas que não prejudicam as crianças e o meio ambiente

A amada mãe natureza nos dá absolutamente todos os recursos para sermos felizes. Se ainda restam dúvidas, olha só essa ideia simples e ao...

Loja no Rio libera entrada para cachorros de rua escaparem do calor

Talvez o verão tenha chegado atrasado, mas certamente chegou com muita força, seja nas cidades do interior, seja nas grandes capitais brasileiras. No Rio...

Apaixonado por borboletas, fotógrafo passa 3 anos fazendo registros incríveis da espécie em pleno voo

Andrew Fusek Peters é um fotógrafo da vida selvagem, que, entre todos os animais, possui uma predileção especial pelas borboletas. E este encanto é...

Vaquinha para Darlan duplica meta original e ultrapassa R$ 300 mil: ‘Gratidão a todos pelo carinho’

É de arrepiar como conseguimos unir forças pelos nossos: através das doações de 5.965 transformadores, arrecadamos mais de R$ 300.000,00 para a vaquinha do nosso Sr....

Vendedor ambulante que tocou piano em shopping sonha trabalhar com música e ter um teclado. Saiba como apoiá-lo!

Adilson Rafael da Cruz, 48 anos, conhecido como “Dirceu dos Teclados”, é o misterioso pianista que viralizou em toda internet com um vídeo tocando...

Instagram