Médica ‘receita’ influenciadores e intelectuais negros para jovem deprimido

Bastante conhecida por postagens sobre sua rotina como médica de família, mais uma vez, a médica Júlia Rocha deu um exemplo de atendimento humanizado. Seu relato mostra que representatividade tem tudo a ver com saúde mental: representatividade salva vidas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Esses dias Júlia atendeu um jovem negro, de 22 anos, gay e periférico. O rapaz, conta a médica, estava gravemente deprimido: há cerca de dois meses tentou se matar usando os remédios do pai; ficou internado em estado preocupante.

[A Ana Paula é uma mulher trans e foi acolhida pela dona de um salão de beleza, após ter sido vista comendo comida do lixo. Tatiana criou uma vaquinha online para ajudar a moradora de rua a recomeçar sua vida do zero, saiba como ajudar aqui.]

É que o rapaz carregava um sentimento de culpa “por não corrigir sua sexualidade”. Ele já fazia acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Mas, para Júlia, ele precisava “se aprofundar no entendimento do seu lugar social como um homem gay, negro e periférico”.

“Tem horas que só enxergando e conhecendo as estruturas que nos oprimem pra conseguir dar o próximo passo”, ressaltou Júlia, que além de médica é cantora.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

ILUMINADO Há cerca de 15 dias fiz essa prescrição para um paciente muito querido. Um jovem negro de 22 anos, evangélico, gay, trabalhador. Gravemente deprimido, há cerca de 2 meses tentou se matar usando os remédios do pai. Ficou internado em estado grave! Carregava consigo uma enorme culpa por, segundo ele, não conseguir “corrigir sua sexualidade” e seu afeto. Ele já estava em acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Já estava usando medicações. A família já estava mobilizada para apoiá-lo mas pra mim ele precisava se aprofundar no entendimento do seu lugar social como um homem gay, negro e periférico. Tem horas que só enxergando e conhecendo as estruturas que nos oprimem pra conseguir dar o próximo passo. Pedi para que ele buscasse pelo Spartakus Santiago, pelo AD Júnior, dois jovens negros e gays que compartilham suas vivências e aprendizados nas redes sociais. Indiquei acompanhar intelectuais negras: Conceição Evaristo, Djamila Ribeiro e Juliana Borges. Prescrevi a leitura do livro ‘O que é racismo estrutural’ do Silvio Almeida. Falamos de intolerância, de espiritualidade, de afeto… Entreguei esta receita impregnada de um desejo imenso de vê-lo melhor. Hoje eu o encontrei no corredor. Ele sorriu e me deu um longo abraço. Aquele instante durou uns anos. “Tudo bem?” “Estou melhor. Bem melhor…. Li o livro…. passei a receita pra outros amigos….” “Que bom!” “Quero marcar meu retorno com você.” “Alguma novidade?” E ele se aproximou pra falar o segredo: “Tô namorando.”

Uma publicação compartilhada por J Ú L I A R O C H A (@cantorajuliarocha) em

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Enfermeira cria ‘potes de remédios’ para orientar pacientes idosos

Pois então, Júlia escreveu no receituário nomes de pessoas que pudessem ajudar o jovem a entender melhor seu lugar social. Pediu que buscasse pelo Spartakus Santiago e AD Júnior, dois jovens negros e gays que compartilham suas vivências nas redes sociais.

Indicou intelectuais negras (Conceição Evaristo, Djamila Ribeiro e Juliana Borges) e, por fim, prescreveu o livro ‘O que é racismo estrutural?’, do Silvio Almeida. No papo que tiveram, Júlia e o rapaz também conversaram sobre intolerância de espiritualidade, de afeto… A médica entregou a receita desejando uma melhora profunda e sincera ao rapaz.

E ele melhorou?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

E se melhorou! Júlia encontrou o rapaz alguns dias depois: sorridente, lhe deu um abraço, um instante que, segundo ela, durou alguns anos. Perguntou se ele estava bem e ouviu: “Estou melhor. Bem melhor… Li o livro [‘O que é racismo estrutural’] passei a receita pra outros amigos…”. O jovem disse que queria marcar seu retorno, e a médica quis saber se ele tinha alguma novidade para contar:

“E ele se aproximou pra falar o segredo: ‘Tô namorando’.”

Sim, àquela primeira conversa com Júlia foi libertadora para o rapaz. Aliás, mais do que uma conversa entre uma médica e um paciente, foi uma conversa entre dois negros: pode parecer desnecessário pontuar isso, mas só parece mesmo.

Leia também: Estudante de medicina adapta receita de paciente que não sabe ler

E que depois incluiu outras pessoas negras, desconhecidas para o rapaz até então, mas que agora estão o ajudando a entender melhor seu lugar social, para viver sua vida ao máximo: com menos vergonha de quem ele é verdadeiramente e mais autoaceitação e amor próprio. Um caso concreto de que representatividade, sim, salva vidas!

Aqui e aqui, você lê outras histórias sobre o trabalho humanizado dessa médica (negra!) incrível.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

crédito das imagens: Reprodução/Instagram @cantorajuliarocha

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,493,634SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

10 motivos porque Chris Pratt é o ator mais legal de Hollywood

Vamos falar de coisa boa? (Não, não é Top Therm), é sobre o ator Chris Pratt, ele já apareceu no Razões algumas vezes (relembre...

Que tal transformar seu óleo de cozinha usado em biocombustível?

Agora existe algo melhor que você pode fazer com o óleo usado de cozinha em vez de reciclá-lo ou ainda jogá-lo pelo ralo. A...

SP ganha primeiro telhado verde com floresta de Mata Atlântica

Um dos maiores desafios hoje de grandes centros urbanos é devolver parte dele para natureza e sua pureza. Para isso, uma solução que vem agradando...

Funcionário de supermercado faz compras para cliente que estava com filho no colo 

"Eu agradeço em nome de todas as mamães e mulheres que muitas vezes não têm com quem deixar seus filhos para fazer atividades de dona de casa", agradeceu a cliente, emocionada.

Instagram