Marceneira cria app que conecta mulheres a trabalhadoras que oferecem mão de obra segura

Sabe aquela ideia de que juntas as mulheres são mais fortes? Fernanda simplesmente materializou isso. Ela criou o projeto Severinas, uma empresa que conecta mulheres que precisam de serviços de mão de obra com mulheres que prestam esse serviço.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fernanda Voltan trabalhou com marcenaria dos 14 aos 16 anos, fez curso na área e sempre teve afinidade com esse ramo. “Eu fiz a cama que eu dormia“, conta.

Com esse conhecimento, ela percebeu que as mulheres não tinham muito espaço no mercado de trabalho para atuar fazendo o trabalho mais pesado, seja de marcenaria, de construção, de pintura…

“Participei de uma reunião com mulheres empreendedoras, duas que faziam serviço de mão de obra, como eu fiz marcenaria, e pensei: ‘meu por que que não tem mais?’ A gente precisa escalar isso. E tomei a decisão de tirar aquela ideia do papel”, relatou.

Mulher de camisa rosa e óculos em frente a tela de computador
Fernanda criou plataforma para dar acesso às mulheres ao mercado de trabalho de mão de obra pesada. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Severinas conecta clientes com trabalhadoras

Ela se juntou a alguns amigos e criou o modelo de negócio. Funciona assim: a pessoa solicita o serviço através de um aplicativo, vê as especificações da trabalhadora mais próxima e ela aceita o serviço. É tipo um Uber para serviços de manutenção com mão de obra 100% feminina, entendeu?

Hoje são sete Severinas. Uma delas é a Jéssica Magno, uma jovem de 24 anos com cursos sobre hidráulica, construtora de aplicações, graduação tecnológica, construção de edifícios e controle de obras.

Mulher fazendo serviço de elétrica em parede
Jéssica se especializou na área de construção. Foto: Arquivo pessoal

“Realmente é um mercado predominantemente masculino, mas eu vi bastante mulher entrando nessa área e daqui pra frente a tendência é lutar por essa igualdade. Não tem motivos para uma mulher não estar onde ela queira estar e essa ferramenta é muito importante porque facilita o acesso para as mulheres“, disse Jéssica.

Severinas facilita acesso ao mercado de trabalho e melhoria da renda

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), apenas 49% das mulheres estão no mercado de trabalho no Brasil, enquanto que 75% dos homens ocupam cargos no mercado formal. Ainda segundo o IBGE, 2,3 milhões de domésticas trabalham na informalidade no país.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“O Severinas tem como objetivo fazer com que as mulheres passem a lucrar com isso e assim ganhar mais autonomia e independência. Sabemos que nosso impacto está bem pautado em mulheres periféricas que podem mudar suas realidades ganhando mais dinheiro“, disse Fernanda Voltan.

De acordo com ela, no mercado informal as mulheres costumam receber pagamentos de R$ 150,00 por cada 4 horas de trabalho fazendo serviços domésticos e de limpeza. Com o trabalho pela plataforma, elas chegam a receber até R$ 220,00 em uma hora e meia. “Muitas mulheres não tinham pensado que poderiam aumentar a renda dessa forma“, comentou Fernanda.

E tem mais… no projeto as mulheres são encaminhadas para cursos de capacitação que qualificam ainda mais a sua mão de obra e isso se traduz em mais valorização e rendimentos.

Mulher com uniforme de construção dando legal e sorrindo para a foto
Foto: Divulgação/Severinas

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Muitas mulheres venezuelanas também vivem na informalidade no Brasil. É o caso de Neimar, que circula pela cidade alugando tanquinhos de lavar roupa para conseguir renda. Criamos uma vaquinha no VOAA para que ela possa ampliar seu negócio. Clique e contribua!

Autonomia financeira leva mais segurança para as mulheres

Um dos objetivos do Severinas é também levar mais segurança para as mulheres, que não se sentem tranquilas contratando homens para fazer serviços nas suas casas. Mais de 4,5 milhões de brasileiras moram sozinhas.

“Identificamos em nossas pesquisas que as mulheres gostariam de ter serviços de manutenção prestados por outras mulheres, principalmente àquelas que moram sozinhas”, disse Fernanda. De acordo com levantamento da empresa, 70% das mulheres se sentem mais seguras com outras mulheres.

E essa sensação também se aplica às trabalhadoras. “Com mulheres trabalhando para mulheres, a gente se sente mais à vontade, com mais segurança“, disse Jéssica.

Outra coisa interessante que Fernanda tem percebido é que esse trabalho pode tirar as mulheres da violência doméstica. “Nosso sonho é ser um aplicativo que gere renda e mude a vida de milhares de mulheres, principalmente aquelas que precisam sair de situações de risco e um aumento de renda tornaria isso possível”, disse Fernanda.

Ah, maravilhosa!

Para se tornar uma trabalhadora do Severinas, basta se inscrever pelo site. E as interessadas em solicitar o serviço precisam baixar o aplicativo na Play Store ou na App Store.

Aposto que você já comprou ou conhece alguém que tenha comprado de uma consultora da marca Tupperware®.Mulheres que…

Publicado por Razões Para Acreditar em Segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

Selo Conteúdo Original Razões para Acreditar

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,765,320SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ela é a primeira professora com Síndrome de Down da Faixa de Gaza

Hiba Al Sharfa é a primeira professora com Síndrome de Down a dar aulas para crianças portadoras da síndrome na Faixa de Gaza. Uma conquista importante, que merece ser celebrada, pois agora as crianças se sentem representadas na sala de aula.

Maqueiro que tranquilizou idosa vai ter a casa reformada pelos colegas do hospital

Falamos aqui do dia em que o maqueiro Idelmar Pereira dos Santos (56), o “Farofa”, pegou uma paciente idoso no colo que estava sentindo...

Condomínios não podem proibir moradores de criar animais em casa, decide STJ

Pela decisão do STJ, só pode haver proibição caso o animal represente risco à segurança, à higiene e à tranquilidade dos demais moradores do condomínio.

Enfermeira arrisca própria vida para salvar 5 pacientes de incêndio em hospital de Aracaju (SE)

Na última sexta-feira (28), a enfermeira sergipana Dimitria Aragão colocou sua própria vida em risco ao entrar em uma ala hospitalar em chamas para...

Fotógrafa recria “Pequeno Príncipe” em fotos encantadoras e bem brasileiras

A fotógrafa Mari Merlim resolveu recriar a famosa história "Pequeno Príncipe", do autor francês Antoine de Saint-Exupéry, em lindas imagens bem brasileiras. Quem nunca ouviu falar do "Pequeno Príncipe"? Seja...

Instagram