Maestro João Carlos Martins volta a tocar piano com luvas biônicas

Clique e ouça:

Em fevereiro de 2019, o pianista e maestro João Carlos Martins, reconhecido mundialmente como um dos grandes nomes da música clássica, anunciou sua despedida dos pianos por conta de um problema de saúde que limitou a movimentação de suas mãos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No entanto, quase um ano depois, o pianista voltou a tocar em público no sábado (25), durante as comemorações do aniversário de 466 anos de São Paulo (SP).

Isso foi possível graças a uma luva biônica desenvolvida por um designer industrial de Sumaré (SP), que trouxe de volta o movimento de todos os dedos do músico, permitindo que ele tocasse novamente.

Maestro João Carlos Martins volta tocar piano luvas biônicas

De volta ao jogo

É a primeira vez em 22 anos que eu coloco os dez dedos no teclado. Eu senti que o grande segredo na vida é levar o seu coração para o coração do público. Eu achei que mesmo com todas as limitações que eu tenho e com o milagre que o Bira fez nas minhas mãos, com essa luva biônica, eu ainda posso transmitir um pouco de emoção. E isso mexeu com meu coração, com meu cérebro, com tudo”, disse o maestro em entrevista à EPTV.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

João Carlos Martins, que neste ano completa 80 anos, se reencontrou com o instrumento que o consagrou no Teatro Municipal de São Paulo.

Ao lado da Orquestra Bachiana Filarmônica do Sesi, tocou obras dos compositores alemães Ludwig van Beethoven e Johann Sebastian Bach.

Maestro João Carlos Martins volta tocar piano luvas biônicas

Feliz por estar de volta, o pianista conta que está ‘em êxtase‘ por ter conseguido tocar normalmente. João ainda passa por um período de adaptação com a luva biônica, que já está na sexta versão.

Leia também: Coral de voluntários cantava em hospital quando se deparou com maestro famoso

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu só podia tocar com dois polegares. Agora, eu tenho que reeducar o cérebro, acho que eu posso até recuperar a velocidade no futuro. Pode demorar um ano ou cinco anos, não sei, porque é uma musculatura que nunca usou esse terceiro, o quarto e o quinto dedo. Eu acho que eu vou recuperar a velocidade em um estudo, mas não tenho coragem de fazer em público. Em público vou fazer só coisas mais lentas por enquanto”, explicou.

João Carlos Martins conheceu o designer industrial Ubiratan Bizarro Costa, 55 anos, no ano passado.

Maestro João Carlos Martins volta tocar piano luvas biônicas

Luvas biônicas são feitas de forma artesanal

Quando ele almoçou aqui em casa, eu percebi que eu estava diante de um gênio. Aí ele fez o primeiro protótipo, fez o segundo protótipo, eu fui para Sumaré, nós corrigimos o segundo protótipo. Qualquer coisa que eu pedia, ele ficava uma madrugada inteira trabalhando para chegar ao resultado que eu queria. Então eu só posso dizer que eu ganhei um anjo da guarda antes dos meus 80 anos“, afirmou o maestro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

As luvas biônicas se destacam por seu design minimalista, simples e objetivo, facilitando seu uso. No caso de João, suas mãos que antes fechavam após os movimentos, agora ficam estendidas com uso do invento, que funciona como molas para gerar o efeito esperado.

Para construir a luva, feita de forma artesanal, Ubiratan leva uma semana. Cada par custa cerca de R$ 1,5 mil. É feito um desenho à mão elaborado em 3D, que passa por um software que constrói a luva em camadas. Em seguida, ela é impressa, em até 3 horas.

Maestro João Carlos Martins volta tocar piano luvas biônicas

Agora se sentindo mais seguro por ter usado as luvas em público, João Carlos Martins deseja aprimorar o uso delas para tocar “coisas mais rápidas”.

Em breve, ele fará um concerto no icônico Carnegie Hall, em Nova York, ao lado de Gal Costa, para comemorar os seus 80 anos de vida, em 25 de junho.

Maestro João Carlos Martins volta tocar piano luvas biônicas
João pôde voltar a tocar graças às luvas biônicas.

“Eu chegava a fazer 21 notas por segundo. Agora faço a cada 21 segundos uma nota, mas eu vou chegar lá. Porque a única coisa que vale na vida é a palavra esperança. E com a esperança você sempre pode provar que Deus existe e essa é a minha meta”, contou o maestro, que chegou a fazer 24 cirurgias.

Leia também: Maestro do Rio perde violino e partituras, mas recupera graças a taxista

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: G1/Fotos: Fernando Pacífico/G1 Campinas

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,026,653FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
11,997SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Brasileira voluntária da 2ª Guerra Mundial é hoje voluntária na luta contra o Coronavírus

A dona Blandina era adolescente quando confeccionou luvas para os soldados brasileiros da FEB (Força Expedicionária Brasileira) que lutaram na 2ª Guerra Mundial. Lá se...

Jovens antecipam casamento após saber que um deles tem apenas 5 meses de vida

Se você, assim como eu, se acabou de chorar vendo "Um amor para recordar" lá em 2002, se prepare: essa história é real, e...

Policiais unem-se a manifestantes em ato contra racismo e violência, nos EUA

É preciso tomar muito cuidado com generalizações, afinal, a profissão e a raça de uma pessoa não podem a definir. E para provar isso, diversos...

Engenheiro cria próteses gratuitas para pessoas carentes em impressora 3D

Aos 24 anos, o engenheiro industrial Guillermo Martinez decidiu usar todo seu conhecimento e criatividade em prol das pessoas carentes. Depois de comprar uma...

Pela primeira vez o Solstício de verão de Stonehenge será transmitido online

Pela primeira vez na história poderemos acompanhar o solstício de verão de Stonehenge online, o evento marca o dia mais longo do ano e...

Instagram