Mães de crianças com doenças raras lutam para conquistar o diploma de graduação

Para as mães de crianças especiais, conciliar a maternidade com a graduação exige muitos sacrifícios. Uma tarefa extremamente difícil, mas que não afasta a Eulina Silva Farias, 38 anos, do seu sonho de cursar o ensino superior com bolsas de estudo ofertadas a mães de filhos com doenças e síndromes raras.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Acredito que o Ensino Superior é importante para que eu possa me capacitar, ingressar novamente no mercado de trabalho e ser útil à sociedade. No futuro, penso em ser uma microempreendedora e a graduação em Logística vai me ajudar a gerir o negócio ou até mesmo conseguir um emprego em alguma empresa para ter como dar uma qualidade de vida melhor ao meu filho”, planeja.

Eulina é mãe do pequeno Deividy Farias Batista, 3 anos, diagnosticado com Síndrome Congênita do Zika Vírus. O diagnóstico foi um baque para Eulina, não só pela falta de informações sobre a doença na época, mas também porque Eulina arcaria sozinha com uma série de tratamentos especiais para Deividy.

O Razões e o Educa Mais Brasil te ajudam a conseguir bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras, clique aqui.

mães crianças especiais batalham diploma graduação
Eulina Silva Farias e o filho Deividy Farias. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Resiliente, toda semana, Eulina leva Deividy para a fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia, consultas com neuropediatra, pediatra, oftalmologista, nutricionista, além das sessões de fisioterapia e hidroterapia na ONG aBRAÇO a Microcefalia.

“Desejo poder realizar meu sonho e assim me capacitar, ir buscar do melhor para a minha família”, afirma Eulina, que encara as suas responsabilidades atuais como desafios que precisam ser vencidos.

A ideia de ingressar no Ensino Superior ganhou força no momento em que Eulina conheceu o projeto Mães Produtivas, idealizado pela ONG Aliança de Mães e Famílias Raras (AMAR) em parceria com o grupo Ser Educacional, desde 2016. Apenas mulheres que têm filhos com condições raras podem concorrer às bolsas de estudo integrais.

As inscrições vão até o dia 10 de maio (sexta-feira). As interessadas devem ligar para o número 4020-9734 (ligação local) e entrar em contato com o Núcleo de Atendimento ao Educando (NAE), de uma das 20 unidades de ensino participantes, para agendar o atendimento presencial.

As oportunidades são disponibilizadas nos seguintes estados: Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Enquanto Eulina corre atrás do desejo de ser contemplada com a bolsa de graduação a distância, Valéria Santos está no 6º semestre do curso de Pedagogia e vê a educação como uma forma de inspirar as pessoas. “Estar com crianças é aprendizado para mim. Eu me identifico com a ideia de formar não só bons alunos, que sejam capazes de tirar boas notas, mas que também possam ser cidadãos críticos e construtores dos seus conhecimentos”, afirma.

A universitária é mãe de Larissa Vitória Santos Ferreira, 5 anos, diagnosticada com Microcefalia e paralisia cerebral. Terceira de quatro filhos, Larissa fez Valéria se enxergar com outros olhos ou acreditar mais nela mesma. “A minha vida era mais calma e tranquila, mas não tinha tanto significado quanto com a Lari. Ela veio mostrar que a vida tem mais sentido, pois cuidar dela, para mim, é um privilégio”, ressalta.

mães crianças especiais batalham diploma graduação
Valéria Santos e a filha Larissa Vitória. Foto: Arquivo pessoal

Antes do nascimento da filha, Valéria lembra que não tinha muitas perspectivas profissionais. Ela trabalhava como empregada doméstica, mas buscou novos desafios com a maternidade. Entre eles, a oportunidade de conseguir uma bolsa de estudo do projeto Mães Produtivas. “Gratidão pelo projeto existir, pela oportunidade e confiança. De certa forma, alguém está acreditando e dizendo que somos capazes de fazer o que quisermos. Espero que muitas outras consigam ser ajudadas a crescer e progredir, pois estudar é isto: subir, a cada dia, um degrau”, finaliza.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Além das bolsas de estudo ofertadas gratuitamente às mães de filhos especiais, existem outras ações no setor privado que facilitam o acesso ao Ensino Superior, com desconto de até 70% na mensalidade. O Educa Mais Brasil é uma das iniciativas. Há mais de 15 anos, o maior programa de inclusão educacional do país já beneficiou mais de 900 mil pessoas.

Quer uma bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras? O Razões para Acreditar, em parceria com o Educa Mais Brasil, ajuda você. Clique aqui.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,842,344SeguidoresSeguir
24,826SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Primeira modelo com Síndrome de Down a estrelar campanha da Gucci e Vogue Itália

Ellie Goldstein tem 18 anos e acaba de se tornar a primeira modelo com Síndrome de Down a estrelar uma campanha da Gucci! Ela...

Professora se oferece para cuidar de bebê enquanto família inteira se recupera da Covid-19

Uma professora se dispôs a cuidar do bebê recém-nascido de uma família contaminada com a Covid-19 e virou um lindo exemplo de solidariedade em...

Projeto consegue dessalinizar água para consumo no sertão cearense

A dessalinização da água é um processo caro e por isso muitas pessoas não conseguem se beneficiar dessa tecnologia extremamente útil, mas uma iniciativa...

Fotógrafa retrata raposas selvagens em raros momentos de relaxamento total

Roeselien Raimond é uma fotógrafa holandesa de natureza que se especializou em tirar belas imagens de raposas selvagens. Ela busca através de seus registros mostrar o...

Casal de velhinhos chora muito ao serem separados por uma hora

É tanto tempo juntos, que eles não suportam ficar longe um do outro.

Instagram

Mães de crianças com doenças raras lutam para conquistar o diploma de graduação 3