Mãe aceita gerar neto para filha que perdeu útero ao tratar câncer

Quando tinha apenas 22 anos, a enfermeira Thais Marina Soares precisou fazer uma cirurgia de retirada do útero em meio ao tratamento contra o câncer do colo do útero.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na época, já casada e sonhando ter um filho, Thais ficou arrasada.

“Quando descobrimos o tumor no colo do útero não dava mais tempo de fazer nada, tive que tirar o útero, mas o médico deixou o ovário para eu não entrar em menopausa”, contou. O ano era 2009 e ela estava no último ano da faculdade.

O tratamento até a remissão do câncer durou quase um ano. Thais recebeu apoio incondicional da família e amigos, mas principalmente da mãe.

Enfermeira perdeu útero câncer filho gerado pela mãe
Foto: Vanessa Pires/G1

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Barriga solidária

“Dias difíceis, o tratamento foi muito forte. Mas nunca pensei que iria perder minha filha para o câncer. Passávamos até 20 dias no hospital depois da quimioterapia e eu ficava o tempo inteiro do lado dela”, relembrou a dona de casa Tereza Aparecida.

Anos mais tarde, a enfermeira de Uberlândia (MG) considerou a ideia de adotar uma criança. No entanto, a espera seria longa: dois anos.

“Fiquei desanimada por conta do tempo, mas não desisti. Ficamos no escuro por muitos anos, aguardando. Eu sempre fui resistente com essa história de fertilização”, contou.

Com o passar do tempo, a ideia foi amadurecendo. Mas quem poderia aceitar a tarefa?

“Não tinha como ser outra pessoa”, conta a enfermeira, ao falar sobre a mãe, que topou carregar no útero o próprio neto.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Enfermeira perdeu útero câncer filho gerado pela mãe
Foto: José Neto Fotografia Criativa/Divulgação

“Não tive medo por ser gravidez de risco”

Dona Tereza, 58 anos, está grávida de oito meses. No próximo mês, nasce Rubens, o neto gerado pela barriga solidária da avó.

Se antes ela comia sanduíche e tomava café com frequência, hoje mantém uma dieta rígida e faz pilates. Em três meses, perdeu 12 kg. “Comecei o tratamento com vários profissionais […] Meu marido falou que a decisão que eu tomasse ele apoiaria. Não tive medo por ser gravidez de risco”, contou.

A fertilização in vitro foi um sucesso. Dona Tereza segue a vida normalmente, apesar dos enjoos esporádicos. “Não parei minha vida, vou à missa, ao supermercado, as pessoas ficam olhando, mas não perguntam nada. Se perguntar eu falo que não é meu.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mãe e filha moram a 10 km de distância, mas fazem de tudo para se encontrarem todos os dias, mesmo que por pouco tempo.

Enfermeira perdeu útero câncer filho gerado pela mãe
Mãe, filha e genro curtindo o oitavo mês de gestação do Rubens. Foto: José Neto Fotografia Criativa/Divulgação

Família mais unida do que nunca

“Às vezes minha mãe liga para contar que o Rubens está ouvindo música. Quando ele mexeu, eu não estava perto, mas minha mãe me contou como foi.”

O pai de Rubens, Leandro Junior de Carvalho, que trabalha como engenheiro civil, conta que quando está junto da sogra aproveita cada momento para sentir o filho.

“A minha sogra sempre me tratou como um filho e nossa relação é muito tranquila. Ficamos à vontade quando estamos juntos e eu sempre acaricio a barriga dela. Quando vou embora, me despeço de meu filho”, afirmou.

Enfermeira perdeu útero câncer filho gerado pela mãe
José Neto Fotografia Criativa/Divulgação

“Sou muito grata a Deus por me permitir viver o que estou vivendo e por ter tantas pessoas especiais ao meu lado”, diz Thais, que complementa “era pra ser assim”, após tanta luta contra o câncer e muita reflexão sobre a barriga solidária.

Não poder engravidar não é sinônimo de não ter filhos. Existem muitas possibilidades, temos que ter fé e correr atrás, seja com barriga solidária, adoção ou tratamentos”, reforçou.

[Nota da Redação]

A cada bebê que traz ao mundo, o médico Calixto Hueb presenteia a mãe com uma arvorezinha para que a criança cresça com ela. É um primeiro presente à família do recém-nascido e também uma contribuição valiosa do médico para a preservação do meio ambiente. Vem conhecer mais essa história, dá play no vídeo abaixo:

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: G1

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,827,323SeguidoresSeguir
24,592SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ex-gari, que vive em condições desumanas, ganha mais de R$65 mil em doações para construir casa

O seu Deda vai deixar a casa de barro, gente! Batemos a meta da vaquinha para comprar uma casa digna para o Dedinha! Sua vaquinha...

Café Suspenso Brasília, espalhando mais gentileza na cidade

Vocês provavelmente já ouviram falar do Café Suspenso, mas para quem nunca ouviu, ele é uma iniciativa que se iniciou em um café da...

Baixe material pedagógico sobre Mulheres na História da África, produzido pela Unesco

Uma coisa não podemos negar: a Internet permite com que viajemos sem sair do lugar, sem falar que podemos estudar da nossa própria casa...

Menino de quatro anos doa dinheiro de cofrinho para coletores

A história é um pouquinho antiga, mas vale o registro, afinal, notícia boa nunca é notícia velha. Durante ano passado, o pequeno Artur, de...

Campanha pela liberdade na vida e na arte

Essa foi uma campanha lançada pela revista digital de teatro e política cultural "Antro Positivo" em Maio de 2013. O projeto intitulado "Campanha para a liberdade...

Instagram

Mãe aceita gerar neto para filha que perdeu útero ao tratar câncer 2