Após ouvir que seu filho não iria sobreviver, mãe encontra estudo clínico nos EUA e seu filho vence um câncer raro

O pequeno Levy nem tinha completado 1 ano e já estava travando uma dura batalha pela vida contra um tipo raro de câncer, chamado Fibrossarcoma infantil.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Levy estava com três meses quando um pequeno caroço próximo ao olho esquerdo chamou a atenção de sua mãe, a cardiologista Monique Nogueira. A família mora em Brasília.

Rapidamente, os médicos optaram por começar a quimioterapia. Porém, já na primeira sessão, com o organismo debilitado pelos medicamentos, Levy desenvolveu uma infecção generalizada.

bebê com inchaço no lado esquerdo do rosto causado por câncer
Monique correu contra o tempo para encontrar tratamento para o filho. Foto: Monique Nogueira/arquivo pessoal

Após alguns dias na CTI, Levy estava um pouco melhor, mas não por muito tempo. Na segunda sessão de quimio, o fígado de Levy sofreu uma complicação rara e grave. Os dias passavam e o quadro de Levy piorava cada vez mais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Montanha russa de emoções

A quimioterapia não dava a resposta esperada e uma cirurgia estava fora de cogitação. Restou, então, à Monique buscar tratamento em um centro especializado nos EUA. Todo o custo, incluindo as avaliações iniciais e exames, ultrapassava os R$ 2 milhões.

Foi então que a médica lançou uma vaquinha online e mobilizou o país inteiro para salvar a vida do filho. Monique conseguiu a quantia necessária para a primeira avaliação. Cheia de esperança, fez as malas para a viagem.

hospital medical city children's texas
Levy foi integrado ao estudo no Medical City Children’s, em Dallas. Foto: Monique Nogueira/arquivo pessoal

Chegando no Hospital MD Anderson, no Texas, Monique perdeu o chão ao saber do médico que Levy não poderia participar do estudo clínico em andamento com o medicamento larotrectinibe, da LOXO/BAYER, por ter 11 meses, sendo que a idade mínima exigida era de 1 ano.

Quando parecia não haver mais saída, o médico lembrou de um estudo que contemplava crianças menores de 1 ano, com o mesmo medicamento, mas em Dallas. Médicos dos dois hospitais conversaram entre si e, assim, Levy conseguiu entrar no estudo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Evolução

A melhora de Levy é extremamente significativa. Em três meses de tratamento, o tumor reduziu em 70% e está estável, tornando possível sua retirada por meio de cirurgia. Para isso, a família aguarda Levy atingir uma idade adequada.

menino sorrindo após cura do câncer
O medicamento surtiu efeito em pouco tempo. Foto: Monique Nogueira/arquivo pessoal

Hoje, Levy vive como qualquer outra criança. Não tem mais as restrições de antes. A quimioterapia mesmo impossibilitava Levy de sair para diversos lugares, nem mesmo tomar sol ou ter contato com animais. Agora, isso é coisa do passado.

Levy é um menino cheio de vida, principalmente porque o tratamento não deprime o sistema imunológico. E sabe o melhor? É ingerido oralmente, como se fosse um xarope.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Confira o vídeo:

Para saber mais, acesse: https://www.fusaosalva.com.br

#FusãoSalva

PP-VIT-BR-0315-1

Após ouvir que seu filho não iria sobreviver, mãe encontra estudo clínico nos EUA e seu filho vence um câncer raro 1

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,805,747SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Para substituir plástico filme e papel alumínio, casal brasileiro cria embalagem vegana

O plástico pode causar grandes danos ao meio ambiente, além de ser uma grande ameaça para as espécies marinhas. Um estudo revela que mais de 70% da produção...

Casal adota 7 irmãos cujos pais faleceram em um acidente de carro para que eles não se separem

Um casal norte-americano prestes a se aposentar adotou 7 irmãos com idades entre 1 e 12 anos cujos pais faleceram após um trágico acidente...

Menino com Down aprende Libras para falar com surdos no Instagram

Um menino com síndrome de Down resolveu aprender Libras (Língua Brasileira de Sinais) para poder se comunicar com as pessoas surdas que seguem seu...

Seringueira se alfabetiza aos 71 anos e agora quer fazer faculdade

Nazaré Pereira tem 71 anos de idade e prova que, nunca é tarde para a gente ir atrás de nossos sonhos, construir uma outra...

Programa quer capacitar jovens LGBT e está com inscrições abertas

A organização que trabalha com o empoderamento da população LGBT+ brasileira, a TODXS, lançou o Programa Embaixadorxs, com a finalidade de descobrir e capacitar...

Instagram

Após ouvir que seu filho não iria sobreviver, mãe encontra estudo clínico nos EUA e seu filho vence um câncer raro 2