“Malala da Síria” luta contra o casamento de meninas com homens mais velhos em seu país

Aos 16 anos, a jovem Mezon Almellehan é conhecida como “Malala da Síria”. Mezon faz campanha pela educação e luta contra o casamento de meninas em campos refugiados na Jordânia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A ativista conversa com famílias refugiadas da guerra civil na Síria tentando convencê-las a não casar suas garotas com homens mais velhos.

O casamento forçado de meninas refugiadas sírias na Jordânia têm aumentado consideravelmente nos últimos anos, de acordo com o Unicef, o fundo da Organização das Nações Unidas para a infância.

Mezon começou o seu ativismo após algumas conversas com colegas de escola que já estavam planejando se casar.

“Eu conversei com elas sobre a importância da educação e pedi que adiassem seus casamentos”, disse Mezon à BBC.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A ativista participava de um programa de educação para jovens no campo de Zaatari, o maior para refugiados sírios na Jordânia. Metade das 40 meninas que entraram no programa haviam abandonado os estudos, muitas para se casar.

Mezon começou a ser comparada à paquistanesa Malala Yousafzai após ambas terem se encontrado. Na ocasião, a prêmio Nobel da Paz incentivou a colega síria a continuar com sua campanha.

“Malala é um pessoa que fez muito mais do que eu tenho feito. Eu só tenho tentado convencer meninas que deixaram zonas de conflito e acabaram em campos de refugiados a voltar aos estudos”, diz Mezon.

Nobel Peace Prize laureate Yousafzai greets young women activists who she invited to accompany her, in Oslo

NORWAY-NOBEL-PEACE-PRIZE

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

E a ativista tem uma mensagem para as meninas que estejam pensando em abandonar a escola para se casar: “Eu diria a elas que educação pode salvar a vida delas. Que elas deveriam fazer da educação uma prioridade, não importando o quão difícil a vida delas possa ser, não importando o quão difícil a situação possa ficar”.

Fotos: REUTERS/Suzanne Plunkett

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Morador de rua vende tudo para cuidar de sua cadelinha e seus filhotes

Tanto se fala de família nos últimos dias e aqui uma história linda de quem realmente entendeu o que família significa. Emerson Aparecido de Albuquerque...

Durante um ano inteiro, este homem pediu sua namorada em casamento sem que ela percebesse

Vocês do RPA sabem que somos muito fãs de pedidos de casamento, já postamos umas dezenas deles, que podes ser conferidos aqui. Por isso, temos certeza...

O segredo da longevidade das últimas 5 mulheres vivas nascidas em 1800

As últimas incríveis 5 mulheres vivas, viram muitos eventos importantes na história do mundo, como duas Guerras Mundiais, a Guerra Fria, o desenvolvimento do...

Ela foi de SP a Nova York (sem avisar) para passar seu aniversário junto com irmão

Como não amar registros de amor entre irmãos? Quem acompanha o RPA desde o início (e lá se vão mais de dois anos) sabe...

Quem foi que disse que velhice é doença?

A psicóloga de idosos Raquel Ribeiro (CRP 06/73384), 35 anos, é uma voz ativa no enfrentamento dessa visão negativa da velhice. Ela acredita que os idosos têm totais condições de serem pessoas ativas: a palavra-chave é “adaptação”. O aumento da dependência e dos casos de depressão são alguns dos efeitos mais devastadores quando se associa a velhice à fragilidade.

Instagram

“Malala da Síria” luta contra o casamento de meninas com homens mais velhos em seu país 3