Médica autista de 26 anos comanda hospital de campanha contra Covid-19: ‘Good Doctor brasileira’

A médica Larissa Rodrigues Assunção tem apenas 26 anos, mas já é diretora clínica de um hospital que atende dezenas de pacientes diagnosticados com a Covid-19.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com uma carga horária semanal de 80 horas, Larissa não para: a todo tempo está atualizando prontuários, dando ordens aos médicos e recebendo os pacientes da melhor maneira que pode.

Não é uma tarefa fácil: o Hospital de Campanha Zona Leste, em Porto Velho (RO), onde a médica atua, está lotado de internados, uma situação comum em todo o Estado.

médica com autismo good doctor brasileira
Foto: Ísis Capistrano

Diagnóstico do autismo

Larissa é forte e lida com tudo isso de maneira serena. Ser jovem para o cargo é apenas um detalhe na vida da médica: quando criança, ela foi diagnosticada com o transtorno de espectro autista (TEA).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Até a adolescência, precisou trocar de escola várias vezes, pois era alvo de bullying das outras crianças. Tinha dificuldade para se relacionar com os outros ou fazer contato visual com alguém. Mas sempre se mostrou uma criança brilhante.

médica com autismo good doctor brasileira
Foto: Ísis Capistrano

‘Good Doctor’ brasileira

A história de Larissa se assemelha à do Dr. Shaun Murphy, da famosa série ‘The Good Doctor’. No seriado, Shaun é um jovem médico recém-formado com autismo que teve uma infância problemática.

Após se formar, o jovem se desloca para uma nova cidade para se juntar ao prestigiado departamento de cirurgia do Hospital San Jose St. Bonaventure, onde usa seus talentos para salvar vidas e desafiar o ceticismo de seus colegas.

Assim como Shaun, Larissa trocou de cidade para alavancar sua vida. Deixou Uberlândia (MG) e mudou-se para Porto Velho (RO) após passar em Medicina pela Unifimca (Centro Universitário Aparício de Carvalho). Depois de conquistar o diploma, fez uma pós-graduação em neurociências pela Universidade Duke, nos EUA.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

médica com autismo good doctor brasileira
Foto: Reprodução / Deficiente Ciente

Agora, finaliza duas especializações — neuroimagem pela Universidade Johns Hopkins (EUA) e psiquiatria pela PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul).

“Decidi fazer medicina em Rondônia pois tenho paixão pela Amazônia, pela parte antropologicamente rica de uma cultura tão particular. Aproveitei que tenho uma tia médica aqui, e de súbito, em 2 meses estudei um pouco e ingressei”, contou Larissa ao portal UOL.

Atuando na linha de frente da pandemia

No ano passado, a jovem médica trocou uma residência na área de neuropsiquiatria, uma das mais concorridas do Brasil, para atuar na linha de frente da pandemia, exatamente na cidade em que se formou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela entende que qualquer especialização na área de medicina precisa estar conectada ao momento vivido, daí a escolha – super sensata, aliás – de focar no que é mais urgente para o país.

“A pandemia me transformou. Sempre fui empática em acolher e ajudar, mas a vivência atual modificou a forma como enxergo o mundo e as minhas reais necessidades. Não tive outra escolha a não ser ficar e trabalhar. Meu trabalho também é fonte de sustento à minha família. Ajudo meu irmão, que também estuda medicina”, explicou Larissa.

Vida pessoal da médica

Questionada sobre a rotina sobrecarregada do trabalho, Larissa diz que ela impacta sua vida pessoal, mas que ela procura se distrair com coisas positivas, como tocar instrumentos, ler, desenhar, limpar a casa ou brincar com seu doguinho, o Pipo.

Em outras palavras, a pandemia não define ‘o universo’ da médica, apesar dela estar bastante inserida nele. Faz parte. A única coisa, no final das contas, que ela acha ‘estranho’, é dar entrevistas.

“Contar minha história é uma coisa muito estranha. Tudo aconteceu rápido na minha vida. Na minha infância e adolescência, algumas pessoas me viam como algo extraordinário, com uma ‘super mente’, e outras me viam exatamente de modo oposto. Hoje, isso não me incomoda. O autismo faz parte de mim, mas não me define e não limita o meu potencial”, resumiu a médica.

Fonte: Deficiente Ciente

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menino de 11 anos que perdeu os dois braços é exemplo de superação no esporte e na vida

O menino Samuel, de 11 anos, é paciente da AACD desde o ano passado. Ele começou sua terapia depois que sofreu um grave acidente...

Mulher conhece seu doador de esperma e encontro acaba em casamento

Aos 42 anos, Londoner Aminah Hart era solteira, mas ela queria um filho. Então ela foi recorreu a um banco de esperma e selecionou um doador...

15 casais recriam fotos antigas suas e provam que existe amor para toda vida

Que ninguém fica mais novo é fato! Mas não o amor, esse não envelhece, pelo contrário, só fica melhor, mais forte e mais lindo com...

Histórico: criança é autorizada pela Justiça brasileira a trocar de nome e gênero

Hoje com 9 anos, os pais de Leandro entraram com uma ação na Justiça para o filho mudar sua identidade de gênero e tornar-se...

Gratidão: ex-alunos se unem em vaquinha para pagar dívida de R$ 100 mil de professor aposentado

"Dinheiro nenhum no mundo é capaz de pagar o que ele fez por mim, minha família e meus amigos.”

Instagram

Médica autista de 26 anos comanda hospital de campanha contra Covid-19: 'Good Doctor brasileira' 3