Mãe aceita gerar neto para filha que perdeu útero ao tratar câncer

Quando tinha apenas 22 anos, a enfermeira Thais Marina Soares precisou fazer uma cirurgia de retirada do útero em meio ao tratamento contra o câncer do colo do útero.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na época, já casada e sonhando ter um filho, Thais ficou arrasada.

“Quando descobrimos o tumor no colo do útero não dava mais tempo de fazer nada, tive que tirar o útero, mas o médico deixou o ovário para eu não entrar em menopausa”, contou. O ano era 2009 e ela estava no último ano da faculdade.

O tratamento até a remissão do câncer durou quase um ano. Thais recebeu apoio incondicional da família e amigos, mas principalmente da mãe.

Enfermeira perdeu útero câncer filho gerado pela mãe
Foto: Vanessa Pires/G1

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Barriga solidária

“Dias difíceis, o tratamento foi muito forte. Mas nunca pensei que iria perder minha filha para o câncer. Passávamos até 20 dias no hospital depois da quimioterapia e eu ficava o tempo inteiro do lado dela”, relembrou a dona de casa Tereza Aparecida.

Anos mais tarde, a enfermeira de Uberlândia (MG) considerou a ideia de adotar uma criança. No entanto, a espera seria longa: dois anos.

“Fiquei desanimada por conta do tempo, mas não desisti. Ficamos no escuro por muitos anos, aguardando. Eu sempre fui resistente com essa história de fertilização”, contou.

Com o passar do tempo, a ideia foi amadurecendo. Mas quem poderia aceitar a tarefa?

“Não tinha como ser outra pessoa”, conta a enfermeira, ao falar sobre a mãe, que topou carregar no útero o próprio neto.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Enfermeira perdeu útero câncer filho gerado pela mãe
Foto: José Neto Fotografia Criativa/Divulgação

“Não tive medo por ser gravidez de risco”

Dona Tereza, 58 anos, está grávida de oito meses. No próximo mês, nasce Rubens, o neto gerado pela barriga solidária da avó.

Se antes ela comia sanduíche e tomava café com frequência, hoje mantém uma dieta rígida e faz pilates. Em três meses, perdeu 12 kg. “Comecei o tratamento com vários profissionais […] Meu marido falou que a decisão que eu tomasse ele apoiaria. Não tive medo por ser gravidez de risco”, contou.

A fertilização in vitro foi um sucesso. Dona Tereza segue a vida normalmente, apesar dos enjoos esporádicos. “Não parei minha vida, vou à missa, ao supermercado, as pessoas ficam olhando, mas não perguntam nada. Se perguntar eu falo que não é meu.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mãe e filha moram a 10 km de distância, mas fazem de tudo para se encontrarem todos os dias, mesmo que por pouco tempo.

Enfermeira perdeu útero câncer filho gerado pela mãe
Mãe, filha e genro curtindo o oitavo mês de gestação do Rubens. Foto: José Neto Fotografia Criativa/Divulgação

Família mais unida do que nunca

“Às vezes minha mãe liga para contar que o Rubens está ouvindo música. Quando ele mexeu, eu não estava perto, mas minha mãe me contou como foi.”

O pai de Rubens, Leandro Junior de Carvalho, que trabalha como engenheiro civil, conta que quando está junto da sogra aproveita cada momento para sentir o filho.

“A minha sogra sempre me tratou como um filho e nossa relação é muito tranquila. Ficamos à vontade quando estamos juntos e eu sempre acaricio a barriga dela. Quando vou embora, me despeço de meu filho”, afirmou.

Enfermeira perdeu útero câncer filho gerado pela mãe
José Neto Fotografia Criativa/Divulgação

“Sou muito grata a Deus por me permitir viver o que estou vivendo e por ter tantas pessoas especiais ao meu lado”, diz Thais, que complementa “era pra ser assim”, após tanta luta contra o câncer e muita reflexão sobre a barriga solidária.

Não poder engravidar não é sinônimo de não ter filhos. Existem muitas possibilidades, temos que ter fé e correr atrás, seja com barriga solidária, adoção ou tratamentos”, reforçou.

[Nota da Redação]

A cada bebê que traz ao mundo, o médico Calixto Hueb presenteia a mãe com uma arvorezinha para que a criança cresça com ela. É um primeiro presente à família do recém-nascido e também uma contribuição valiosa do médico para a preservação do meio ambiente. Vem conhecer mais essa história, dá play no vídeo abaixo:

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: G1

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,777,821SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Americana leva gravidez de filha anencéfala adiante para poder doar seus órgãos

Keri Young é uma americana, que descobriu que a filha que esperava era anencéfala, ou seja, tem um cérebro subdesenvolvido e crânio incompleto, o...

[VÍDEO] Mamãe ursa para trânsito nos EUA para tirar seus filhotes bagunceiros da estrada

Nem a mamãe ursa tem paz, gente! 😅 Seus filhotinhos que o digam, afinal, eles não deram um pingo de sossego enquanto ela tentava,...

Ensaio fotográfico registra o envelhecimento de cães de diversas raças

A fotógrafa Amanda Jones registrou o envelhecimento de diversos cães em uma série intitulada “Anos Caninos”. De acordo com o Daily Mail, a artista que vive...

Artista mexicano derrete 1500 armas e transforma em pás para plantar árvores

O artista plástico e ativista mexicano Pedro Reyes decidiu transformar armas recolhidas em pás para plantar árvores. Pedro mora em Culiacán, a cidade do México...

Travesti que foi vítima de transfobia recebe apoio de internautas e vaquinha arrecada R$79 mil

A travesti Cibelly, 29 anos, foi brutalmente agredida por sete homens no carnaval deste ano em Belo Horizonte (MG). A violência dos transfóbicos foi tamanha...

Instagram